Em mais um novo gameplay de Resident Evil 7 que foi divulgado nesta quarta-feira, 30 de novembro, o site IGN teve acesso a cerca de 4 horas de gameplay de jogo, e alguns comentários dos jornalistas se destacam:

  • Jack Baker é imparável, e passa a perseguir o jogador já no início do gameplay;
  • Jack também é o primeiro “boss” do jogo, em uma dura batalha na garagem do local. Também é comentado que ele domina completamente todo o cenário inicial do jogo;
  • Os telefones tem papel importante, e ao atendê-los, uma voz feminina oferece suporte e serve como uma espécie de guia, porém não há como saber de quem é a voz ou se ela é confiável;
  • O jogo tem diversos pontos em comum com os primeiros jogos da série, entre os quais se destacam o cenário assustador, escuro e hostil, os puzzles e as diversas portas trancadas;
  • Camile Baker (a velha na cadeira de rodas) é uma das coisas mais horripilantes do jogo, pois ela aparece em alguns momentos no jogo e você a escuta cantarolar uma música, porém ao chegar perto a canção para e ela parece simplesmente não se mover, mas quando você vira e olha novamente para o local, ela simplesmente sumiu;
  • A exploração de cenários é um elemento chave do jogo para encontrar itens de cura e munições, além de chaves e peças para resolver puzzles;
  • Os Bakers são descritos como “pessoas normais que estão sofrendo de algum mal estranho”, algo que remete diretamente a Resident Evil 4, onde os inimigos tem aspecto bastante normal na Vila mas estão dominados pelo parasita Las Plagas;
  • Há uma segunda grande batalha contra Jack que ocorre em um local extremamente claustrofóbico, dificultando a movimentação;
  • Diversos momentos o jogador não saberá se o que está fazendo é a coisa certa. O jogo apela para o pânico, obrigando o jogador a tomar medidas desesperadas que nem sempre são as corretas;
  • Jack persegue Ethan pela mansão principal, enquanto Marguerite é a responsável pela caçada ao protagonista na localidade chamada de “Old House”, uma casa menor adjacente à casa principal;
  • Há diversos itens que remetem aos itens clássicos dos primeiros jogos da série, como por exemplo alavancas, chaves, entre outros.

Confira abaixo algumas novas imagens:

Além disso, o IGN também destacou três importantes pontos sobre o jogo:

O que torna RE7 um verdadeiro Resident Evil?

Inicialmente, RE7 é bastante diferente dos demais jogos da franquia. Entretanto, logo o jogador é apresentado a diversas coisas familiares como as ervas de cura, inventário limitado, combinação de itens, armas icônicas, mas isso é apenas uma pequena parte do que torna RE7 um RE de verdade.

Apesar da perspectiva em primeira pessoa e dos personagens novos, diversos elementos e sensações são características e remetem as origens da série. Como o clima aterrorizante da mansão, diversos elementos encontrados nos quartos e salas do local, a exploração que é essencial, e também puzzles, backtraking (idas e vindas ao mesmo local), e assim como nos primeiros jogos, você é obrigado a ir avançando através de novas portas sem saber o que encontrará atrás delas e com a única certeza de que seja lá o que estiver na próxima sala, estará lá para te intimidar e/ou te machucar.

Assim como a mansão Spencer, a casa dos Bakers requer muito mais do que apenas chaves para ir avançando e desvendando os segredos do local. Puzzles, armadilhas esperam o jogador e elevam o desafio, e na opinião dos jornalistas da IGN cravam o DNA de Resident Evil dentro de RE7, e assim como nos jogos clássicos da franquia, a resolução dos enigmas é facilitada com dicas e informações adquiridas durante o jogo, o que torna a exploração de cenários algo essencial.

Assim como acontece com Jill e Chris no primeiro RE, Ethan começa sua jornada sem saber de absolutamente nada, mas anotações, as fitas de VHS e as misteriosas ligações vão dando indícios do que está realmente acontecendo ali e como os eventos que ocorrem na casa dos Bakers estão conectados com a história geral de Resident Evil.

Assista também: Vlog REVIL – afinal, Resident Evil 7 é ou não é um Resident Evil de verdade?

O que torna RE7 diferente dos outros jogos da franquia?

A primeira diferença básica é que não estaremos no controle de um personagem que está acostumado á aquela situação. Chris, Jill, Leon e os demais são agentes treinados, possuem grande velocidade, força e resistência, diferente de Ethan, um personagem mais vulnerável por não ser um agente treinado. Não bastasse isso, Ethan começa o jogo com seu inventário vazio, a primeira arma que encontra é um canivete e depois de encontrar uma arma de fogo, dificilmente o jogador terá munição suficiente para dar cabo dos inimigos, usá-la para retardá-los é o mais inteligente a ser feito, ao menos no início.

A já controversa câmera em primeira pessoa intensifica toda a sensação de vulnerabilidade de Ethan, além disso, será necessário esconder-se de inimigos em diversos momentos, já que munições serão de fato extremamente escassas. Apesar dessas diferenças, a IGN cita que nas quatro horas de gameplay a qual eles tiveram acesso, essas características do jogo elevam o survival horror a um patamar que nenhum outro jogo da série chegou.

Cada localidade da propriedade dos Bakers é dominada por um membro diferente da família e influenciada por suas personalidades distorcidas. Eles são imortais, porém é possível atrasá-los e atordoá-los. A equipe da IGN descreve uma sensação parecida com a de Alien Isolation, onde enfrentar os Xenomorfos é certeza de morte, e fugir e se esconder é sempre a melhor opção.

Jack Baker é descrito como uma mistura de Jack Torrance (O Iluminado) com Michael Myers (Halloween), resultando em um pai abusivo e violento, que persegue Ethan sem muitas palavras, quebrando paredes e portas e correndo para capturar o protagonista. Já Marguerite é diferente, ela está sempre falando e praguejando enquanto persegue Ethan, e apesar de também quebrar portas, ela não corre.

O jogo é assustador?

De acordo com a IGN, o jogo é definitivamente assustador. A união de diversos dos elementos citados nos parágrafos acima, cria um clima excepcional de pânico e de desconhecido.

Encontrar Jack ou Marguerite em locais com corredores claustrofóbicos, estar sempre em desvantagem em relação ao inimigo. Tudo isso faz com que o jogador se pegue gritando diversas vezes durante o gameplay, enquanto busca desesperadamente por um lugar para se esconder, uma save room ou ainda um meio de ao menos tentar retardar o avanço dos inimigos.

Resident Evil 7 bebe da fonte de diversos clássicos do horror como O Massacre da Serra Elétrica, Halloween, O Iluminado, A Morte do Demônio e incontáveis outros filmes que utilizam a perspectiva da câmera (como A Bruxa de Blair, por exemplo), e essa mistura aliada aos elementos e referências aos jogos clássicos da franquia Resident Evil criam uma conexão dentro do jogo e podem resultar em um dos mais empolgantes jogos de terror dos últimos tempos.

Resident Evil 7 será lançado em 24 de janeiro de 2017. Um novo trailer e uma nova demo estão previstos para o começo de dezembro, possivelmente para este final de semana, durante a PlayStation Experience.

  • André Hichuki

    https://uploads.disquscdn.com/images/cf393440a1e974a46ec1d68180d296daca01c0103585b5103bfc9b96184d7f76.jpg
    Caraca, que jogo lindo. Hype level “the self destruct system has been activated”!!!

    • Lucas

      To tentando ao máximo conter o hype, mas com essas notícias ta dificil hahahhaha

    • Bruna Mattos

      Claramente eu

  • Jota PDF

    Nem tenho mais o que falar depois de tudo que revelaram hoje. Agora é controlar o hype, que está começando a sair de controle. Vem, RE7!

  • Felipe Gaertner

    Cadê os leitinho com pera agora ???
    Sumiram tudo né, cambada !!!

    • Gabriel

      É só esperar um pouco, eles estão procurando uma brecha em tudo que saiu até agora para poder vir falar mal. “Brecha na cabeça deles”.

      Daqui a pouco estão por ai.

      • Rodrigo Zika!

        A brecha e sempre a mesma, e 1 pessoa, RE não e em 1 pessoa, zzzzzzzzzzzzzzzzzz

    • Marcos Vinicius

      Dependo de quais você está falando, os que acham que isso é copia de Outlast ou os cegos que não enxergam que RE7 é sim um Resident Evil ? ^^

    • Daniel

      Calma que o Pedro da Boléia está sempre aqui marcando presença.

  • Shuichi Minamino

    A cada novidade, fica evidente o trabalho competente da Capcom em RE7. O lançamento do jogo em janeiro só vem a confirmar isso. Tenho apenas uma certeza: esse jogo está longe de decepcionar. Aposto alto, mas aposto certo.
    No mais, o jogo está lindo, como eu sempre mencionei. Revil só traz boas notícias!

    • Marcos Vinicius

      Eu pensava assim do RE6, que iria ser ”superior” ao 5 …

      Imagina um cara put# da vida nas semanas seguintes. =x

      • Shuichi Minamino

        Eu creio que a sua experiência vai ser diferente desta vez. Eu não joguei o 6 no início, mas o que foi mostrado na época não me animou em nada. O 7 tem tudo para se tornar um dos melhores da franquia. Veja quanta coisa bacana eles incluíram e quantas novidades legais! No mínimo, você vai curtir boas horas de gameplay. E reitero, sua experiência vai diferente. Aposto em positiva! Estou muito otimista.
        Aguardarei para ler o seu testemunho!

        • Marcos Vinicius

          No 6 eu esperava algo parecido com o 5, só que melhor, mesmo o 5 sendo ação, era um ótimo jogo, gostei bastante, mesmo sendo diferente dos anteriores. Criei expectativas enormes no 6, fiquei muito decepcionado depois (isso que eu até peguei ele para o ps3).

          Agora no 7 eu ainda fico com um pé atrás, porque, tem mão da maravilinda CAPCOM

          • Shuichi Minamino

            Expectativas sempre são um problema. Eu entendo o seu pé atrás depois da sua decepção com o 6, mas ele de longe está bem mais interessante que o 6, justamente por trazer uma proposta diferente e, ainda assim, atendendo ao apelo dos fãs. Vai me dizer que essas novidades não te empolgaram?
            Quanto ao 5, por mais que ele seja muito frenético na ação, ele é um dos meus preferidos. O replay dele é ótimo e não me enjoa nada, sem contar o modo coop. Só a história que podia ter sido um pouco melhor, mas isso não desmerece o jogo.
            Tem só uma coisa (não é grande coisa) que me incomoda, que é essa relação com os anteriores. O 7 parece (digo, parece) ser tão distante dos outros em termos de história, que pensar em uma relação com o 6 fica difícil. Eu estou muito otimista com o 7. Se a história me decepcionar, no mínimo eu terei muitas horas de gameplay. Vai ser um prazer enorme vasculhar cada pedaço dessa mansão!

          • Rodrigo Zika!

            Em questão de relação com RE 6, e natural, RE 4 não teve praticamente nada de RE 3, eu algo que eu consigo entender.

          • Shuichi Minamino

            O 4 foi uma mudança brusca, né? Mas também foi um bom jogo, tanto para a renovação da franquia quanto para a jogabilidade. Só teve uma evolução (para o RE6) que o distanciou da premissa da franquia. Olha aí o “RE3 revisitado” no 7 com dois (até agora, o que se sabe) “Nêmesis”: o pai e a mãe Baker.

          • Rodrigo Zika!

            Verdade

  • Bruno Pessoa

    “Marguerite é diferente, ela está sempre falando e praguejando enquanto persegue Ethan, e apesar de também quebrar portas, ela não corre.” Só se for no jogo principal msm pq na demo Lantern se ela ver a Mia ela corre q nem o capeta e ja era.

  • Igor Matheus

    Todas as notícias que saem de RE 7 só me deixam com mais vontade de jogar. Já até desisti de controlar o hype!

  • Birkin

    Welcome back to the world of survival horror…

  • Emerson Bernardo

    Acabei ñ resistindo aos spoilers rsrs, mas pelo menos ñ revelaram nd sobre o Lucas e a garota misteriosa, tomara q a história seja realmente fod#, pq pelo menos por enquanto ñ consegui ver esse jogo com o fator replay tão grande qnt os jogos anteriores, do pouco q foi mostrado a trama foi o q mais me instigou, nos anteriores com exceção do 6 q foi o único q só fechei uma vez, sempre me divertia jogando d novo, d novo e d novo pelo combate em si, com armas extras e munições infinitas td ficava ainda mais legal, msmo no original já havia o desafio d fechar em menos d 3hrs (jurava q era em 2hrs) pela rocket launcher com munição infinita, poderiam haver alguns pontos d múltiplas escolhas q gerassem vários finais (assim como no original), para assim valer a pena jogar várias vezes, houveram boatos sobre isso, mas até hj nd oficial foi dito.

    • Rodrigo Zika!

      Na verdade foi dito que as escolhas podem mudar.

      • Emerson Bernardo

        Mas ñ eram boatos?
        Tomara q sejam verdadeiros, pois msmo q o gameplay na parte dos combates ñ me atraia, algo assim me faria ter interesse em jogar d novo.

        • Rodrigo Zika!

          Foi dito no Revil já.

  • Mateus
    • ratStar

      Tá parecendo 😀

    • Rodrigo Zika!

      Creio que sim, por causa do tripé da câmera, que aparece na demo kitchen.

    • Felipe Gaertner

      É a mesma Van da capa do jornal !!!
      Onde a matéria é sobre os jornalistas.

  • Mike

    Em uma gameplay sem comentários deu pra ouvir uma das ligações, e a mulher parece conhecer Ethan, além do fato de que ela parece estar ‘jogando um jogo’ com ele. Eu apostaria que tanto Etah quanto os Bakers são apenas peões em um esquema maior.
    Em outro momento, um homem tenta se comunicar com Ethan. Não dá para saber se é o policial ou talvez o Lucas (em nenhum momento ele foi apresentado como um verdadeiro vilão)

    • Gabriel

      É o policial, e nessa mesma gameplay você viu a outra ligação, onde ela diz “did my father gave you a hard time”? A mulher do telefone é filha do Jack.

      • Mike

        Eu tenho uma teoria… A criança que está na foto dos Bakers tem traços orientais, assim como a imagem da provável Mia. A voz do telefone é parecida com a da Ada, e Mia provavelmente está morta. Seriam Mia e Ada irmãs?

        • Gabriel

          Eu penso um pouco diferente. Acho que na verdade Jack e Marguerite, adotavam crianças ou mesmo sequestravam, pois a criança com traços orientais não teria como ser genética dali. E acho que Mia tem uma filha em um caso de incesto com o Jack. A criança que aparece até mesmo em poster pode ser quem se comunica com Ethan, já que não teria sentido a Mia falar com ele no telefone e ele não reconhecer. A criança não sabe que foi fruto de um incesto e de alguma forma manipula tudo ali, possivelmente porque se adaptou a algum virus, ou algo do tipo. Acho que a Camile pode ter um passado bem obscuro com tudo o que acontece. Poderiam dizer que a voz no telefone não parece de adolescente/criança para ser a menina do poster, mas penso que as fitas mostraram essa trama da menina enquanto criança. E a mesma no fim das contas infecta a Mia (sua mãe) e a Mia é quem ataca o pessoal do sewer gator e tal. Essa é minha teoria. Um pouco confusa mas é isso.

          • Mike

            Pois é, ficou bem claro que a Mia é a mulher da Kitchen. Pode ser que Ethan seja infectado no jantar e que a mulher do telefone e as aparições de Camille sejam algum tipo de alucinação. O que eu estou mais curioso é sobre o papel da Umbrella nisso tudo.

          • Gabriel

            Seria estranho ele ter a visão da Camille, porque tipo, de onde ele teria essa noção de imaginar uma velha ali? Muito estranho, mas no mundo de RE isso pode vir a fazer sentido. Eu to muito curioso também em saber o que está por trás dessa trama. Seria foda se a umbrella de alguma forma esteja conectada.

  • Ricardo Maidel

    gostei de grande parte do que foi divulgado do jogo até esse momento… mas acho que se tratando de um futuro lançamento, de uma franquia que já fez seu nome, a capcom podia parar de lançar esses gameplay… porque nesse último mostrou muita coisa que trará aflição e medo a quem estiver jogando… porra… mostraram o jack lutando em dois cenários diferentes, em um pegando fogo inclusive… o cara é um dos boss do jogo… não precisavam ter mostrado tanto. isso é a mesma coisa de mostrar lá no longínquo ano de 99 o Nemesis pulando e arregaçando a janela da delegacia… não há a necessidade de chamar tanta atenção assim. também já sabemos dos novos iron maidem que ficam no porão ou, subsolo, da casa… acho que tem muita gente com medo desse jogo não dar certo, visto o último lançamento de comemoração de 20 anos da série..

  • Radioativus Freud

    Diversos momentos o jogador não saberá se o que está fazendo é a coisa certa. O jogo apela para o pânico, obrigando o jogador a tomar medidas desesperadas que nem sempre são as corretas;

  • Aluisio Carlos Alves

    Estou sem PC e espero resistir a vontade de assistir os primeiros Gameplays do jogo. Quero ter a experiencia em primeira mão, sem ter visto quase nada quando for jogar.

  • Adriano

    É isso ae pessoal, o verdadeiro Resident Evil finalmente esta de volta! Pelo que eu intendi, vai ter mais uma atualização da demo, espero que o sistema de combate esteja presente nesta atualização na demo.

  • Max

    É legal ter que fugir dos Bakers, mas espero que o jogo não se foque demasiadamente apenas nisso, tem que existir um equilíbrio entre momentos em que o jogador precisa fugir e entre momentos em que o jogador precisa lutar pela sobrevívência. Espero que o jogo possua uma boa variedade de inimigos, e que não se resuma apenas aos Bakers e em algumas poucas bows.

  • Rodrigo Germano

    Mas Jill e Chris eram do Esquadrão de Táticas Especiais e Resgate , enquanto Ethan não se sabe nada sobre ele, Chris e Jill sabiam lidar com armas e tinham experiência em combate.

  • Sakata – san

    Não duvido que a Jill ou o Chris, ou os dois junto com a Rebeca e o Barry apareçam ao decorrer do jogo só para ficar mais frisado a importância deles na Mansão Spencer, e assim tornar algo mais nostálgico. To animado com o game, só não gosto da câmera… mas enfim, vamos ver.

%d blogueiros gostam disto: