Parece que foi ontem, mas já fazem 21 anos desde o lançamento do primeiro Resident Evil no PlayStation.

Em 22 de março de 1996, era lançado Resident Evil, jogo que cunhou o termo survival horror e influenciou toda uma geração de jogos e de jogadores.

O jogo foi um estrondoso sucesso de público e crítica. Com gráficos realistas (para a época), história envolvente e misteriosa, inimigos marcantes, escassez de recursos, cenários estreitos e jogabilidade travada na medida certa, o jogo foi um marco, trazendo elementos de terror para um game de forma nunca antes vista.

A história narra o drama dos S.T.A.R.S. ao adentrar a mansão de Spencer após serem atacados por um grupo de Cerberus em meio à floresta. Lá eles acreditavam estar se refugiando do ataque das criaturas, mas na verdade foram levados propositalmente ao local por seu capitão, Albert Wesker, para uma armadilha que visava determinar a eficiência das BOWs desenvolvidas pela Umbrella.

Pensado para ser um jogo único, o sucesso foi tão grande que a Capcom acabou transformando Resident Evil em uma franquia, uma das mais bem sucedidas e longevas da história dos vídeo games, que acumula mais de 70 milhões de unidades vendidas entre todos os seus títulos.

Um ano depois de seu lançamento, Resident Evil recebeu uma nova versão, a Director’s Cut, que trazia alguns conteúdos adicionais em relação à original, além de uma trilha sonora diferente e também cenas e trechos de gameplay ligeiramente modificados.

Entre a versão original e a Director’s Cut, Resident Evil vendeu mais de 5 milhões de unidades somente no PlayStation, número absurdamente alto para a época em questão.

Leia também:

O jogo acabou sendo substituído na cronologia oficial da série pelo seu Remake, lançado em 2002 e que ganho uma versão em HD em 2014. Apesar disso, Resident Evil 1 continua sendo um marco na franquia e um marco também na indústria dos games, e é constantemente lembrado como um dos melhores e mais importantes jogos do PlayStation, e definitivamente é um dos jogos mais influentes da história dos vídeo games.

  • Thiago Gonçalves

    Na boa, o remake é sensacional, mas não troco o meu RE com gráficos serrilhados por nada nesse mundo, comecei pelo RE2, depois adquiri o primeiro, na época achei ele uma porcaria, mas aí fui dando chances, comprei o RE3, o RE: Code Veronica X, e a paixão foi se prolongando, não possuo do RE5 pra frente, mas joguei eles em casas de amigos e vi alguns vídeos sobre eles, tô juntando uma graninha e pelo que vejo fiz a coisa certa, pois os remasters tão vindo aí pra deixar a minha carteira vazia.

    • Daniel

      A versão de PC Japonesa do primeiro Resident Evil tem os melhores gráficos, e a jogabilidade é mais solta do que no PSone.

  • Marcos Vinicius

    Obrigado Mikami! O pai deve estar orgulhoso.
    https://uploads.disquscdn.com/images/94e94dcecda11b4eba611f8ac5f3f56c56d314371a6e436c6ca31b87e6f117f8.jpg
    Não é toda hora que vemos uma franquia passar dos 20 anos, mudanças são sempre bem vindas, mesmo havendo altos e baixos (como Resident Evil 6, ORC e Umbrella Flops).

    • Daniel

      Papai Mikami agora precisa inovar com seu novo baby, The Evil Within.

      • Rodrigo Zika!

        E parece que o 2 vem ai kkk

  • Raulzito Fernandes

    Sem duvidadas esse jogo me marcou muito. É o meu favorito, pois foi o primeiro que joguei. Ainda lembro como achei genial as moedas dentro dos livros, não usei detonado e demorei a descobri… rsrsrsrsrrsrs. Realmente não pensei que a franquia ia durar tanto. Prefiro os clássicos, mas jogo os da nova geração sem problemas (embora no inicio com muita relutância e estranheza). Mas é isso, diferente de outras franquias RE é essa metamorfose ambulante … literalmente. Continuo na batalha e sendo fã, espero que a Capcom não decepcione em Not a Hero. Parabéns a RE!!

  • Ethan Winters

    nuss, quanto tempo que eu dormi? 21 anos! carai! FRANQUIA MAIS BATALHADORA QUE JÁ VI! mesmo sendo criticada pelo RE5,RE6 ainda esta viva! parabéns ao Mikami por ter criado uma franquia dessa, e parabéns a RE!

  • Guilherme Rodrigues

    Resident Evil é certamente um título marcante, ainda é bastante lembrado. A franquia ajudou a revolucionar muita coisa dentro da industria de jogos, RE4 é o maior exemplo.
    Espero que a franquia volte a ganhar a mesma qualidade de antigamente, pois é uma franquia que possui um nome de peso. Que venha mais anos pela frente! https://uploads.disquscdn.com/images/9d1268d3fd9add1a377f0cd962337a0f9354d3bc595467b05726ee868b18ce93.gif

  • Mint

    Sempre fui fascinado pelas artes dos zumbis dos jogos mais antigos justamente pelos detalhes, eu ficava me perguntando como seria o processo de criação dessas ilustrações. Legal saber que usaram fotos de cadáveres reais, pra mim agora faz todo sentido.

  • Luis Felipe Soares

    Parabéns à nossa franquia!
    Obrigado por ainda estar fazendo sucesso e que ela continue existindo até o dia em que eu partir deste mundo.
    Afinal Resident Evil é minha franquia de games preferida!
    https://uploads.disquscdn.com/images/98683d669991a8dfaf2224e3853e80dcd3a64432637d28fa2861126e99790289.jpg

  • ratStar

    Parabéns a franquia RE, sempre se reinventando e viva até hoje. Sobrevivendo às gerações. Não é pra qualquer um. Que venham mais ótimos jogos pra gente!

  • EvaMarie#AllRedEverything

    Ai Ai RE que franquia lacradora né, consegue chamar a atenção sendo survivor ou shooter e tá viva até hj, trouxe personagens e lugares icônicos e historias por vezes bizarra mais que se encaixa de uma maneira que somente RE consegue, espero que RE continue por vários anos pq ainda tem muita coisa pra fechar e contar.

  • Daniel

    21 anos, que jornada incrível! Como tudo na vida, teve seus altos, e teve seus baixos, mas ainda bem que com Resident Evil 7, a franquia voltou as graças de todos, voltando com tudo as origens do survival horror e terror, e espero que continue trilhando esse caminho, apesar da Capcom ser cheia de ficar fazendo umas cagadinhas, mesmo quando tudo está indo bem(cof Chris cof). Que venham mais jogos novos, remake do 2 ano que vem, port do Code Veronica e remaster dos Outbreak, que eu particularmente não joguei na época que sairam.
    Vida longa a Resident Evil, mais vivo do que nunca!

  • Alex Anastacio Souza

    Resident Evil 7 Trouxe a Essência Pura da Saga Survivor Horror , foi além dos personagens e jogabilidade , muito loko , não vejo a hora de comprar meu x one haha

    • Vdc. Eu comprei meu ps4 há uma semana atrás, agora só falta o dinheiro pra comprar RE7, mas vdc.

    • Bruno Reis

      Pode ter trazido a essência do que significa um ”survivor horror”, mas não a essência de um Resident Evil na minha opinião.

      • Marcos Vinicius

        E qual é a essência verdadeira de Resident Evil afinal ???

        Gente, Resident Evil 7 tem de tudo um pouco dos clássicos misturado com o que temos de melhor hoje, não entendo algumas pessoas …
        O 7 tem seus problemas, protagonista fraco, falta de interação do mesmo (alem de não ter cutscenes/cgs), ser um pouco monótomo por pouca variedade de inimigos, mas isso não o torna menos Resident.

        Resident Evil 7 é o que mais se aproxima do 1/Remake em termos de Resident/Biohazard, é um acerto que a Capcom fez (finalmente) depois daqueles shooters frenéticos sem um pingo de terror.
        RESIDENT EVIL não é um SHOOTER linear, querem tiro, vão jogar BF, COD, Gears, o mercado está cheio desses tipos de games.

        • Bruno Reis

          Quando uma pessoa fala que RE7 não tem a essência da série, vocês automaticamente já deduzem que a pessoa considera que RE4, RE5, RE6 possuem a essência da série e que aprecia o tiroteio frenético né? É extremamente cansativo isso.

          A Capcom pode ter acertado na ótima ambientação, mas não na forma como a utilizou. Um ótimo jogo de terror, divertidíssimo, mas com pouco de Resident Evil. É um jogo de terror que tem influencia de elementos RE, assim como RE4, RE5, RE6 são jogos de ação que tem influencia em Resident Evil. Pra mim (e pra outros vários mundo afora) a série não se encontrou ainda. Não me sinto jogando um Resident Evil. E isso é uma opinião de quem jogou tudo da série de cabo a rabo, cronologicamente. Não comecei ontem na série.

          Supere isso cara, aceite de uma vez que RE7 não é uma unanimidade.

          • Marcos Vinicius

            Pensando assim, parece que a série não se encontra desde o Code Veronica.
            Mas então, me diga ai, o que é RESIDENT EVIL verdadeiro ?

            Cara, eu acho o 7 um bom Resident Evil, só isso, não é o meu favorito, longe disso, pra mim (PRA MIM) o melhor é o 4 por diversos motivos, mesmo começando pelos clássicos…

            Olha o Resident Evil original, nem é esse o nome verdadeiro, é Biohazard, e o que esse nome lhe vem em mente ?
            Você jogava o 1 pela primeira vez lá nos anos 90 e só via uma mansão luxuosa e uns monstrinhos aqui e ali, o que isso tudo tem a ver com o nome Biohazard ?
            Então, só descobrimos depois, bem semelhante com o 7, de inicio pensamos que Eveline é coisa do tinhoso, mas nós fãs já estamos acostumados que sempre tem um agente viral no meio.

            RE4 foi mais ou menos nesse caminho, quando joguei ele no ps2 lá em 2005, me perguntava: wtf, que porr# tá acontecendo aqui, geral é louco ???
            Agora não é virus, é parasita, genial Mikami, inovou sem perder a essência, coisa necessária na epoca, pois a franquia já estava cansada.

  • Hugo

    Ainda lembro bem, conheci a série em 2002 quando vi meu irmão jogando o RE1.
    Tbm lembro que RE (1,2 e 3) estavam entre as 3 séries mais comentadas do PSX na época onde tbm estavam inclusas Final Fantasy e Castlevania SotN.

  • Rodrigo Zika!

    Sobrevive com poucas ou nenhum ,parabéns.
    https://pbs.twimg.com/media/C7hHEhXXwAE2rKN.jpg

  • Bruno Reis

    *Aviso de textão*
    Me sinto na obrigação de comentar como foi minha primeira experiência com Resident Evil. Eu era completamente por fora dos games em 3D da época, pra mim (e para muitos dos meus amigos) um console mais ”poderoso” como um Playstation naquela época dificíl que o país enfrentava era impossível sequer imaginar. Mesmo assim, me divertia horrores com um dos grandes amores da minha vida, um Mega Drive. Acho que qualquer gamer que se preze precisa passar por um videogame old school antes de ir pra coisas mais modernas. E eu tive a sorte de não atropelar as coisas e fui feliz do jeito certo.

    Só em 2002, quando eu tinha 12 anos, fui conhecer o que era um Playstation. Não conhecia absolutamente nada sobre ele, nem mesmo sobre Resident Evil. Era um pré-adolescente totalmente por fora do mundo dos games. O PS2 já fazia a cabeça do mundo inteiro e eu estava maravilhado com meu Psone, um videogame que não era com cartuchos e sim, com CD’s. O impacto que isso produziu em mim, só uma criança é capaz de sentir.

    O lojista que vendeu o Psone dava na compra 10 jogos de brindes. Em um dia que eu estava doente, pedi à minha mãe pra pegar os 10 jogos. Não fazia diferença minha presença, já que eu não conhecia nenhum jogo. Meu único pedido pra ela dizer ao lojista era que eu queria: ”Futebol, corrida, aventura, ação e algum jogo ”bem real” hahaha. Minha mãe voltou e naquele dia eu joguei até o fim da noite, maravilhado com aquele novo mundo que se abria sob meus olhos. Mas fiquei só no futebol (Winning Eleven) e corrida (Nascar e Need For Speed: High Stakes).

    No dia seguinte, era hora de testar o resto dos games. Eis que chega a hora de um tal ”Resident Evil”. Nada poderia ter me preparado para o que estava por vir. Tudo ali foi motivo pra me deixar tenso, com uma estranha sensação de incômodo. Principalmente a parte da introdução, com aquela musiquinha macabra que iniciava o vídeo de introdução. Assisti o vídeo e imagino que meus olhos deveriam estar esbugalhados. Até que iniciou o jogo. Aquela mansão parecia incrivelmente realista pra mim! O silêncio, o medo do desconhecido. Era verão e meus pés estavam frios como gelo. Com dificuldade em dominar os controles, fui avançando um pouco mais. A cena clássica do primeiro zumbi. O pânico de querer sair dali. Barry matando o zumbi. Era um menino que enquanto jogava, tinha que provar que merecia se tornar um homem.

    Quando o jogo retorna ao salão principal, inicia a trilha sonora mais macabra que já vi até hoje nos games que já joguei. A trilha sonora de RE1 é horripilante, principalmente do hall de entrada. Eu estava amedrontado. Mas era um medo que queria saber o que ia acontecer. Eu queria explorar a mansão e tinha medo. E fui pouco a pouco explorando-a, num misto de encantado e amedrontado (ou borrado). É um jogo que tinha a capacidade de fazer qualquer um se sentir parte daquela situação, dentro da mansão. Você se sente inserido literalmente na pele dos personagens, que juntos, não entendiam o que estava havendo. A magia da descoberta, a trilha sonora que fica entre a melancolia e o fúnebre, sempre inserida no ambiente certo, uma situação atípica, o medo do desconhecido. Características que a série foi perdendo pouco a pouco e nem mesmo em RE7 foi capaz de reencontrar.

    Talvez porque hoje já somos adultos e o mundo já não é um segredo. Já vimos todo os tipos da maldade humana nos diversos tipos de produtos da cultura pop e nas nossas vidas também. De 1996 pra cá a Capcom errou muito a mão, talvez mais erros do que acertos, mas os acertos fizeram história na série e no mundo dos games. Hoje vemos a série com um olhar muito mais crítico, o olhar de adultos que cresceram junto com ela. E já não nos surpreendemos mais com um zumbi vindo pra cima, um cachorro pulando da janela, um corredor escuro, uma musica tenebrosa. A série pode ter perdido muito da sua essência e está tentando se reencontrar. Mas só vai ser possível termos as mesmas sensações de quando tivemos o primeiro contato com Resident Evil, se colocarmos em prática nosso olhar de ”crianças”, que acabamos sempre perdendo ou esquecendo. A Inocência de uma criança é capaz de milagres. E foi essa paixão pura e simples que nos trouxe até aqui.

    Que Resident Evil seja capaz de produzir novamente essas mesmas sensações em todos nós.

    • Luis Felipe Soares

      Que legal cara. Agradeça ao lojista por ter escolhido Resident Evil, kkk. Talvez até hoje você não tivesse se interessado pela franquia.

      • Bruno Reis

        Difícil não ter me interessado, Resident Evil era uma febre que no Brasil estava iniciando só naquele período, então de qualquer forma eu não escaparia de me interessar hahha, os amigos de escola de meados de 2002 por diante passariam a só falar nisso, o tempo todo, todo dia, era difícil ficar imune por muito tempo. Tenho que agradecer ao lojista (que até hoje é um amigão) e ao ladrão que assaltou minha casa, roubou meu simplório Mega-Drive e me fez ganhar um Psone do meu pai. Se estiver lendo isso ladrão, valeu cara! hahah

        • Luis Felipe Soares

          KKK, há males que vem para o bem.
          Já eu me desfiz do meu Super Nintendo para comprar um PSone na época. Foi um sacrifício grande, mas value a pena por outro lado.

          • Bruno Reis

            É dolorido se desfazer de um console pra pegar outro. Já fiz isso com um PS2 cheio de jogos raros pra pegar um PS3, doeu na alma. No futuro (distante), se o dinheiro permitir, gostaria de re-comprar esses consoles que me marcaram, pra tentar reviver aqueles tempos e pra quem sabe marcar a vida dos meus filhos tbm

    • Pedro Ivo Faro

      Bruno, normalmente comento e n respondo comentário, mas sua história me fez querer comentar, na moral!

      A minha história com a saga RE começou alguns anos antes da sua, e não foi com o primeiro game. Peguei todas as gerações de consoles, sendo que só os da sexta geração (PS2, Gamecube, etc) eu peguei com atraso (tive meu ps2 em 2007, e meu ps3 em 2012, quando este ainda era o mais atual), por óbvia contenção financeira aqui em casa. O PS1 tive a sorte de ter no fim de 1997, e no ano seguinte um primo deu o RE2 de presente. Cara, fiquei vidrado de cara no jogo, e me tornei fã pra nunca mais deixar de jogar!
      As descrições que vc fez sobre a sua experiência de ter jogado o RE1 foram EXATAMENTE as mesmas que eu tive quando joguei o RE2. Até hoje, quando passo por aquele corredor que os braços dos zumbis pulam em vc pela janela eu tomo susto, n tem jeito.
      Concordo muito que a atmosfera de medo é muito mais forte e evidente quando somos crianças. Mas admito, também, que a impressão q o RE7 me passou é a de que ele recriou a atmosfera de medo novamente. Talvez não um medo tão apurado como o que tínhamos quando crianças (acredito q a grande maioria aqui conheceu a série RE entre o fim da infância e começo da adolescência), mas um medo mais adulto, que precisa de toda uma atmosfera pra que se crie.
      De toda maneira, ainda não joguei o 7, e tô louco pra isso. Talvez só não esteja mais pra ver o remake do 2, que será o remake do jogo que mais me marcou da saga

  • Monokuma (Denilson Luan )

    Outbreak seus lindos meu primeiro resident que eu joguei, ate hj ainda tento toca as musicas dele e do Re remake no meu teclado ;-;

  • hiago silva

    N e a toa que ja fazem mais de 10 anos que eu amooo essa série a melhor saga!!

  • Jason Anikhilator

    Meu Re Favorito Eo 1 crassico do Psx Mais o Primeiro Que Joguei foi o 2 E Vi Que o Jogo Era FODA Logo De Cara Poriso Sou Fan Desdo Começo ..

  • Pedro Ivo Faro

    Nunca tive a oportunidade de jogar o primeiro o PS1, mas joguei o remake (e até baixei na PSN), e ganhou um lugar especial no meu coração. Que jogo fantástico!

  • Gian Viegas De Quadros

    simplismente a MELHOR franquia de games de todos os tempos historica e jogavelmente falando se e que essa palavra existe mais nao tem nada q supere RE (minha opiniao) obrigado capcom

%d blogueiros gostam disto: