Dead Rising 4 foi lançado originalmente em 2016 para Xbox One e PC, e teve seu momento em sistemas operacionais da Microsoft. Agora é a vez de Frank West, o protagonista carismático e fanfarrão da franquia, brilhar no console da Sony em alto estilo com Dead Rising 4: Frank’s Big Package, disponível a partir de hoje no PlayStation 4.

O “novo” jogo está bem completo. Inclui todas as DLCs que já tinham sido lançadas no Xbox One e PC e até mesmo um novo modo, Heróis da CAPCOM, onde é possível jogar com personagens icônicos da empresa. Tive a oportunidade de jogar Dead Rising 4: Frank’s Big Package antes do lançamento oficial. Confira um pouco da minha experiência!

De volta à infeliz cidade de Willamette

O primeiro jogo da franquia Dead Rising foi lançado em 2006 para Xbox 360. Lembro até hoje que esse foi um dos principais motivadores por eu ter adquirido o console da Microsoft na época. Pois bem, quem jogou Dead Rising naquela época, se lembra da figura ilustre de Frank West, de sua saga na caótica cidade tomada por zumbis de Willamete e sua tentativa frustrada de reunir provas contra o governo americano.

Vivendo na sombra de outros protagonistas em jogos da franquia por 10 anos, West retorna novamente a cidade de Willamette 16 anos depois. Junto de sua aluna, a rebelde Vick Chu, ele tenta encontrar um furo jornalístico. É que uma organização militar estaria fazendo experimentos na cidade. Mas, pra variar, os dois são descobertos e Frank é abandonado por sua aluna.

Pouco tempo depois, Frank se vê cercado de zumbis novamente em Willamette. A partir daí, é a nostalgia pura que experimentei com o primeiro jogo da franquia, só que agora de uma forma mais madura e experiente.

Dead Rising possui uma história carismática, mesmo sendo carente de grandes reviravoltas e surpresas. No entanto, essa é só uma maquiagem para justificar toda a matança das hordas de zumbis na cidade – por que na história mesmo pouca gente se foca. Apesar disso, a trama consegue prender a atenção do jogador por toda a campanha.

Os diálogos cômicos dos personagens ao decorrer do título, característicos da franquia, deixam o jogo mais ácido e engraçado. Assim como o seu antecessor, o jogo está com dublagem e menus em português, tonificando ainda mais os diálogos boca-sujas, o que torna a experiência ainda melhor.

Pancadaria e muita exploração despreocupada

A receita é simples: um mapa de possibilidades, uso de qualquer coisa do cenário para descer a porrada nos zumbis e muito sangue. Dead Rising 4 não é diferente de outros jogos da franquia, digamos que aqui é a versão 2.0.

O mapa de Dead Rising 4 é gigantesco, o maior da franquia até o momento, o que significa que o jogo não se limita apenas ao shopping, mas também é possível explorar a grande cidade Willamette de uma ponta a outra, fazer missões secundárias e ajudar sobreviventes (sem precisar escoltá-los). Felizmente, o contador de tempo, presente nos dois primeiros jogos, foi removido, isso significa que o jogador pode aproveitar no ritmo que bem entender e explorar o mapa sem preocupação.

O sistema de combate está mais satisfatório. É possível fazer várias combinações inéditas de armas muito mais fortes para encarar as hordas. Há também a adição da Exosuit, uma armadura no melhor estilo homem de ferro que protege Frank temporariamente. Cheio de apetrechos e armas com poder de fogo absurdo, você fica horas matando zumbis e nem se dá conta do tempo que perdeu “limpando” o mapa.

Mas não vá achando que foi só o fanfarrão Frank West que ganhou novas adições especiais, pois os perigos de Willamette não se resumem em enfrentar hordas o tempo inteiro. Frank também precisa lidar com facções de humanos hostis conhecidos como “Maníacos” e um novo tipo de zumbi, os “Freshies”, que são humanos recém infectados. Infelizmente, a inteligência artificial fraca e pouco desafiadora deixa o jogo um pouco fácil até demais.

Heróis da CAPCOM: Mate zumbis em grande estilo

O grande diferencial de Dead Rising 4: Frank’s Big Package talvez seja o modo “Heróis da CAPCOM”, onde é possível jogar com personagens totalmente icônicos da empresa, desde Ryu, de Street Fighter, até Morrigan, de Darkstalkers.

Essa DLC é jogável apenas no modo campanha do jogo, o que intensifica a experiência. Neste modo você não usa as armas que o cenário te dá, mas em compensação se veste com a fantasia de seu personagem favorito da CAPCOM e sai para a matança. E olha que legal, Frank também pode se vestir como a nossa heroína Jill Valentine, de Resident Evil. Já imaginou o barbado Frank West só de mini saia e rocket launcher na mão botando os zumbis pra correr?

Existem dois tipos, as “Fantasias de Heróis” e “Fantasias sombras”. Essa segunda opção aprimoram a experiência. Confira a lista completa dos personagens:

  • Frank clássico (Dead Rising)
  • X (Mega Man X)
  • Ryu (Street Fighter)
  • Dante (Devil May Cry)
  • Cammy (Street Fighter)
  • Viewtiful Joe (Viewtiful Joe)
  • Zangief de Metal (Street Fighter)
  • M. Bison (Streett Fighter)
  • O palhaço Adam (Dead Rising)
  • Arthur (Ghost n Goblins)
  • Bass (Mega Man)
  • Morrigan (Darkstalkers)
  • Sissel (Ghost Trick: Phantom Detective)
  • Frank Zumbi (Dead Rising)
  • Jill Valentine (Resident Evil)
  • Amaterasu (Okami)
  • Akuma (Street Fighter)

Todas essas fantasias estão disponíveis no jogo, tanto a normal quanto o modo sombra, e cada uma delas tem um poder primário e um especial. Elas podem ser equipadas a qualquer momento durante a jogabilidade – basta encontrar o Fliperama da CAPCOM no mapa e escolher a fantasia.

Se você acha que a CAPCOM seguiu a moda de sistema de Loots, fazendo o jogador gastar dinheiro real para conseguir jogar com as fantasias, você está enganado. Felizmente existem três meios de consegui-las, e todas gratuitamente.

Juntando Estrelas de Heróis CAPCOM

Juntando estrelas da CAPCOM, você consegue desbloquear algumas fantasias. Ao todo são 60 estrelas e, ao juntar todas, você consegue desbloquear Akuma, de Street Fighter.

Treinamento de Herói

No treinamento de Herói você consegue desbloquear qualquer fantasia, menos Amaterasu e Akuma. Esse modo pode ser encontrado em todo o mapa através de orbes azuis, com níveis de dificuldade de 1 e 2 estrelas. No nível 1 você desbloqueia a fantasia convencional, no 2 as fantasias sombras. Os desafios são bem simples de serem executados, alguns consistem apenas em matar zumbis com ataques especiais no tempo limite.

Compra com dinheiro do próprio jogo

Esse jeito é o mais simples e consiste em juntar o dinheiro do jogo pra comprar as fantasias. Esse dinheiro pode ser adquirido por meio da matança de zumbis, completando missões ou com Baús da Capcom, que estão espalhados pelo mapa.

Outra coisa bacana desse modo de jogo, são as referências aos grandes títulos da CAPCOM. Durante a jogatina você se depara com vários easter eggs e inclusive pôsteres de grandes jogos da empresa, como Resident Evil.

Confira algumas fantasias do modo Heróis da Capcom, e tente não rir ao ver Frank West vestido de Jill Valentine.

Conteúdos adicionais

Além do modo Heróis da CAPCOM, Dead Rising 4: Frank’s Big Package também conta com outros dois conteúdos adicionais,”Super Ultra Dead Rising 4 Mini Golf” e “Frank Rising“.

Super Ultra Dead Rising 4 Mini Golf é uma extensão para ser jogado online contra outros jogadores, e consiste basicamente em um jogo de minigolf. Seu principal objetivo é acertar a bolinha no buraco, e no trajeto da bolinha, tentar eliminar o máximo de zumbis possíveis para ganhar pontos.

O PARÁGRAFO A SEGUIR CONTÉM SPOILERS DA CAMPANHA PRINCIPAL!

Na extensão de Frank Rising, continuamos com a saga de Frank West, que supostamente morreu ao final da campanha principal. Na DLC você joga com Frank no modo zumbi, e uma cientista resolve tentar ajudá-lo a voltar a sua forma humana. O objetivo é achar uma cura para Frank, porém cidade está prestes a ser exterminada do mapa, então é uma luta contra o tempo e os zumbis.

Veredito

Apesar de alguns erros técnicos de jogabilidade, algo que não atrapalha a experiência, mas incomodam, Dead Rising 4 é um ótimo jogo que marca a volta do grande Frank West. O título se mantém fiel às características de seus antecessores, melhorando e muito em alguns aspectos como combate e diversão. A história consegue prender a atenção, mostrando que não é apenas um hack ‘n’ slash de matança de zumbis. Dead Rising 4 pode sim ser considerado um dos melhores da franquia.

Dead Rising 4: Frank’s Big Package foi analisado no PlayStation 4 em cópia digital cedida pela Capcom Brasil. O texto não representa a opinião do REVIL como um todo, e sim do autor da análise.

Análise - Dead Rising 4: Frank's Big Package
Mapa grande, facilitando a exploraçãoCombate aprimoradoDivertidoRetorno de Frank West
Problemas técnicosCombate repetitivo depois de um tempoAlguns problemas com o som no final do jogo
8.4Pontuação geral
Gráficos8.5
Jogabilidade9
Diversão9
Som7
Votação do leitor 10 Votos
7.1
%d blogueiros gostam disto: