Lançado em 2001 para comemorar o aniversário de cinco anos da série, Wesker’s Report é um material em vídeo que apresenta a visão do vilão sobre os acontecimentos da mansão de Spencer e em Raccoon City, revelando mais sobre os objetivos e a participação dele nos dois incidentes. Aproveitando a chegada de Resident Evil CODE: Veronica Complete / X ao mercado, o audiovisual inclui também uma explicação sobre a sobrevivência e ressurreição de Albert Wesker. No Japão, o report foi lançado em inglês (com legendas em japonês) como parte do “Biohazard 5th Anniversay Pack“, pacote especial que incluía todos os games da série até aquele momento, além de diversos brindes. Nos Estados Unidos, foi lançado como um DVD simples, enviado como brinde aos compradores de RE CODE: Veronica X, em inglês.

Wesker’s Report Dublado

Com objetivo de aproximar os fãs da série brasileiros e atrair a atenção da Capcom para o mercado nacional, o REVIL, em parceria com a Think Mind Productions lançou em 2012 uma versão dublada do Wesker’s Report, que originalmente não contava com falas e legendas em português. Assista ao vídeo:

Realização: Think Mind Productions
Projeto: REVIL
Agradecimentos especiais: Rádio Dynâmica FM

Transcrição das falas do vídeo original

Meu nome é Albert Wesker.

Eu almejava me tornar um pesquisador chefe da Umbrella Inc., uma empresa farmacêutica que conduzia secretamente o desenvolvimento de armas biológicas. Mas no centro de treinamento de líderes em Raccoon City, eu conheci um cientista brilhante e talentoso que decidiu seguir outro rumo – William Birkin.

Com o tempo posicionei-me nos S.T.A.R.S., uma unidade das forças especiais do Departamento de Polícia de Raccoon. Para gerenciamento de crises com suas armas biológicas ilegais, a Umbrella tinha muitas pessoas trabalhando no departamento de polícia.

Tornei-me o líder dos S.T.A.R.S., conduzindo todo tipo de atividades de inteligência para a Umbrella. Enquanto servia, desenvolvi meus próprios planos e esperei o momento certo para executá-los.

Até que, finalmente, a oportunidade chegou.

1998 – Julho

24/07

Os assassinatos macabros que aconteceram na floresta próxima à mansão deram início a tudo. A mansão era o laboratório secreto de armas biológicas da Umbrella, e era óbvio que o T-Virus, ainda em desenvolvimento, era a causa dos assassinatos.

Inicialmente, a Umbrella me instruiu secretamente a deixar os S.T.A.R.S. fora do caso, mas com a enorme comoção dos cidadãos, o time não teve escolha a não ser agir.

Foi aí que minha ordem seguinte foi dada. Enviar os S.T.A.R.S. à mansão, livrar-me deles e reportar a situação ao quartel-general para que o combate do time contra as armas biológicas fosse utilizado para análise de dados, resultando em um quadro compreensivo das habilidades de batalha das criaturas.

Dos 2 times dos S.T.A.R.S., eu enviei o Bravo Team primeiro. Como esperado, a elite da equipe deram tudo de si e se tornaram amostras de dados úteis. A seguir, enviei o Alpha Team em uma missão de resgate do Bravo Team. Os membros do esquadrão também mostraram seu valor e, como esperado, muitos morreram.

Dos 11 membros originais dos S.T.A.R.S., havia 5 sobreviventes. Do Alpha Team eram Chris Redfield, Jill Valentine e Barry Burton. E do Bravo Team eram Rebecca Chambers e Enrico Marini.

Era hora de começar a executar meus planos. Em meio a todo o caso, eu poderia utilizar a arma biológica definitiva da Umbrella, o Tyrant, e unir forças com uma corporação rival. Para entrar nesta companhia, eu precisaria dos dados de combate do Tyrant.

Os sobreviventes privilegiados do S.T.A.R.S. eram a isca perfeita. Eu decidi que um deles seria o Judas e os atrairia ao Tyrant.

Esse Judas era Barry.

Barry era do tipo justo e verdadeiro, e prezava sua família sobre qualquer coisa. Esse tipo é fácil de manipular. Eu somente retirei a coisa mais importante dele. Meu único erro de cálculo foi o alto potencial de Chris e Jill. Mas com o homem de família Barry interpretando o Judas, o esquema correu como planejado.

Foi quando os ventos inesperadamente viraram.

Eu preciso eliminar Enrico, que descobriu que eu estava por trás de tudo. Usei Barry para chegar até ele. Depois de me livrar deste imprevisto, aguardei na sala do Tyrant as cobaias de teste que Barry me traria.

Antes disso, injetei o vírus que havia recebido de Birkin. Se eu fizesse a Umbrella acreditar que eu estava morto, seria muito mais conveniente me vender à corporação rival. De acordo com Birkin, o vírus tinha efeitos profundos. Ele colocaria meu corpo em um estado de morte “temporária”, para então me trazer de volta à vida com poderes sobre-humanos. Sendo assim, libertei o Tyrant de seu descanso e deixei que me atacasse. Enquanto minha consciência se esvaia, eu estava certo que todo o plano seria bem sucedido.

Mas eu nunca imaginaria que os S.T.A.R.S. seriam capazes de matar a criação maligna. Eu perdi o Tyrant, e o plano que desenvolvi, que custou minha humanidade, havia fracassado. Agora, qualquer um que ficasse em meu caminho seria morto. Foi assim por muito tempo e sempre vai ser. Custe o que custar, eu faria os S.T.A.R.S. pagarem.

- Setembro

Dois meses se passaram desde o incidente da mansão. Para recuperar tudo que perdi em minha nova organização, me uni a Ada Wong, uma espiã que também foi enviada para espionar a Umbrella.

Eu tinha certeza absoluta que o cientista chefe era William Birkin, mas o que ele não sabia era que a Umbrella não jogava… com ninguém. Eventualmente, Birkin seria assassinado e o G-Virus estaria nas mãos da Umbrella.

Mas o time de resgate liderado por Hunk estavam à nossa frente. Quando chegaram até Birkin, ele já havia injetado o G-Virus em si próprio… ele se tornou a própria criação, e dizimou a equipe.

Pouco depois, o T-Virus se espalhou por Raccoon City através dos ratos, e a Umbrella enfrentou sua pior situação.

- 28/09

Os bons cidadãos se tornaram zumbis, e a cidade rumava a seu destino devastador. Os humanos não eram páreo para os zumbis.

No caos, a Umbrella da Europa utilizou um novo tipo de arma biológica, chamada “Nemesis”. Ele caçaria e destruiria o membro sobrevivente dos S.T.A.R.S., Jill. Tornou-se imperativo que nossa organização obtivesse dados do Nemesis.

- 29/09

Para encobrir todo o caso, a Umbrella enviou um Tyrant para cuidar de Leon e Claire, que tentavam revelar seus segredos.

Então, uma nova revelação. Birkin costumava esconder as descobertas de seus estudos no pingente de sua filha, Sherry. Era bem possível que o G-Virus estivesse lá. Enquanto a Umbrella estava ocupada com seu acobertamento, nós tínhamos que capturar Sherry antes deles. Enviei Ada sob disfarce para localizar a garota. Eu, o “homem morto”, por outro lado, devia trabalhar nas sombras.

A obrigação de prioridade de um espião é a missão, levá-la a cabo sem interferência emocional, como uma máquina. Mas por sua interação e envolvimento com Leon S. Kennedy, uma afeição começou a crescer dentro dela.

Meus instintos perceberam o perigo e algo deveria ser feito rapidamente. Meus instintos não me desapontaram. Apesar de Ada quase ter suas mãos no G-Virus, que Leon obteve de Sherry, a afeição dela a levou á morte. Mas ela ainda me era útil. Eu tinha que salvar a vida dela. Meu pessoal apressou-se para recuperar o G-Virus que Leon jogou fora, mas Hunk, o único sobrevivente da equipe de resgate da Umbrella, chegou antes de nós.

- 30/09

Nossa única opção era trazer Birkin, o monstro, como uma espécime de amostra e fazer com que ele matasse Leon e Claire para obter dados de combate. Apesar de Birkin perder a batalha contra os dois, conseguimos obter amostras do G-Virus de seu cadáver.

- 01/10

Pela manhã, o governo bombardeou Raccoon City tentando conter a infecção. Essa era, obviamente, uma razão falsa.

Mais tarde, Claire partiu para a Europa para encontrar seu irmão, Chris, e Leon se uniu com uma organização clandestina anti-Umbrella.

Sherry está segura em nossas mãos. Eu nunca subestimaria Birkin.

Há algo nessa menininha…

Vídeos Legendados

Relançamento

Em 2006, em comemoração ao décimo aniversário de Resident Evil e ao quinto de Devil May Cry, um DVD foi enviado como brinde àqueles que comprassem as edições especiais de Devil May Cry 1 ou 3, RE CODE: Veronica X ou RE4, que também acompanhavam as respectivas trilhas sonoras. O disco continha, além de vídeos e trailers das duas franquias, uma nova versão do primeiro Wesker’s Report. Não há grandes diferenças em relação ao original, porém, o trecho final sobre Sherry foi completamente suprimido, dando a entender que a garota não foi capturada pelo vilão.