Em entrevista exclusiva concedida ao REVIL, o produtor do projeto “Arklay”, um seriado baseado em Resident Evil, conta que o programa ainda pode sair do papel.

As primeiras notícias sobre Arklay surgiram em 2014 e deixaram a comunidade de fãs de Resident Evil em polvorosa. O programa teria como cenário a região homônima de Raccoon City e seria produzido por uma empresa chamada Mance Media. Na época que as informações foram divulgadas,, o programa estaria em pré-produção e dando seus primeiros passos sob o comando de Shawn Lebert. Na época o projeto estava em estágios bastante iniciais: havia apenas uma sinopse e um pitch estabelecidos. Lebert e a Mance Media ainda estavam atrás de alguma empresa ou alguém que realmente viabilizassem o projeto.

Em Arklay, acompanharíamos a história do detetive James Reinhardt, que começa a investigar uma série de assassinatos bizarros em uma pacata cidadezinha. Você já ouviu essa sinopse antes, não é?

Três anos se passaram até que o produtor divulgou o primeiro fruto do projeto Arklay: o curta DAVE. No filme divulgado na internet, o detetive James Reinhardt está investigando o estranho suicídio (ou homicídio?) de seu irmão, Dave.

O curta não traz nenhuma citação direta nomes ou elementos de Resident Evil, mas dá os passos iniciais em uma história que envolve zumbis e uma conspiração misteriosa.

Em entrevista exclusiva ao REVIL, Shawn Lebert falou sobre suas ideias e inspirações para o seriado, que seria bem mais focado em um gênero investigativo com elementos de terror. A história seria ambientada no universo de Resident Evil – especialmente no arco de Raccoon City e nas conspirações envolvendo a Umbrella e a polícia.

Apesar de ter encontrado alguns obstáculos para que Arklay se tornasse realidade, o produtor continua a trabalhar no projeto. Atualmente Shawn Lebert está escrevendo um piloto de uma hora de duração para o futuro seriado, e cogita fazer algo independente do universo de Resident Evil de forma oficial:

“Ainda estou me dedicando a lançar esta história, se tornando uma série oficial de Resident Evil ou não (…) Arklay ainda pode existir de forma independente – estou trabalhando em um piloto de uma hora para a série. Espero que vocês me acompanhem nessa jornada.”

Quer saber mais sobre Arklay e os planos de Shawn Lebert para o seriado? Confira a entrevista completa com o produtor que será lançada amanhã (09/11) aqui no REVIL.

  • yuri s

    Acho que esse plot ficaria uma coisa muito meh pra levar o nome de Resident Evil. Fala sério, é tão difícil assim fazer uma adaptação com uma coisa mais parecida com os jogos? De preferência os três primeiros.

    • mateus oliveira

      Parecida como ? Com as viadagens do Leon ? Com superheróis dando soco em pedra ?

      • yuri s

        Trazer o início da epidemia em Raccoon, com os personagens no meio de uma investigação (RE1) e eventualmente numa situação de sobrevivência na cidade (RE2, RE3), dá até mesmo pra fazer umas referências aos enigmas, seria foda. Mas nada de um personagem inventado numa série que parece mais algo policial do que RE. Você percebe que a proposta dessa série é tão nada a ver que é só tirar a tal da conspiração na Umbrella e deixa de ser Resident Evil.

        • Na verdade, se você tirar a Umbrella de qualquer Resident Evil, deixa de ser Resident Evil.

          • Andrei Sokholov

            Resident Evil não é uma série sobre a Umbrella…

          • Realmente não é, mas foi o elemento que mais agregou aos primeiros jogos, porque levava a um tipo de investigação. Tentaram substituir ela nas sequencias (Los Iluminados, Tricell, Neo Umbrella), mas nunca ficou tão bem feito como o que eles fizeram com a Umbrella de plano de fundo nos 3 primeiros games.

          • Andrei Sokholov

            Sim de fato, a Umbrella é muito icônica, tanto que o P.A usou e abusou dela no live action… Mas nada pode durar par sempre, para se ter continuidade na cronologia cedo ou tarde vamos ter que desapegar, e é um dilema constante que a Capcom vem enfrentando.

          • mateus oliveira

            Até hoje a Umbrella não tem um substituto a altura, pessoalmente pra mim, ela foi a única vilã da série como um todo, pois não era uma pessoa, mas sim uma corporação sendo vilã, ela inteira

          • Andrei Sokholov

            Wesker também não tinha, mas emfim… Eu poderia até concordar que os eventos que levaram a sua morte poderiam ser bem melhores e mais plausíveis, mas emfim.
            É do saudosismo de uma época que surgem os clássicos, que longe de significar algo velho e retrógrado, mas sim eterno. Mas como nem tudo dura para sempre, ou por outro lado se tornaria cansativo, temos que nos adaptar a novas experiências também, mas nada que não possa ser resolvido com um nostálgico remake/reboot.

          • mateus oliveira

            Metal Gear dura desde 87 com a mesma fórmula, porque soube evoluir

          • mateus oliveira

            RE não soube evoluir e ta todo bagunçado

          • mateus oliveira

            MG evoluiu e se manteve com os personagens, não colocou os Snakes dando socos em pedras, não fez romances adolescentes em meio de alguma trama trágica, o Kojima soube conduzir sua obra de várias formas, algo que os produtores de RE se perderam

          • Maester Alex

            Mas uma diferença de MG do RE é que o primeiro ficou sempre na mão de uma pessoa, o Kojima. Agora que ele saiu, não se sabe o que a Konami vai fazer com a série.
            Já RE depois do Mikami começou a ficar tomando rumos diferentes em cada jogo por causa dos produtores não terem certeza do que pretendem fazer.

          • mateus oliveira

            RE não é a cara do Mikami, MG é a cara do Kojima, é só pegar TEW e ver como o Mimaki ser pai do survival horror é papo furado

          • mateus oliveira

            Tanto que existe informações de um outro produtor que afirma que o Mikami queria que RE1 fosse extremamente diferente, esse tal “outro produtor” que colocou o projeto no lugar e o fez como nós o conhecemos.
            E não, RE depois do Mikami não começou a mudar de rumo, foi o próprio Mikami que mudou RE de rumo

          • Maester Alex

            Mikami não criou RE sozinho, assim como nem Kojima criou Metal Gear sozinho. Por trás dos jogos sempre tem uma equipe (talvez com exceção de alguns jogos indies).
            Realmente o roteiro inicial era bem diferente, mas é impossível saber se seria tão ruim, talvez se o projeto tivesse seguido como Mikami inicialmente planejava, então a série poderia mesmo assim ser um sucesso e hoje estaríamos rindo da possibilidade da franquia ter zumbis.
            E não existe “outro produtor”. O cara que você deve se referir é o roteirista do jogo, Kenichi Iwao.
            E nos jogos seguintes, Mikami ficou supervisionando a produção dos principais jogos da franquia e mesmo que com RE4 ele tenha decidido mudar o rumo, ainda manteve uma qualidade alta e coerência (tanto que o jogo teve umas 3 versões descartadas por ele considerar insatisfatórias).

          • mateus oliveira

            Kojima criou sim Metal Gear sozinho, todo o roteiro inicial, scrip e tudo mais, é tudo encabeçado por Kojima, toda a plot, mensagem por trás é coisa do Kojima, Mikami não, o que Mikami queria com RE reflete no TEW, e também reflete no RE4, o roteiro inicial já tem suas ideias, o que seria totalmente diferente de RE, toda sua plot rodaria numa ideia bem diferente, algo bem longe de Resident Evil, o roteirista ajudou o jogo a ser o que ele se tornou por sinal, supervisão no final das contas não significa muita coisa, e RE4 sim manteve qualidade, mas a coerência chega a ser uma piada (tanto que uma das versões demonstra o que ele queria com RE, um jogo mais de assombrações), RE4 é lotado de cenas de ação e protagonismo, comparando o roteiro do RE4 com o de CODE Veronica dá é vontade de rir do RE4 e sua plot

          • Andrei Sokholov

            Não é a questão da formula e sim dos elementos inseridos na trama. MG também teve vários “Snakes” e por ai vai…

          • mateus oliveira

            Os Snakes são 1 de 1000, MG é muito mais que isso, não só o enredo, mas sim suas mecânicas

          • Andrei Sokholov

            Esse é o ponto. MG soube dar continuidade por saber fazer a adequada substituição dos elementos na trama. Como disse Nietzsche, não se pode destruir nada sem por algo para substituir no lugar. E se por um lado, nós já não temos nem a Umbrella, o antagonista megalomaníaco e nem os protagonistas tão carismáticos quanto antes, insistir no mesmo dentro da cronologia atual cedo ou tarde se tornaria saturado.
            Só para constar, eu não sou crítico desse projeto “Arklay”, eu achei o conceito até bacana e tudo, mas quis respaldar a opinião do camarada mais acima que sugeria que a série poderia se embasar nos 3 primeiros jogos.

          • mateus oliveira

            Então concordamos com a mesma coisa, porque o projeto Arklay provavelmente só irá dar mais profundidade a trama dos antigos, mas o Arklay também traz algo que pra mim é ouro em RE, que é aquela mistério investigativo que tinha nos jogos, no caso, as files

          • Meu problema com o Resident Evil na verdade é a CAPCOM querer transformar ele em um jogo Triple-A, para vender no lançamento por 200 reais. Acho que no final da era do Playstation 1 a série deveria ter tomado um rumo mais “Indie” nos novos consoles, mantendo o estilo de camêra, o efeito das portas, mais survival que ação, não precisando investir tanto e deixando o game mais barato. O problema foi a ganancia de fazer o jogo ir para um rumo de jogos de grandes estúdios como a EA e a Ubisoft faz nas suas séries.

          • Andrei Sokholov

            Esse ponto que você esta tocando já é mais controverso. Muita gente caiu de paraquedas na franquia a partir dos action shooter e inclusive tem repúdio da trilogia de Raccoon. Mais trágico é que o próprio criador deu início esta tendência, e embora eu pessoalmente seja mais fan dos clássicos, devo admitir que a questão aqui não é o “resident evil de verdade” mas sim o que gostamos e queremos.

          • Acho que o ponto é o que mais dá dinheiro. Não é só questão de novos fãs terem caído já na versão shooter de R.E., mas o fato de que o mercado cresceu muito no geral, e eles viram que indo por esse rumo simplesmente traria qualquer pessoa, fã e não fã para jogar os novos.

          • Andrei Sokholov

            Sim camarada, exatamente isso. Vale ressaltar como já disse um camarada aqui em outros artigos na seção de comentários, o gênero survival horror sempre foi subestimado pelos produtores. Quando RE2 se mostrou um estrondoso sucesso eles simplesmente ficaram espantados e mesmo hoje eles ainda guardam um certo receio de enveredar totalmente nesse meio, dai (o que já é pura especulação minha) o motivo de RE7 ter uma campanha tão curta, inimigos pouco variados e ainda contar com a DLC do Chris que pode ou não servir de teste para decidir de vez qual será o gênero dominante na franquia.

          • Pois é, o medo vem do dinheiro investido. Quanto mais investem, mais deixam de focar em um gênero para tentar atrair todo os tipos de jogadores. Por isso falei do direcionamento para um estilo “indie” para o Resident Evil nas novas gerações, assim como foi o Outlast e Amnesia na época para o gênero de terror, jogos baratos, bons e de nicho que alcançaram o grande publico por mérito, ironicamente um gênero que o Resident Evil 7 depois bebeu da fonte, mas como você falou, ainda parecem estar em cima do muro.

          • Não é questão só de deixar a Umbrella para trás para avançar na série, eu aceito isso, mas o rumo que a CAPCOM anda dando para os novos títulos, inviabiliza a construção de qualquer outra trama investigativa e bem construída tão icônica como a da Umbrella. Os jogos não tem mais uma história, uma plot, nem um vilão que perdure por mais de um game para que a gente construa uma empatia por esses elementos.

          • mateus oliveira

            Eu gostei de RE7, ele voltou com coisas que precisava voltar, a Capcom já percebeu e reconhece que a Umbrella não terá um substituto, se tiver, não iria ficar legal

        • mateus oliveira

          Se você não entendeu a proposta inicial do projeto é se passar no início de tudo, com um foco investigado sobre a corporação, (RE tem bastante mistério e contexto investigado caso tu não note, apresento-lhe as files de RE), e também abordar no mistério e nos acontecimentos em Raccoon City, mas afinal, Arklay é prometido em ser um spin off (um spin off não precisa necessariamente ser não canon)

        • yuri s

          Galera o ponto é que ESSE enredo proposto na série sinceramente ficaria uma coisa muito cansativa eventualmente e sinceramente não ia me sentir assistindo a algo relacionado à Resident Evil. Até mesmo se fizessem algo parecido com Outbreak ficaria melhor que isso.

          • mateus oliveira

            Ou porque você quer é ver os protagonistas principais e o mais do mesmo, não algo novo, é isso que a fanbase de RE normalmente quer, personagens clichês tradicionais de RE e o mais do mesmo

          • yuri s

            Então sim, talvez seja isso. Acho que os fãs merecem uma adaptação desse tipo, seria muito bom.

          • mateus oliveira

            O que RE se tornou com o tempo já é algo cansativo, já é algo que não é algo relacionado com Resident Evil

      • Para de drama, o cara falou de algo mais parecido com os três primeiros jogos.

        • Andrei Sokholov

          “Che quer vara”: Fusilamos y seguimos fusilando!

    • mateus oliveira

      RE ta com sua plot totalmente desfigurada, cheia de protagonismo e ação genérica, pau no cu da aproximação dos jogos, essa plot foi o que mais se aproximou de RE do que a maioria dos jogos de RE modernos

      • Andre Iack

        É possível sim fazer uma série mais parecida com os jogos caso ela fosse baseada nos primeiros jogos da franquia RE1 até RE: Code Veronica, que tinham justamente o estilo de terror e sobrevivência que os fãs tanto querem que retorne.

      • Wesley Guedes

        além do mais, esse plot que está sendo usado da série, é sobre a época em que os assassinatos estavam sendo investigados, provavelmente ainda era tratado de forma “banal”, acho que precisa de um pouco de independência da saga por um bom tempo, mania do pessoal querer ver adaptação de RE em todos os cantos e mídias possíveis XD (mas acho que mostrar uma cena ou outra só de relance não faz mal a ninguém XD).

    • Rodrigo Zika!

      Pra isso a Capcom precisaria aprovar, e isso não sabemos.

  • Parece promissor, mas teria que ter muitos elementos oficiais do universo de Resident Evil para não virar alguma série genérica, pena que a CAPCOM nunca iria deixar.
    Seria muito foda se tivesse uma trama com o chefe da RPD Brian Irons tentando atrapalhar as investigações e pistas que levassem ao envolvimento da Umbrella, cheio de referências a esses nomes.

  • Bruno Arcoverde

    O período entre os acontecimentos de RE0/1 e RE2/3/Outbreak é perfeito pra uma série dessas. Imaginem uma série policial com a investigações dos acontecimentos após a explosão da mansão, com os ataques ainda ocorrendo nas áreas ao redor de Raccoon City, o Chefe Irons tentando atrapalhar as investigações, os policiais inicialmente duvidando da história dos S.T.A.R.S. sobreviventes e, com o passar do tempo, eles descobrindo evidências de que eles estavam certos, e que os zumbis estão começando a aparecer na cidade, terminando tudo com o “outbreak” do vírus. Poderia ser uma série incrível.

    • Não teria como fazer algo entre o final do evento da mansão com os acontecimentos de Resident Evil 2 e 3 porque esse espaço de tempo foi em questão de horas. Só se fosse uma série estilo 24 Horas.

      • Bruno Arcoverde

        Não cara. Foram meses. RE1 acontece em julho, e RE2/3 acontecem no fim de setembro.

  • yuri s

    Olhem esse comercial de RE2 e pensem o quão foda seria uma série assim: https://www.youtube.com/watch?v=uymff74kDu0

    • Kyle Reese

      Parece que rapaz que interpretou o Leon nesse comercial já morreu. Alguém confirma?

      • LaioCebal

        Sim.O nome dele era Brad Renko.Se não me engano,ele morreu de overdose

  • Blizza

    A verdade é que fiquei ereto com essa notícia

  • Wes

    Eu gostei do curta “Dave”, se seguir por esse caminho e for bem executado pode vir a ser uma ótima série, independente de fazer parte do universo de Resident Evil ou não.

  • Elias Aguilar

    Clitbait website