Todo mundo sabe que filmes B são grande fonte de inspiração para Resident Evil, especialmente aqueles que foram feitos por Shinji Mikami. Obviamente, a grande referência para a série vem da obra de George A. Romero.

Em 1998, a Capcom contratou Romero para dirigir um comercial de Resident Evil 2 para a televisão japonesa. O resultado foi tão impressionante que a Sony quis contratá-lo para dirigir uma adaptação dos jogos para os cinemas. A parceria era natural, visto que Romero é um grande ícone da cultura pop e obviamente uma das fontes das quais Resident Evil bebia.

No entanto, as coisas não deram muito certo. Empolgado pela chance de revisitar o gênero que ele mesmo criou usando um ponto de vista diferente, Romero estudou o jogo a fundo (ele não era um jogador, mas assistiu gravações de outra pessoa jogando). Ele escreveu um roteiro que era fiel aos personagens, história e ambientação de Resident Evil em apenas seis semanas, mas não foi o suficiente.

Ao contrário da versão escrita e dirigida por Paul WS Anderson em 2002, o roteiro de Romero era fiel ao primeiro Resident Evil, e trouxe um repertório de criaturas bizarras (incluindo tubarões mutantes, cobras gigantes e uma planta devoradora de homens) tiradas diretamente do primeiro jogo da série que os gamers adoravam. Embora alguns detalhes tivessem sido modificados, o tom do roteiro e a estrutura estavam muito mais próximas do jogo que a versão sci-fi feita por Paul Anderson.

“O primeiro jogo era uma história clássica de horror, com progressão lenta e momentos de terror”, comenta Jamie Russel, autor de “Book of the Dead: The Complete Story of Zombie Cinema”. “O filme de Anderson, em contraste, usou o mesmo conceito, mas aplicou esteroides; era forte e intenso”. De acordo com pesquisas de público que o estúdio envolvido no projeto estava desenvolvendo, era exatamente isso que o público gostaria de ver no começo dos anos 2000.

Apesar de incorporar a mitologia dos jogos, a Sony e a Capcom descartaram o roteiro de Romero. O produtor da Capcom responsável pelo projeto, Yoshiki Okamoto, disse na época: “O roteiro de Romero não era bom, então ele foi demitido”. Curto e grosso.

A decisão parece dura, mas a proposta de Romero, nitidamente, não era “comercial” como o roteiro proposto por Paul Anderson. Hoje em dia é difícil contestar a decisão tomada pela Capcom e pela Sony. A franquia Resident Evil já dura 15 anos nos cinemas e já faturou mais de um bilhão de dólares.

Quem tiver curiosidade, pode ser o roteiro de George Romero aqui.

Resident Evil 6 O Capítulo Final estreia em 26 de janeiro nos cinemas nacionais.

Via io9 e Vairety.

%d blogueiros gostam disto: