História

Criados a partir do vírus Uroboros, os Revenants são B.O.W.s criados por Alex Wesker através do processo de cultura do vírus. O vírus foi obtido pela vilã em 2009, após o uso deste em Kijuju, na África. Um dos cientistas de Alex notou que um cadáver poderia ser facilmente reanimado após a infecção com o Uroboros. Essas criaturas são híbridas, ou seja, formadas por dois tipos de vírus em conjunto, o T-Phobos e o Uroboros.

Em 2011, após a destruição da torre na Ilha Zabytij, e seu “renascimento”, Alex realizou inúmeras cirurgias com os cadáveres de experimentos realizados com o vírus T-Phobos, combinando partes de vários corpos e, posteriormente, infectando essas cobaias com o vírus Uroboros. As criaturas foram soltas pela sua própria criadora, tornando a aventura de Moira Burton, Barry Burton e Evgeny Rebic bem mais complicada.

Biologia

A aparência dos Revenants remete a vários pedaços de corpos costurados em um só cadáver. Esse (ou esses?) hospedeiro é infundido com o com o T-Phobos e o vírus Uroboros, sendo o segundo o responsável pelas aparições dos núcleos de mutação dessas criaturas, que são seu principal ponto fraco.

Combate

Os Revenants podem se expor tanto à luz do dia quanto à escuridão total, em locais cobertos ou descobertos. Se o núcleo deles não for destruído, eles conseguirão resistir a um grande número de danos. Esse núcleo é escondido dentro de seus corpos e somente o sentido aguçado e poderoso de Natalia Korda poderá indicar exatamente onde ele está.

Cada parte do corpo de um Revenant pode sofrer dano para incapacita-lo por alguns instantes (atirando em algumas partes separáveis do corpo, como braços e pernas, estas cairão no chão, ficando vulneráveis por alguns segundos).

Estas criaturas são ultra sensíveis a dois tipos de bombas caseiras produzidas no jogo: as bombas de fumaça, que deixam os Revenants sem campo de visão nítido, dando ao jogador 100% de eficaz em um ataque furtivo; e as bombas incendiárias, que queimam o núcleo da criatura sem o jogador precisar perder tempo em procurá-lo, sendo 100% eficaz também. No Raid Mode, os tiros das armas já são o suficiente para matar essas criaturas.

O núcleo dos Revenants nunca será no tronco, fazendo qualquer tiro na região do tórax da criatura ser total perda de munição (o ataque furtivo, nessa situação, continua sendo 100% eficaz).

No episódio extra Little Miss, eles não irão reagir aos passos de Natalia Korda. Eles atacarão somente se ela entrar no campo de visão da criatura.

Variações

Os Revenants não possuem muitas mutações, e sim variações em sua formação. Exemplo disso são alguns Revenants encontrados com braços e pernas com um tipo de lâmina presos nesses lugares, servindo como arma de ataque e de proteção extra para seu núcleo.

Algumas dessas variações são os Splashers, que possuem, em um dos braços, algo semelhante a pus de ferimentos expostos, usado para causar dano em suas vítimas; Slingers, (algo semelhante a um Revenant altamente mutado, capaz de atacar jogando pequenos parasitas em seu alvo através do seu braço; e Durgas, seriam a maior mutação, criados a partir de vários corpos de Revenants, usando vários tentáculos como ataque da criatura e uma agilidade maior que a dos Revenants comuns.

Curiosidades

  •  Nos episódios protagonizados por Barry Burton, ele menciona que no relatório recebido dos eventos ocorridos na Ilha não existia nenhuma criatura chamada Revenant. Isso acontece pois ele lê o relatório feito por Claire Redfield após ela ser resgatada, contando os eventos presenciados por ela no local, e nesse tempo, Alex Wesker ainda não havia liberado nenhum Revenant na Ilha.
  • “Revenant” é um termo derivado do latim reveniens, que significa “os reanimados”. De acordo com a cultura européia, essa palavra está relacionada à mortos que voltam à vida para atormentar os vivos.

Presentes em: Resident Evil Revelations 2.

%d blogueiros gostam disto: