Pouco depois do anúncio das duas últimas DLCs de Resident Evil 7, a aguardada Not a Hero e End of Zoe, alguns rumores começaram a surgir, além de informações oficiais que foram divulgadas somente no Japão.

Como já é de costume, o “insider” Dusk Golem, que divulgou uma série de pequenas informações sobre Resident Evil 7 antes do lançamento, também contou novos detalhes sobre as duas DLCs.

Algumas das informações a seguir podem ser consideradas spoilers, então prossiga por sua conta e risco.

Sobre Not a Hero, Golem contou que o conteúdo estava sendo produzido por um estúdio terceirizado, mas a Capcom não teria ficado feliz com o resultado final. Como a empresa considerou que a resposta dos fãs sobre o jogo foi positiva, a equipe de desenvolvimento achou melhor manter o padrão de qualidade de Resident Evil 7 para não decepcionar os consumidores, passando a trabalhar na DLC internamente. Este é o principal motivo para o atraso.

Not a Hero estaria sendo reconstruído em vários aspectos, incluindo seus cenários e mecânicas. Um elemento presente na versão original do conteúdo era a possibilidade de Chris socar os inimigos, o que foi mantido na build atual, como pode ser visto na imagem divulgada oficialmente ontem (05):

A DLC de Chris Redfield se passa imediatamente após o final de Resident Evil 7 e deve trazer “o verdadeiro final” do jogo, incluindo o que Dusk Golem chamou de “uma batalha final adequada”. Ainda de acordo com o insider, Not a Hero traz uma boa quantidade de novidades, incluindo cenários inéditos e expansões de áreas já vistas na campanha.

Ao longo da DLC, o objetivo  principal de Chris e dos agentes da New Umbrella será encontrar Lucas Baker, que ainda teria deixado um monte de armadilhas para trás nas minas e nos túneis no subsolo da propriedade na Louisiana.

Chris irá enfrentar novos tipos de Molded que não foram vistos no jogo principal. Em geral, a DLC é mais focada na ação do que Resident Evil 7 propriamente dito, mas não abandona totalmente o terror.

Ainda, de acordo com Alex Aniel (cvxfreak, membro do Biohaze), Chris Redfield teria sido convidado a participar da missão na Louisiana e ainda faria parte da BSAA. A situação do soldado em RE7 seria semelhante ao que vimos em Resident Evil Vendetta, em que Chris se junta à uma equipe de forças especiais Mexicanas para liderar uma missão de captura a Glenn Arias. As informações foram traduzidas do perfil oficial japonês de Resident Evil no Twitter.

O tempo de gameplay total de Not a Hero deve girar em torno de 1 a 2 horas.

End of Zoe terá ares mais “inéditos” do que os de Not a Hero. A DLC da filha dos Baker pode se passar em uma área completamente nova e não vista durante a campanha.

De acordo com Dusk Golem, a DLC e bem mais focada no terror e foi dirigida por uma das pessoas envolvidas em P.T, a demo de Silent Hills produzida por Hideo Kojima antes de seu afastamento da Konami. O designer Jordan Amaro, ex-Kojima Productions, teria trabalhado em Resident Evil 7, mas atualmente está trabalhando para a Nintendo.

Ao contrário de Not a Hero, que chega com um grande atraso em relação à data de anúncio original, End of Zoe era realmente planejada para sair em um período próximo ao final do ano.

Not a Hero, End of Zoe e a versão “Gold” de Resident Evil 7 chegam em 12 de dezembro ao PS4, XB1 e PCs.

  • André L. Silva

    Cris sendo Cris..
    “Em geral, a DLC é mais focada na ação do que Resident Evil 7 propriamente dito”
    Tiro,porrada e bomba.. lembrei do RE 6 na campanha dele parecia que eu estava jogando um COD em terceira pessoa kkkkkk..
    Mais que venha essa DLC aguardo explicações dos eventos de RE7 e alguma ligaçao com RE6 no caso a historia.

  • Andrei Sokholov

    Chris soca rochas is back! Agora não se tem mais dúvidas é ele mesmo!

    • Thiago Gonçalves

      No site japa diz que é ele.

      • Hunk

        Ações falam mais alto que palavras. A Capcom pode dizer o que quiser, mas se eles quiserem enganar a gente eles podem muito bem mentir, agora quando a porradaria começa não restam dúvidas se é ou não o Chris.

        • Thiago Gonçalves

          Tanto é que a foto do soco no mofado foi pra falar “Seus teimosos, esse é o Chris Redfield sim”

          • Hunk

            Bem provável que seja por isso mesmo, devem ter outras mecânicas e áreas da DLC que são importantes de mostrar, mas o soco se bobear é a maior revelação. Eu mesmo ainda tinha dúvidas, mas agora não resta nenhuma, pra ficar mais óbvio do que isso só se fosse uma pedra no lugar do Molded.

  • Pedro Araujo

    Dando socos, agora é certeza que não é impostor… (kkk)

    Mais foco na ação. Claro, não tem pra onde correr, Chris é um soldado treinado que já vivenciou essas situações várias vezes. No 6 a campanha dele também é mais ação e tiroteio, espero que não venha nego chorando agora dizendo que vai estragar o clima do 7.

    Já faz parte do personagem ué, tá certo. Chris é isso aí. Vai chegar pra fazer a limpa e matar B.O.W.

    • Hunk

      Sinceramente, seria estranho se fosse diferente. O cara derrota uma pedra na porrada e vai ter problemas com um monstrinhos de mofo que o Ethan derrota com relativa facilidade?

  • “O tempo de gameplay total de Not a Hero deve girar em torno de 1 a 2 horas.”

    AH NÃO VÉI

    • Nicolas Domingos

      É razoável considerando que ela é gratuita.

      • Hunk

        É, até entendo que o atraso fez as pessoas esperarem mais, mas no fim do dia ainda é uma DLC gratuita, já vi DLCs de 10 dólares mais atrasadas e com menos tempo de duração.

  • Gustavo Dória Costa

    Eu acho que o Chris vai usar aquelas munições Ramrods usadas por Ethan na batalha final contra Evie.Mas isso não tornaria o gameplay fácil demais?

  • Protagonista Do Gta

    “1 a 2 horas” 🙁
    O DLC da Zoe eu vou zerar no Youtube ou piratear no PC mesmo, ainda não superei o fato de ter pago 230 no jogo base, é fisicamente e mentalmente impossível pra mim investir mais 1 centavo se quer nesse game apesar de gostar muito, meu suporte já foi dado, a Capcom ta pedindo demais.

    • Pedro Araujo

      230 no jogo base, vc diz sem ser o jogo com a season pass?

      • Protagonista Do Gta

        Sim mano, só a campanha e pronto, um preço extremamente alto, só paguei porque é Resident Evil.

        • Pedro Araujo

          Caramba. Há muito eu jogo apenas no PC (Steam) estou por fora dos preços nos consoles. Acho um absurdo isso aí

          • Protagonista Do Gta

            É um absurdo, meu erro foi esperar o jogo sair pra comprar, 2 mês antes tava cheio de pre-order pela internet por 170 ou 180, depois que o jogo lança lascou.
            O esquema pra jogo de console aqui no BR é comprar pre-order ou comprar jogo velho.

          • Gustavo Dória Costa

            Ou comprar na Steam

          • Protagonista Do Gta

            Eu só pego na Steam quando não existe outra opção, não gosto de comprar nada digital, mas no caso de Resident Evil 7 eu não estou disposto a pagar mais nada , um torrentzão da vida ou um YT vai ter que dar mesmo. 🙁

          • Gustavo Dória Costa

            Eu paguei 159 no deluxe da Steam,preço excelente.Por isso que não tenho console,adianta nada pagar 1500 num PS4/XONE se os jogos saem a 200-250

          • Rodrigo Zika!

            Mais se um cara paga tão alto num console, ele tem que ter dinheiro pra comprar um jogo caro, não faz sentido achar o jogo caro.

          • Hunk

            Na minha opinião a questão nem é essa, e sim que um PC do nível de um PS4/Xbox One, embora possa ser mais caro (dependendo de como você compre, e na realidade um PS4 ou One não são lá tão difíceis de superar), ainda assim sai bem mais barato a longo prazo, especialmente pra quem gosta de muitos jogos diferentes. Fora que o cara ter dinheiro pra pagar o preço de um console não garante que poderá comprar os jogos depois com o preço absurdo que cobram por eles. Eu mesmo economizei desde 2012 e esse ano terminei de montar o PC que queria (mais ou menos, estou pensando em colocar um HD maior, mas isso é opcional), somando tudo ficou por volta de 2000 dólares, bem mais do que o preço de um console, mas mesmo assim eu não estou em condições de pagar por jogos individuais que custem metade do preço do RE7 em lançamento sem DLCs. Muito pelo contrário, é exatamente por ter pagado por uma máquina cara que fica difícil de comprar os jogos caros depois, só porque deu pra economizar muito não quer dizer que a grana seja ilimitada, e nos consoles é exatamente onde essa verdade mais se comprova. Já vi muita gente economizar pra um console atual e depois de ficar quebrado com a compra do console passar mais de um ano com um ou dois jogos no máximo, é como o Gustavo disse, não adianta economizar pra ter um console e depois os jogos serem tão caros que o console vira peso de papel. Pra falar a verdade se os jogos de console fossem vendidos por um preço justo (como os preços da Steam, por exemplo) 1500 reais no console em si nem pareceria tão absurdo assim.

          • Luis Felipe Soares

            Eu também prefiro ter o jogo físico, mas pagar 230 jamais… Se é pra ter o físico, prefiro esperar o preço abaixar mesmo. O meu comprei a versão deluxe digital por R$ 159,00.

          • Paguei 75 na Nuuvem para Pc em pré venda. Infelizmente lançamento nos consoles estão bem caros.

          • Hunk

            Também peguei na Steam por um preço bem melhor (se eu não me engano foi exatamente 100 pratas), mas o preço é por volta disso aí mesmo nos consoles, aliás eu acho que o preço oficial em lançamento era ainda 20 pratas a mais do que ele pagou.

  • Max Murder

    Baixei o Piratão de RE7, mas nem se quer o joguei direito, não me agradei do jogo, o fator que me fez não me agradar de RE7 foi a câmera, perdi o gosto por jogos em FPS, gosto de ver o personagem e não de estar na pele dele, eu agradeço os caras que vazaram os vídeos do jogo antes dele ser lançado, pois minha intenção era comprar, mas depois de ver os vídeo, eu tive certeza em não compra-lo, jogo totalmente descaracterizado de Resident Evil, apenas tinha ares de terror como nos antigos jogos da franquia, mas vi muita cópia de Fatal Frame, Silent Hill, Outlast, faltou algo original ao jogo, eu prefiro jogar os RE Revelations, Outbreak do que jogar esse 7, mas lendo sobre a DLC Not a Hero, ate me agradei, mesmo sendo em Primeira Pessoa, talvez eu a jogue, caso a versão Gold Edition também seja lançada Pirata, o dinheiro desse RE7 eu to guardando pra comprar o Remake do RE2, se ele vir como o Remake de RE 1 Remaster, vai ser um jogo que eu jogarei inúmeras vezes, incansavelmente.

    • Pedro Araujo

      Esse fator da câmera causou realmente bastante controvérsia com esse título. Acredito eu que, apesar de ter essa ideia de colocar o jogador na pele do Ethan, e no VR, a variação de câmera poderia ser uma opção, como funciona em outros jogos como GTA e Fallout.

      Apesar de também não gostar da decisão pro 7, compreendo que pode ter sido uma virada intencional da empresa, como ocorreu do CV pro 4. Que deixou uma parte do público e cativou outra.

    • Marcos Vinícius

      Sobre a câmera, vai da pessoa, até ai tudo bem, mas …

      ”jogo totalmente descaracterizado de Resident Evil…”
      É muito mais ”Resident Evil” do que o 5 e aquela coisa que chamam de 6.

      ”… mas vi muita cópia de Fatal Frame, Silent Hill, Outlast, faltou algo original ao jogo…”
      Fatal Frame aonde ? o_o
      Silent Hill por causa do marido ir procurar a esposa morta ? Cara, é apenas uma referência a um clássico do terror, não tem problema nisso.
      Outlast ? Porque agora podemos nos esconder dos perseguidores e evita-los ? Mas pelo que eu lembre, já podíamos fazer isso nos clássicos, principalmente em Outbreak. Tá, ficou um pouco parecido com Outlast devido a câmera, mas já tínhamos games nesse estilo e ninguém taxava Outlast de Amnésia e games derivados (olá Slender).

      ”Ain mas é a menininha de Silent Hill”. Esqueceram quem foi o escritor de Resident Evil 7 ? É o mesmo de F.e.a.r, o cara apenas criou uma Alma 2.0 ”suave” e colocou no universo de Resident Evil. Claro, dentro dos padrões da franquia, que no caso, a garota é uma B.O.W.

    • Rodrigo Zika!

      Que legal fera, não sabia que o primeiro RE era original, nunca copiou ninguém, SQN.

  • Thiago Gonçalves

    Olha, no trailer ocidental tá 12 de dezembro e no site japonês tá 14.
    Ps: Srta. Lanz, no seu texto você sem querer colocou 12 de novembro.

    • Bruna Mattos

      EITA. Corrigido.

  • Era de se esperar, uma DLC Free que é praticamente o final do jogo, focado mais na ação, o que faz sentido pois o Cris não iria ter receio ou medo de nada ali, então fingir que ele se assusta seria bem bobo. Mas eu curti a DLC da Zoey sendo mais terror mesmo e deve ser mais longo que a do Cris, até pelo valor que será vendido. Já tenho a Season pass, então aguardo ansiosamente… jogasso.

  • Eva4Ever#ThankYouEva

    O Dusk Golem tbm revelou que o End Of Zoe começou como um conceito original para o RE8, feito pelo cara que trabalhou em P.T., utilizando assets do RE7, mas a Cap ficou tão satisfeita com resultado da pequena demo que ele montou e convenceram ele a usar o material para uma nova DLC, no caso a EOZ, então ele finalizou alguns conceitos novos e saiu da empresa.

  • Eva4Ever#ThankYouEva

    Eu sinceramente acharia muito interessante se essa ´´New Umbrella“ estivesse sobre a gestão da compania rival e possuísse os dados da UMF-13 que havia sido roubada pelo Wesker no UC.
    Porque de certo modo ela seria a mesma Umbrella só que renascida sobre a visão do Albert ou melhor dizendo da compania rival que ele participava.
    E sem contar que o Wesker fez um trato com o governo lá na época do julgamento da Umbrella, e já foi aludido no REV que o governo tem sim em posse alguns assets da Umbrella, então de certo modo ele é tão sujo quanto.
    A gente já sabe que a Blue Umbrella é a fachada publica da Umbrella, desenvolvendo armas contra B.O.Ws(que são testadas por seus mercenários em lugares que já sofreram algum atentado, igual mostrado no Umbrella Corps), e talvez a Red Umbrella mostrada em Umbrella Corps seja a ´´verdadeira“ face da Blue Umbrella, sobre o Comando do ´´Executivo“, que é claramente um fanático pelo Wesker ou talvez o próprio.

    • Bruna Mattos

      Aparentemente ela é isso aí mesmo. A cia rival pro qual o Wesker trabalhou desde quando ele se fingiu de morto. Tem quem ache que ele estruturou uma Umbrella dele por trás dos panos mesmo tendo ligações com outras empresas, como aquela dele e da Ada de RE4 ou a Tricell.

  • Marcos Vinícius

    ”RESPOSTA DOS FÃS SOBRE O JOGO FOI POSITIVA”.
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Eu ri. x’D

    ”O tempo de gameplay total de Not a Hero deve girar em torno de 1 a 2 horas.”
    SÓ ISSO? Put# que o [email protected]$% !

    Sobre End of Zoe:

    ”…a DLC é bem mais focada no terror e foi dirigida por uma das pessoas envolvidas em P.T, a demo de Silent Hills produzida por Hideo Kojima…”

    Assim fica difícil argumentar contra os haters quando eles escrevem ”Silent Evil, Resident Hills ou Outlast Evil 7”. A Capcom pede para ser maltratada pela fanbase, fazer o que …

    • Protagonista Do Gta

      Você já está errado em tentar argumentar com esse tipo de pessoa, a começar por aí, eles não tem a capacidade cognitiva de elaborar um pensamento e expressar a opinião deles em relação ao jogo, é inútil tentar argumentar, são poucos que fazem isso aqui.

      “HURR DURR resident 7 tem menininha, menininha Silent Hill, Silent Evil HUURRR DURRRR”

      Pra esses caras 1+1=11, parece que eles não enxergam as nuances, e tiram tudo fora de contexto, poder de assimilação de um gorila.

      HUAHSUAHUAHAUSHAUSHAUHAUHAUSH

      Não tenho nada contra quem não gosta, mas ficar aqui falando besteira do jogo só porque a pessoa não curtiu já ficou chato, ao menos tenha coerência no que fala haters…

      • Eva4Ever#ThankYouEva

        Infelizmente esse pessoal joga RE por causa de um único ser zumbis, ninguém se importa com historia ou com desenvolvimento, por eles RE estaria até hj em Raccoon City, pode anotar no dedo quantos prestam a atenção no titulo que jogam, RE7 tá finalmente movendo a serie pra frente, coisa que o 6 ou qualquer outro titulo,filme,mangá lançado pós-RE6 não fez, mas pro pessoal não tem zumbis não tem RE, sinceramente me envergonha bastante.

        • Dannilo

          Eu costumo observar também pessoas que falam “eles nem jogaram e tão falando besteira”! Não é bem assim, existem pessoas que dão rage por nada, mas existe também uma grande parcela de pessoas que jogou e detestou, teve gente que comprou “cegamente” pelo nome RESIDENT EVIL e se decepcionou, pois é!
          Eu joguei e me decepcionei, até dei uma chance, mesmo sendo totalmente contrariado por odiar jogos em primeira pessoa! Agora, eu não culpo pessoas que não comparam o jogo e viraram a cara pro mesmo, sabe pq? PQ ninguém é obrigado a pagar 150 – 200 reais pra jogar uma franquia que nem sabe a própria identidade, digo isso pq essa mudança de câmera, enredo, personagens e mecânica são muito RADICAIS aos fans mais antigos, e até mesmo aos “novos” da geração 4,5,6! Quando o amigo lá em cima diz que os fans ficaram putos, é pq eles juntaram duas gerações distintas pra odiar 1 jogo que é diferente das outras 2! Perceba! Re 7 tem elementos clássicos, mas a roupagem é muito diferente, as mudanças são radicais e muita gente vê o jogo até como reboot, sem nem querer saber mais nada dele!

          • Rodrigo Zika!

            Não e correto jogar a culpa no preço, quem faz o preço e o país, impostos etc, lá fora tem hater, e o jogo pra eles e muito mais barato.

          • Hunk

            Acho que você falou algo que é impossível de negar. Como eu já disse um pouco acima eu fui um dos sortudos que gostou de todos os REs principais até então. Eu particularmente preferia que os numerados seguissem com a ação, porque a meu ver com o rumo dessa história toda não faz mais sentido ficar só no terror, enquanto que os REVs deveriam focar no survival horror clássico e buscar sempre o estilo dos REs antigos. Com a chegada do RE7 eu não posso dizer que consegui o que queria, até porque também prefiro terceira pessoa, embora não odeie câmera em primeira pessoa, mas ainda assim acho que foi um jogo de qualidade e me diverti com ele, então de uma forma ou de outra eu ainda posso dizer que todos os REs principais foram bons pra mim. Agora, uma coisa eu não nego, com ou sem justificativa, agradando ou não aos fãs, esta franquia mudou pra caralho, e duas vezes, contando só com os numerados, então não é milagre nenhum que a fanbase se divide cada vez mais, é até natural. O que mais contribui a essa divisão é que tecnicamente todas as vertentes foram bem aceitas, não necessariamente pelas mesma pessoas, mas todas tiveram uma boa aceitação. Até o RE6, que a maioria na internet ama odiar, possui uma comunidade bem grande se você procurar por ela. Outras franquias podem ter sofrido mudanças drásticas, mas na maioria dos casos essas mudanças ou foram mal ou bem recebidas pela grande maioria da fanbase, aí realmente faz parecer que os fãs de RE que são a ovelha negra, o grupo distópico onde todo mundo é tão pacífico quanto um personagem de Mad Max e se estapeia o tempo inteiro, mas sinceramente eu não acredito que os membros desta fanbase são tão diferentes das outras. Na minha humilde opinião, como um cara que já acompanhou esta fanbase a mais tempo do que consegue lembrar, a gente (de forma generalizada) é igualzinho às outras fanbases, a única diferença é que a gente segue uma franquia que, além de mudar muito, não deixou de sempre conseguir novos fãs (a ponto dos números rivalizarem com os antigos) a cada mudança. No fim das contas a fanbase de RE é uma junção de múltiplas fanbases de tamanho bem expressivo, e tentar separar essas fanbases não é tão simples, porque não são só 3 grupos (fãs dos clássicos, dos OTS e do RE7) que podem simplesmente se separar e não aturar um ao outro. Esses grupos se intersectam constantemente, afinal todas as vertentes possuem coisas em comum. A vertente OTS ainda tem os personagens dos clássicos, além de continuar aspectos relevantes da trama, a vertente do RE7 atraiu muitos fãs dos clássicos devido a esse jogo possuir muitos elementos deles e ser de terror, além de atrair fãs de jogos de terror mais atuais, mas ao mesmo tempo muitos fãs dos clássicos não conseguem aceitar as mudanças. Ainda tem também os fãs dos OTS que gostam dos clássicos e não do RE7, ou vice-versa, ou que gostam só dos OTS, ou de todas as vertentes. Resumindo, isso é uma bagunça generalizada e não há mais nada a fazer a respeito disso a não ser aprender a conviver um com o outro. É como um grupo de irmãos, só que nesse caso são dezenas de irmãos, podem brigar o tempo todo, mas não tem jeito, moram tudo junto e sobrevivem assim mesmo. Isso não significa que os irmãos são seres disfuncionais, pelo menos não mais do que o resto do mundo, mas viver com os outros é complicado, e fica mais complicado a medida que a casa vai ficando mais lotada. Além do mais, por mais que às vezes pareça que muitos de nós somos pessoas problemáticas nas discussões focadas em RE, garanto que na vida real pelo menos 99% dessa fanbase consegue se comunicar normalmente com outras pessoas, independente do que essas outras pessoas acham deste assunto. Vou dizer de novo, viver junto dos outros é complicado, mas garanto que se a maioria das pessoas aqui se encontrasse na rua, estando perfeitamente cientes da opinião uns dos outros quanto a RE, agiriam como pessoas completamente normais e provavelmente não se incomodariam com essa opinião. É só quando junta todo mundo pra opinar numa discussão focada num assunto polêmico que dá essas confusões todas, e acredite, isso é perfeitamente normal pra seres humanos.

          • Pedro Araujo

            Gostei bastante de seu comentário, Hunk. Além de tudo isso tem o fator de “o que é Resident Evil”, pra cada um.

            Eu nunca vi RE como um jogo pra dar medo, vide plantas gigantes e ataques de tubarão zumbi, etc. O que me prende na franquia é o decorrer da história e dos personagens, o que me leva a concordar com você quando diz “Eu particularmente preferia que os numerados seguissem com a ação, porque a meu ver com o rumo dessa história toda não faz mais sentido ficar só no terror”.

            Em contraponto, minha opinião não é o “certo”, até pq este não existe. E tem muita gente que considera RE, uma franquia que recuperou “o que é Resident Evil”, no 7, por dar medo no jogador durante o jogo.
            É complicado.

          • Marcos Vinícius

            Mas todos nós sabemos o porque da franquia ter virado totalmente ação pós Resident Evil 4: Trazer a massa do COD / BF e Gears e fazer milhões. A minha única queixa sobre isso na época de lançamento do 5 foi a descaracterização, a Capcom se ”vendeu” ao mercado shooter por causa disso -> $$$
            Resident Evil 5 não vendeu horrores por ser um EXCELENTE ”Resident Evil”, mas sim por ser um ótimo jogo de TIRO, bem feito e polido, alem de ter um gameplay divertido e co op pra jogar com os amigos.

            É POSSÍVEL mesclar ação, terror e survival no mesmo Resident Evil (poxa, olha Dead Space, sentamos o pipoco em geral e mesmo assim, o game é TENSO com clima pesado)… Mas a Capcom usa a cabeça pra outras coisas. Por isso eu sempre repito: Falta alguém de NOME pra comandar Resident Evil e mante-la nos eixos.

            É aquela velha história se repetindo:
            Volta as ”origens” com terror – RECLAMAM;
            Fazem um jogo de tiro – RECLAMAM;
            ”Queremos um Resident Evil que nem os clássicos” – Vão reclamar que é mais do mesmo, Capcom sem criatividade e blablabla…
            (Quando digo ”que nem os clássicos”, me refiro a câmera antiga).

          • Hunk

            Bem, eu já expliquei isso, mas gostando ou não o RE5, assim como os outros REs OTS e o 7, também atraíram muitos fãs e é por isso que não dá pra todo mundo concordar. O problema é que os fãs que vocês dizem que reclamam o tempo todo não são uma pessoa só, são um grupo bem versátil, então naturalmente não dá mesmo pra todo mundo ficar satisfeito ao mesmo tempo, mas também não é culpa de nenhum deles. Os fãs de RE não são necessariamente chatos e reclamões, simplesmente são pessoas com gostos diferentes atraídas pela mesma franquia. Se isso é culpa de alguém é da própria Capcom, não dos fãs, que simplesmente se atraíram por alguns jogos e naturalmente criaram suas próprias expectativas a respeito da franquia. Só acho uma coisa, curtindo ou não o rumo de RE, a gente tem que parar de ficar culpando um ao outro e se estapeando sempre que alguém não gostar de alguma mudança, porque como eu disse não é culpa de nenhum fã se de repente a franquia resolveu dar um giro de 180 graus e os deixou pra trás. Sobre o argumento da mistura de terror com ação, a maioria dos REs já tem esses dois quesitos misturados, só com um balanceamento diferente. O que eu quero dizer é que fazer um jogo balanceado entre ação e survival horror não é a grande questão, aliás, a meu ver não tem survival horror sem ação, faz parte do pacote, os próprios REs clássicos já tinham e o RE7 também não é exceção, mas além disso também temos jogos focados quase que exclusivamente na ação que também possuem uma grande quantidade de fãs, então mesmo mesclar as coisas não é a solução pra todos os problemas. Enquanto continuarem pensando em formas de criar um jogo que agrade toda essa galera que faz parte da fanbase de RE vão continuar se decepcionando, porque isso não tem como existir. Por bem ou por mal, gostando ou não, a fanbase é tão diversificada que é impossível agradar toda ela em um jogo, e isso não é culpa dos fãs, afinal como eu disse eles só foram atrás de jogos que gostaram em diversos pontos diferentes da franquia e esperam alguma consistência, não há nada de errado no que estão fazendo. A meu ver era exatamente por isso que deveriam continuar dividindo entre REVs e numerados, com um buscando o survival horror clássico e o outro a ação. Desse jeito não agradava todo mundo num jogo só, o que já é impossível mesmo, mas pelo menos não ignorava nenhuma das vertentes de RE. Seja como for, independente do que a Capcom fizer, só há uma coisa que eu acho que os fãs deveriam fazer diferente, e não é parar de reclamar das mudanças que não os agradam, isso a gente tem toda a razão pra fazer, e sim simplesmente respeitar o que os outros pensam e tentar se colocar no lugar deles. Se apenas isso fosse feito não teria mais motivo nenhum pra dar treta entre fãs, mesmo que todo mundo discorde constantemente.

          • Hunk

            Penso de forma similar, por isso que não era contra o rumo que a franquia tava tomando antes do RE7. Uma das minhas críticas a esse último numerado é exatamente a respeito disso, é um ótimo jogo e de fato trouxe alguns elementos bem legais de volta, mas nessa tentativa de recuperar o passado a trama parece ter se livrado do gancho que o RE6 deixou pra se focar num protagonista aleatório que até onde sabemos não tem nada a ver com o que já vimos (tudo bem, o Chris vai aparecer, mas ele literalmente surgiu depois que o jogo principal acabou e tem muito mais gente que ficou pra trás). A meu ver RE pode introduzir gente nova, mas tem que ser gente carismática que eu queira ver retornando, e essas histórias mais isoladas podem muito bem existir, mas quando eu passo 5 anos esperando a continuação de várias pontas soltas deixadas pelo último numerado, isso sem contar com as outras que foram deixadas por outros REs no meio-tempo, é decepcionante quando chega uma continuação que não se conecta com nada. Por outro lado é compreensível que pra muitos outros, especialmente pra quem não estava curtindo o rumo da franquia até então, o retorno de elementos clássicos num RE numerado de terror, mesmo que tenha diferenças bem gritantes em comparação aos REs antigos, já é uma puta melhoria. Dá pra entender de onde vem todas essas discordâncias, no fim das contas quem tá aqui discutindo sobre RE muito provavelmente já é fã, mas cada um tem prioridades diferentes pra franquia e ideias diferentes de como esses objetivos devem ser alcançados. Não tem jeito, enquanto cada grupo se ver como os “verdadeiros fãs” nunca dará pra todo mundo ficar em paz, concordância total nunca vai ter, o jeito é a galera aprender a conviver um com o outro e pronto, ou continuar sempre na briga. Mas, seja como for, o que realmente me deixa curioso agora é o REV3. A Capcom já disse que pretende continuar essa vertente, e até então ela tem de fato preenchido uma lacuna importante, já que tentava dar continuidade a elementos dos REs clássicos (na minha opinião o primeiro teve mais sucesso que o segundo, mas a intenção ainda era essa) num momento em que os numerados mostravam o combate mais direto ao bioterrorismo, naturalmente com jogos de ação. Mas e agora que o 7 já largou o papel que os numerados estavam representando e pegou pra si o trabalho de dar prosseguimento aos elementos clássicos, será que isso afetará os REVs daqui pra frente? Talvez não mude nada, mas se esse for o caso então não vai ficar meio sem sentido essa divisão entre numerados e REVs? Sinceramente neste momento é isso que mais me deixa curioso, talvez a própria Not a Hero nos dê alguma pista de como vai continuar essa história toda, seria bem legal se terminasse dando uma ponta pro próximo REV, ou talvez essa minha dúvida só vá ser respondida com trailers do REV3 mesmo. Vamos ver, eu darei mais chances pra descobrir se a Capcom tem alguma ideia de pra onde ela quer encaminhar essa história. O 7 me fez duvidar, mas darei uma chance em forma do REV3 pra ver se eles sabem mesmo o que vão fazer da vida ou se tão só seguindo a maré.

      • Marcos Vinícius

        Então cara, na maioria das vezes eu só observo. O que me espanta, é que muita gente detestou de fato o 7, e quando eu li a noticia que o mesmo foi bem recebido, tive que rir.

        Aqui na REVIL é tranquilo, quem não curte normalmente tem argumentos válidos … Agora, no Facebook, YT (principalmente no canal do Enmynest onde a maioria é fã do Leon ”mito”), IGN Br e GV, é cada pérola que pelo Amor…
        Pior que não é só aqui, a ”massa” de fãs no mundo também são ”assim”, gostam de fazer comparações e mal sabem o que Resident Evil é de verdade.

        Enfim, um exemplo do que eu quero dizer: Se eu ver a mesma noticia daqui em outro site (IGN, talvez) e descer nos comentários, você acha que eles vão discutir a trama e falar bem da franquia ? É sempre o mesmo mimimi.

    • LucasGabriel

      “A Capcom pede para ser maltratada pela fanbase”

      Não mistura a gente com esses acéfalos não. Gente que fala que RE7 é um “Outlast, Silent Hill da vida” nem é gente. Muito menos fã de RE.

    • Rodrigo Zika!

      Mais e dai?

      • Marcos Vinícius

        E dai que a fanbase de Resident Evil é DIFÍCIL de agradar.
        A Capcom disse que ouve os fãs, certo ?
        Porque a choradeira com o 7 ? Não faz sentido.
        É o game que resgatou a essência da franquia que se perdeu aos poucos no Resident Evil 4 e desapareceu no 5… Voltou no 7 e é só aparecer uma noticia dessas em outro lugar que já vem os birrentos.

        Fui dar uma ”bizoiada” no Face da REVIL e … Quando não é o 7, são os filmes.
        Sinceramente, Resident Evil merecia um grupo de fãs melhores. O pessoal em si, trocam farpas por RE, que fanbase saudável !!!

        Um exemplo recente é os fãs de Tomb Raider: Há aqueles (como eu) que preferem os clássicos do que os modernos (”Unchartetizados”), mas nem por isso o pessoal sai no tapa uns com os outros, diferente de Resident Evil…
        -Fã ”raiz”;
        -Fã ”nutella”;
        -Fã dos live action;
        -Fã de Outlast.

        :p

        • Leonidas Pereira

          Pasme! Esse choro é só entre “fãs” brs.
          E, como já é conhecido, Br é o equivalente socio-politico/consumidor de câncer.

          • Hunk

            Não que essas guerras de fã sejam problema meu (acredite se quiser, mas eu tive a sorte de gostar, de uma forma ou de outra, de todos os REs principais até então), mas pelo que eu vejo isso não é coisa só de BR não, aliás pela minha experiência a única diferença entre a fanbase de RE (de uma forma bem generalizada, obviamente) no Brasil e nos Estados Unidos é que uma parte se odeia em português e a outra em inglês, de resto é a mesma coisa.

        • Rodrigo Zika!

          Agora entendi o que quis dizer.

  • Guilherme Rodrigues

    E eu ainda achando que esse Chris aí poderia não ser o verdadeiro, mas é 100% de certeza que é ele mesmo… E sinceramente gostei bastante do visual atual do Chris, não me incomodou em nada, pelo contrário. E essa DLC da Zoe me chamou bastante atenção, possivelmente irei adquiri-la. Eu acho que essa DLC da Zoe só vai ser stealth, sem uso de armas de fogo, por isso o terror será maior.

  • Blizza

    Que merda, pensei que o Chris iria virar a casaca e o DLC da Zoe vou ter que jogar sem som porque já não tenho mesmo coração que eu tinha quando jogava Resident Evil 3

  • ratStar

    Se for de 1 a 2 horas mesmo, NaH vai ser bem curto 🙁
    Eu tava achando que seria algo no nível de Separated Ways em questão de duração, mas pelo jeito vai ser algo do tipo Lost in Nightmares mesmo. Espero que End of Zoe seja um pouco maior (pra valer a pena o investimento do Season Pass).

  • 1107Anime

    A versão gold será só lançada no japão. No resto as dlc’s serão feitas por Download, principalmente a Not A Hero.

    • Rodrigo Zika!

      Na verdade não sabemos se vai vir pro ocidente, a versão física.

    • Hunk

      Já foi revelado se vem tudo no disco mesmo? Pode ser que a versão Gold seja só o disco do jogo comum com códigos pra baixar as DLCs, assim como a versão Gold do RE5 no Xbox 360, ou pode ser que nem as outras versões Gold do RE5, em que realmente vem tudo no disco, sem download nenhum.

    • Bruna Mattos

      A edição FÍSICA vai sair em vários países, mas aqui no BR não tem nada confirmado. A edição deluxe digital basicamente passa a se chamar Gold agora.

  • Luis Felipe Soares

    Bem, agora vou ficar esperando ansiosamente até dezembro. Quero ver o desfecho completo desse jogo, espero grandemente que tenha um gancho pro RE8 no final.
    Espero também que tenham mudado apenas a aparência do Chris e não a personalidade dele também.

  • Rodrigo Zika!

    Bom só me resta esperar disponibilizar o download, já tenho a versão deluxe na Steam, curioso pra DLC da Zoe, do Chris já temos ideia de como sera.

  • Daniel

    Poxa, só 2 horas de duração, esse final verdadeiro precisa ser decente.

  • Eduardo Acácio

    Puts achei bem curto esperava umas 3 horas de duração, tá certo que é de graça e tudo mais, mas ainda sim praticamente 1 ano para lançarem um DLC de 1a 2 horas de duração.

  • Fellipe Ramos

    “O tempo de gameplay total de Not a Hero deve girar em torno de 1 a 2 horas.” quando li isso meu coração até doeu

  • Questão

    Ficou bacana esse novo Kurisu Redofirudo. Porém prefiro o do 5 e 6 , também pelo fato da idade do personagem e ordem cronológica.

  • Alvino Junior

    Cara mudar o jogo de Terceira pra Primeira pessoa não gostei, mas o jogo continua sendo bom, mudar o rosto do Chris eu não gostei, mas o jogo continua bom, agora mudar a FODENDO VOZ DO ROGER CRAIG SMITH, AI FOI PUTARIA, mano eu sei q em toda a saga sempre mudou os dubladores, mas ele tava dublando 1 MILHÃO DE VEZES MELHOR DO QUE QUALQUER OUTRO DUBLADOR DE TODA A SAGA, serio mesmo isso foi IDIOTICE da Capcom, deveria perceber que em jogos, animes, filmes animados, se você muda a voz do personagem descaracteriza ele, afinal a voz e o que nós lembra o personagem, mas enfim Fodasse eu vou continuar amando RE mesmo tendo feito mudanças que não me agradaram.

%d blogueiros gostam disto: