Yasuhiro Anpo tem uma longa lista de créditos na Capcom, em especial em jogos da série Resident Evil. Começando como programador no primeiro título da franquia, ele manteve a mesma função em Resident Evil 2. Anos depois, Anpo se tornou um dos prodotures de Resident Evil 5, e mais recentemente, assumiu a direção de Resident Evil: Revelations 2.

Em uma entrevista exclusiva, ele conta alguns dos segredos da trama do título mais recente da franquia, sem deixar de dar alguns palpites sobre o futuro.

REVIL: Claire e Moira foram infectadas pelo vírus T-Phobos, assim como os outros membros da Terra Save. Por que elas não se transformaram em Afflicted? As meninas ainda têm o vírus em seus corpos?

Yasuhiro Anpo: Claire passou por muita coisa e já sobreviveu a várias situações difíceis, portanto, ela foi capaz de sobreviver ao horror de Revelations 2 sem entrar em pânico e, consequentemente, sem sofrer mutação (note como o bracelete dela só altera para a cor laranja até o final do jogo). O destino de Moira, por outro lado, muda de acordo com a ação do jogador durante a batalha contra Neil. Durante a cena em que Claire está sendo atacada por Neil após o elevador descer, se Redfield for aquela que dá o golpe final no monstro, Moira nunca supera seu medo de armas de fogo, então após estar presa nos escombros no final do episódio 4, ela é incapaz de controlar seu medo e é dominada pelo vírus. No entanto, se Moira dá o golpe final em Neil, ela é capaz de superar seu trauma e salvar Claire; então, como ela consegue superar o maior de seus medos, ela controla até mesmo o medo de estar sob os escombros.

R: Assim como Alex sobreviveu ao tiro na cabeça devido ao T-Phobos, o vírus também salvou a vida de Moira após o desabamento do Monumento?

YA: Na verdade, o Monumento não desaba completamente – é somente uma parte dele. Fizemos isso de propósito para que o jogador pudesse investigar o local com Barry. A ideia é que Moira conseguiu usar os escombros como um ponto seguro até achar a saída. Posteriormente, ela é salva por Evgenny, que veio investigar o desabamento. Considerando isso, sob determinado ponto de vista, pode ser que o T-Phobos tenha acelerado os sistemas imune e de recuperação dela [Moira], o que pode ter contribuido para sua sobrevivência!

R: Natalia é considerada o receptáculo perfeito para a mente de Alex, pois a menina não sente medo após o incidente de Terragrigia. No entanto, o bracelete dela está sempre vermelho durante o jogo. Como o T-Phobos responde ao medo, por que o bracelete de Natalia não está sempre verde, como o de Neil?

YA: Os sensores em cada uma das cobaias muda de cor de acordo com a quantidade de adrenalina secretada na corrente sanguínea. No entanto, se as cobaias forem capazes de “vencer” o medo, mentalmente falando, embora fisicamente elas tenham adrenalina sendo bombeada pelo corpo – isso significa que verdadeiramente dominaram seus medos. Nesse caso, o sensor irá parar e somente mostrar a cor vermelha. Em outras palavras, era exatamente isso que Alex estava buscando em uma cobaia compatível. O mesmo aconteceu com Moira – assim que ela venceu seu medo, o bracelete se manteve vermelho.

R: Falando sobre a relação de Claire e Neil: eles tinham um relacionamento amoroso ou Claire tinha sentimentos platônicos por ele?

YA: Para Claire, Neil deveria ser o tipo de superior que ela deve respeitar… assim como é o tipo de homem pelo qual ela sente atração. Na verdade, a relação dos dois era mais de colegas de trabalho ou de amigos, e nada além disso.

R: No “final bom” as mentes de Alex e Natalia coexistem dentro da menina? Durante toda a campanha de Barry ele estava sendo acompanhado por uma Natalia confusa ou por Alex se passando por uma criança? Em algum momento a mente de Natalia pode se transformar completamente na mente de Alex?

YA: Até certo ponto da campanha de Barry, a parte de Alex que vive dentro de Natalia ainda não despertou – então até certo momento, a consciência de Natalia tem completo controle. As memórias de Alex se misturaram a algumas de Natalia. A razão pela qual a menina diz “Moira!? Ela está morta…” é devido a fragmentos de memória de Alex que se combinaram à mente de Natalia, e ela não percebeu que estas memórias são diferentes das suas próprias naquele momento.

A transferência das memórias de Alex não foi 100% finalizada, então para que a personalidade de Alex se tornasse uma força dominante dentro de Natalia, um “gatilho” era necessário. Um desses “gatilhos” pode ser visto no “final ruim” – quando ela é colocada em uma situação de risco de vida. No “final bom”, Natalia escapa antes de isso acontecer, mantendo sua consciência como Natalia. O que acontece com ela, ou como ela vive sua vida após esse final, no entanto, é algo que vamos guardar para o futuro. Esperamos que os fãs aproveitem debatendo e fazendo teorias entre eles.

R: Por que Alex teve medo de Natalia no final do episódio 3? Ela acabou vendo seu antigo “eu” dentro da menina? Se Alex já havia decidido se matar e viver dentro da Natalia, por que mudou de ideia e tentou matar a menina depois?

YA: Naquele momento, Alex via Natalia como um experimento falho – ela deveria se tornar Alex, mas até então permaneceu como Natalia. Quando Alex está estrangulando e quase matando a menina, em um piscar de olhos, a segunda Alex, que existe profundamente dentro da consciência de Natalia, desperta. Agora, “duas Alex” existem no mundo. A própria existência de Alex está abalada e ela passa a temer Natalia que, em seu âmago, está se tornando uma “nova Alex”. Alex, que está quase morrendo, mas se agarra à própria vida, decide que precisa destruir Natalia para ser a “única e verdadeira Alex” novamente.

R: Nós tivemos a chance de entrevistar o Sr. Okabe no ano passado e acabamos fazendo uma pergunta sobre Alex Wesker. Nós fomos sortudos ao dar um bom palpite, mas assim como nós, todos os fãs estavam ansiosos para vê-la em um jogo, especialmente por que ela poderia ser uma grande vilã, assim como Albert Wesker foi. Aquele final aberto no jogo é um indicativo de que Alex pode retornar em um jogo futuro?

YA: Do nosso ponto de vista, seria ótimo usá-la no futuro e continuar a trabalhar com essa vilã que pode estabelecer um novo capítulo na “saga Wesker”. Se os fãs quiserem e se manifestarem o suficiente, eu acho que isso só aumenta as chances de ela aparecer novamente no futuro.

R: Por que vocês escolheram fazer de Alex uma mulher? Você acha que precisamos de mais vilãs na série?

YA: Albert Wesker foi o vilão mais marcante que Resident Evil já teve. Por conta disso, sentimos que outro vilão teria que superá-lo, o que seria bem difícil de fazer. Então decidimos que, ao fazer desse novo Wesker uma mulher, poderíamos criar um personagem novo que se destacaria por seus próprios méritos, diferentes daqueles de Albert. Alex e Albert compartilham o conceito de eugenia, mas eu acho que podemos separar os dois pela “maldade que leva a loucura”, que vemos na campanha de Barry.

R: Filmes como “Avatar”, “A Origem”, “Trancendence” e “Capitão América: Soldado Invernal” abordam o tema da transferência de mentes. Além de Kafka, que outras inspirações vocês tiveram para criar Revelations 2?

YA: Além de Kafka, nenhuma outra referência me vem à mente.

R: Revlations 2 foi uma experiência única na série: formato episódico, um novo sistema cooperativo e muita nostalgia para os antigos fãs da série. A Capcom tem planos para um “Revelations 3” usando essa fórmula ou vocês preferem tentar algo novo na próxima vez?

YA: Nós recebemos mais opiniões positivas sobre o formato episódico do que esperávamos, então, nesse aspecto, acho que já vimos alguns resultados bem sólidos. Nós também aprendemos muito, e algumas coisas funcionaram muito bem, enquanto outras precisam ser aprimoradas no futuro. Independente de como o conteúdo é entregue ao público, se pudermos criar uma história nova, eu definitivamente gostaria de dar continuidade à fórmula de “retornar às raízes” e “homenagear títulos antigos”, que agora se tornou uma marca registrada da série Revelations.

Agradecimento especial à Fabio Santana da Capcom-Unity Brasil, que viabilizou a entrevista.

%d blogueiros gostam disto: