Resident Evil 7 vem dividindo os fãs. Alguns estão animados com a nova atmosfera e abertos as mudanças propostas pelo jogo. Outros estão desconfiados e descontentes, principalmente com a câmera em primeira pessoa. Apesar disso, a alta equipe de produção do jogo já reiterou diversas vezes que a demo não faz parte da versão final do jogo, e que o produto a ser entregue em 24 de janeiro de 2017 será mais parecido com os clássicos da franquia do que o que foi mostrado na demo.

E é justamente esse um dos pontos centrais da entrevista que o produtor Masachika Kawata concedeu ao site Gamespot, abaixo citamos os principais pontos.

Quando indagado sobre o trailer não ser parte do jogo final, Kawata comenta que há algumas imagens do jogo principal dentro do trailer de anúncio do game na E3 2016, e que a demo foi produzida para passar aos jogadores a atmosfera que Resident Evil 7 vai proporcionar. No entanto, a escala e o foco do jogo final serão muito maiores do que o da demonstração.

O produtor ainda afirma que o combate é um dos principais elementos do jogo apesar de não está presente na demo. Ainda assim, o jogo não será uma festa de tiros, e sim envolverá saber a hora de fugir ou de combater, usando os itens e elementos contra os inimigos da melhor forma possível, trazendo aos jogadores um dos principais elementos do survival horror para o foco, como acontecia nos jogos clássicos da franquia.

A tão criticada e controversa câmera em primeira pessoa estará de fato presente na versão final do jogo. Kawata acredita que esse tipo de câmera traz uma maior sensação de vulnerabilidade para os jogadores. A exploração de cenários, momentos de jumpscare, e confrontos com inimigos seriam muito mais intensos ao se usar esse tipo de câmera.

Retornar ao horror foi uma decisão tomada pela Capcom após ouvir os desejos dos fãs. De acordo com Kawata, os pedidos incessantes e apaixonados da comunidade de RE pela volta do horror fizeram a empresa repensar o que estava sendo feito na franquia até então. Com a adição de novas ideias, eles encontraram uma forma de dar novos ares a franquia Resident Evil. Os jogos anteriores traziam um foco disperso, muito amplo. Com Resident Evil 7 a empresa tem a intenção de direcionar melhor as coisas, sendo agora o foco realmente o horror. Para os que gostam de tiroteios e ação, a empresa apresenta Umbrella Corps e, dessa forma, a Capcom poderá observar melhor o comportamento dos fãs e ver para qual título eles vão.

Com o foco total no survival horror, Kawata tranquiliza os fãs afirmando que em momento algum os jogadores se sentirão “super-poderosos” devido as habilidades do personagem. O jogador irá encontrar no decorrer do jogo itens e armas que podem dar vantagens sobre os inimigos, desde que ele saiba pensar em como usar aquilo a seu favor.

Questionado sobre como o jogo se encaixará na história geral da franquia e se teremos o retorno de personagens e elementos conhecidos dos jogadores, Kawata despistou e disse que podia confirmar apenas que o jogo terá a volta das ervas, e que isso daria uma boa pista sobre os elementos clássicos de Resident Evil que estarão no jogo. Ele ainda diz que há um elemento na demo que é um item que tem conexões com o universo de RE, que há uma relação simbólica e que isso é uma pista do que está por vir.

O produtor ainda afirma que o jogo deixará de lado alguns elementos e os personagens conhecidos para poder dar um maior foco no horror. Para ele, não saber o que vai acontecer com o personagem que você está controlando torna o jogo muito mais aterrorizante para o jogador. Ainda mais se tratando de um jogo onde você não sabe o que pode acontecer na história por não trazer elementos como organizações e outras coisas que os fãs se acostumaram ao longo dos anos. Ele diz que sabe que as pessoas adoram esses elementos e personagens do passado, e que haverão muitas conexões e referências a eles para que as pessoas se sintam satisfeitas, mas a história e a forma de encará-la é totalmente nova. Kawata também afirma que o herói do jogo é o próprio jogador e dá risadas ao fazer tal afirmação.

Questionado sobre o recente renascimento dos jogos de horror, Kawata diz que o time de desenvolvimento tem prestado atenção a tudo, inclusive ao cenário de jogos indie. A equipe aproveita dessas experiências para fazer as alterações que julgarem necessárias na franquia, incluindo a mudança para a câmera em primeira pessoa.

Comparando Resident Evil 7 (um jogo “AAA“) com jogos indie, Kawata diz que o público pode esperar uma obra complexa, que se comunica muito bem com o uso de periféricos de realidade virutal. Ele completa que é interessante dizer que a Capcom não está preocupada de fato em produzir um jogo “AAA“, mas sim torná-lo uma experiência próxima dos melhores filmes “B”  de terror. A equipe de produção pensa dessa forma pois eles não estão preocupados em produzir um conteúdo massivo de marketing, mas sim em seguir os conceitos idealizados pelo criador do jogo. Dessa forma, se espelhando nos filmes “B” de terror, eles podem focar mais no horror em criar uma experiência íntima de gameplay, fugindo de clichês com revelações ou cenas batidas.

Questionado sobre os rumores de que indicam que Jordan Amaro, um dos desenvolvedores que atuaram na produção de PT – Silent Hills, está trabalhando na equipe de Resident Evil 7, Kawata foi evasivo, dizendo que o ponto crucial não é se eles tem alguém da produção de PT ou e o que ele está fazendo na produção de Resident Evil 7. O produtor afirmou que eles não tem ou tiveram ninguém em sua equipe que tivesse trabalhado no teaser de Silent Hills. De acordo com Kawata, a produção de RE7 se iniciou antes de PT ser anunciado, e que quando eles ficaram sabendo da produção de Kojima, foi algo como “Olha, eles também estão fazendo um jogo de terror em primeira pessoa?!”. Entretanto, ao chegar nesse estágio Kawata enxerga que apesar das semelhanças, o conteúdo e a direção de Resident Evil 7 é completamente diferente da de PT. A única semelhança estaria no fato de serem jogos de terror em primeira pessoa, mas que todo o resto é completamente diferente. Ele ainda adiciona que obviamente jogou PT e achou uma excelente demonstração e até mesmo um excelente jogo. Kawata se disse desapontado com o cancelamento do jogo final, o qual ele tem certeza que iria amar.

Resident Evil 7 será lançado em 24 de janeiro de 2017 para PS4, Xbox One e PC, e contará com suporte completo ao sistema de realidade virtual da Sony. Fiquem ligados no REVIL para mais informações sobre o jogo!

%d blogueiros gostam disto: