Depois dos relançamentos de Resident Evil 4, 5 e 6, agora é a vez dos consoles da oitava geração receberem, também Resident Evil Revelations. O PS4 e o Xbox One já garantem suas edições a partir de 29/08 e o Nintendo Switch no final do ano, com um bundle incluindo Revelations 1 e 2.

O jogo foi lançado originalmente para o Nintendo 3DS e seria um ‘exclusivo’ para o portátil da Big N, porém, por uma grande demanda de pedidos da comunidade, a Capcom decidiu portá-lo  para os consoles de mesa em 2013.

A empresa tem seguido uma política de relançar seus jogos mais antigos para as atuais gerações de vídeo games, acompanhando sempre o mercado, uma vez que alguns consoles não possuem o recurso de retrocompatibilidade. Isso ocorreu diversas vezes com Resident Evil 4,  por exemplo, (que tem versão até pra cafeteira Nespresso) que acabou recebendo muitos ports e remasterizações.

De volta às origens

A saga Revelations foi criada para alimentar ainda mais a cronologia da série principal, incluindo eventos para fechar os pontos em aberto que os jogos numerados deixaram.

A história foi muito bem recebida pelos fãs, já que Jill Valentine deu as caras logo no primeiro jogo, após um longo tempo fora de cena. Outro ponto alto é a ‘volta’ do Survivor Horror, que desde RE4 havia ficado um pouco de lado, dividindo, e muito, os fãs.

O game é separado em capítulos, estrutura que aumenta a ansiedade do jogador em chegar ao final. O fator replay é bem vindo quando se acaba pela primeira vez, podendo mudar a dificuldade e utilizar o mesmo equipamento melhorado durante a campanha.

Leia também: Artigo – A Revelação da Divina Comédia

Resident Evil: Revelations mais uma vez

Esta nova versão de Resident Evil Revelations apresenta uma resolução 1920×1080 e 60fps, mais suave, com texturas de cenário e personagens mais limpos, taxa de animação melhorada, mais detalhes nos cenários e movimentos refinados das criaturas. O jogo segue bem fluído com controles fáceis de serem dominados por quem está experimentando pela primeira vez, diferente da versão de PS3, que estava bem crua, com controles confusos e cenários mal texturizados.

A trilha sonora é bem marcante e é um dos pontos altos, envolvendo o jogador e deixando um suspense que da calafrios enquanto você se aprofunda no Queen Zenobia atrás de respostas. Ela foi criada relembrando muito os jogos clássicos, o que ajuda para esse ser um dos títulos mas bem recebidos desde 2004.

Resident Evil Revelations está sendo vendido a R$130,00 tanto na PlayStation Store quanto na Loja Xbox. A nova versão conta com todas as DLCs lançadas e também com o modo Raid, parecido com o Mercenaries, para jogar online. O jogo também chega em formato físico para ambos os consoles por R$150,00.

O jogo foi analisado no PlayStation 4, em cópia digital cedida pela Capcom Brasil. O texto não representa a opinião do REVIL como um todo, e sim do autor da análise.

ANÁLISE – Resident Evil Revelations (PS4/XB1)
Versão decente do port de 3DSControles mais fluídos Texturas de cenários e personagens bem definidasFator Replay
ValorMais um portInteratividade em relação a versão do 3DS
8.8Pontuação geral
Gráficos8
Som9.5
Controles8.5
Diversão9.5
Desafio9
Custo-benefício 8
Votação do leitor 45 Votos
7.2
  • Hadesrafael Francisco

    Essa é uma análise do jogo em si, não do port dele para a geração atual, ou seja, não contribui muito para quem quer adquirir esse versão. Uma análise útil seria da qualidade do port mostrando as diferenças entre as versões antigas, isso sim. Um artigo desse mais enche linguiça do que serve para algo. Apenas dá para tirar proveito desse parágrafo: “Esta nova versão de Resident Evil Revelations apresenta uma resolução 1920×1080 e 60fps, mais suave, com texturas de cenário e personagens mais limpos, taxa de animação melhorada, mais detalhes nos cenários e movimentos refinados das criaturas. O jogo segue bem fluído com controles fáceis de serem dominados por quem está experimentando pela primeira vez, diferente da versão de PS3, que estava bem crua, com controles confusos e cenários mal texturizados.”, ainda assim de forma muito superficial.

    • Cláudio Corrêa

      Nós já fizemos uma análise completa do jogo em 2013 pro PS3 – https://residentevil.com.br/reviews/analise-resident-evil-revelations – Não há muito o que falar pra essa edição do PS4, somente o pequeno trecho que você achou superficial…é a mesma coisa que falar mais do mesmo várias vezes sem necessidade!

      • Hunk

        Na verdade tem algumas coisas que eu estava curioso pra saber sobre essa versão. A algum tempo atrás tinha sido dito sem muitos detalhes que o modo Raid receberia uma nova fase (também reparei por screenshots que adicionaram alguns elementos úteis na HUD do modo, como um contador de inimigos e um ícone que indica se o bônus de No Damage ainda é possível), como que ficou isso, vocês chegaram a ver essa nova fase? Também gostaria de saber se este modo sofreu alguma outra mudança, o residentevil.net ainda está disponível na nova versão? Imagino que se não estiver devem ter redistribuído o loot pra compensar pela ausência dessa funcionalidade. Como eu já tenho a versão de PC o 60 FPS e 1080p não são atrativos (dá pra conseguir facilmente o dobro disso no PC, o jogo é leve), essas possíveis adições no Raid me parecem bem mais relevantes.

        • Cláudio Corrêa

          Eu joguei bem pouco da campanha. Como foi lançado ontem, só tive acesso ao jogo pouco tempo antes de soltar a análise, não cheguei a jogar o modo Raid. Mas pelo que andei lendo é a mesma coisa do PS3. o RE.NET deve ter suporte pra versão de PS4 sim, junto com os eventos que játinham na versão de PS3. E concordo que a versão de PC se vc tiver um pc “bom” ele roda bem melhor do que o que relançaram agora pra PS4 e Xone. Essa política de ficar requentando jogo me enche um pouco o saco, inclusive RE4 que já teve versão até pra Tv de geladeira…mas se eles fazem é pq vende!!!

          • Hunk

            Entendi, é meio estranho eles terem retirado o RE.NET do RE6 e não do REV, mas eu também não tinha lido nada sobre retirarem o suporte do site, só fiz essa suposição por causa do RE6 (no caso do RE6 eu já sabia antes do lançamento se não me engano). Uma coisa que me deixou curioso na análise é que você disse que os controles melhoraram, mas isso foi só por causa da fluidez dos 60FPS ou mudaram alguma coisa além disso? Pergunto porque quando fui do PS3 pro PC não notei diferença nos controles além da fluidez natural por ter mais frames por segundo, dessa vez adicionaram alguma outra forma de movimentação? No meu caso eu também consideraria ideal ficar só com a minha versão de PC, mas de uma forma ou de outra já estou comprometido a pegar a de PS4 eventualmente porque prometi ao meu sobrinho que jogaria com ele e este é o único console que ele tem (aliás até a versão de PS3 eu mantenho também pra jogar com outros amigos), então não tem muito jeito, até o RE6 de PS4 eu acabarei pegando pelo mesmo motivo. Aliás esse tipo de situação a meu ver é o que mais justifica esses relançamentos, pra quem joga só pelos consoles ter o jogo disponível em tudo que é canto pode ser bem prático, e às vezes até necessário. Pelo menos é melhor do que sair comprando vários consoles diferentes pra poder jogar diversos jogos, mas no fim das contas o ideal mesmo é poder comprar o jogo uma vez e já ter a versão definitiva, o que foi uma das minhas motivações pra ir pro PC. Isso poderia ser remediado se a Sony também tivesse investido na retrocompatibilidade, aliás até a retrocompatibilidade do One eu não acho que é o suficiente. O ideal pros consoles seria retrocompatibilidade similar a que tinha num PS2, onde você poderia colocar qualquer disco funcional de PS1 e pronto, funcionava na hora. A do One pelo que eu saiba depende das desenvolvedoras liberarem o jogo e no PS4 é inexistente, aí desse jeito remasterizações acabam sendo necessárias por causa do PS4, e mesmo no lado da Microsoft não é uma retrocompatibilidade 100% confiável.

      • Fabiano Zimmer

        nem pra colocar um 1440p ou 1800p no PS4 Pro a capcom não presta pra fazer, serviço de preguiçoso, PS4 PRO fica inútil num jogo desse.

        • Cláudio Corrêa

          Esse é um dos pontos que acho que a Capcom não está investindo tanto com jogos requentados…RE7 já tem esse suporte pro PS4Pro, e eles vão continuar com isso nos próximos jogos da franquia tmb, agora, utilizar esse recurso pra deixar o jogo em 4K acho que levaria mais tempo e trabalho da equipe encarecendo ainda mais o produto final (por tratar-se de um jogo de 2013)

      • Hadesrafael Francisco

        Então seria mais correto um artigo de opinião e não análise, pois acessei o link através do Facebook pelo termo análise, pois gosto muito desse RE, porém quero mais dados para ver se o investimento vale a penas para meu XONE, pois tenho no 360 e no PC. Análise é pegar as 3 plataformas portadas e comparar, mesmo que fale a mesma coisa, mas que compare e seja de fato analisada.

        • Cláudio Corrêa

          Mas uma análise é um artigo de opinião, tanto é que no final quem faz uma análise deixa bem claro que isso reflete somente a opinião de quem está escrevendo. Eu não tenho um XOne pra poder fazer um comparativo entre as edições, e acho inválido fazer esse comparativo com imagens de internet que não dão a real sensação pra poder fazer o comparativo que você procurava por aqui. Só tive acesso ao jogo um dia antes de escrever a análise por motivos de embargos com a Capcom, então só pude jogar o começo do jogo, mas como já tinha jogado no 3DS e no PS3 e só vi diferença no que eu falei foi o que deu pra escrever. A versão de PS4 é a mesma sem mudanças drásticas, eles melhoraram texturas, iluminação e na minha opinião os controles, pois joguei mais de 200 horas do Revelations no N3DS e quando peguei a edição de PS3 eu achei tudo muito ruim na verdade. O que achei que melhorou além dos gráficos foram os controles que estão bem mais fluídos. Fora isso, se você já tem no Xbox 360 e no PC e quer comprar pro Xone pq vc ta usando mais esse sistema agora, compre, caso contrário eu diria que é um item mais pra quem coleciona e curte jogar novamente (no meu caso).

          • Gustavo S.

            Cláudio, como fica essa versão remasterizada em comparação à do PC (nas configurações máximas, obviamente)?

          • Hadesrafael Francisco

            Segundo o conhecimento adquirido do meu nível superior em Letras Português-Inglês, artigo de opinião e análise são coisas com estruturas semelhantes, porém com diversas características diferentes. Não vale a pena citar aqui. Em todo caso, essa matéria deveria ser chamada sim de Artigo de opinião. Agora, fica um ponto muito importante que você comentou: “só pude jogar o começo do jogo”, e postou a matéria no dia seguinte… pense como as pessoas que leram isso, dá para levar a sério? Isso é ético? Não é uma postura digna do maior site de Resident Evil do Brasil fazer um coisa dessas só para ter o quanto antes uma matéria assim. Quem lê uma análise, espera algo bem feito, pois grande parte dos internautas não leem o texto todo dos sites que frequentam, quando leem, não há informações relevantes nem aprofundadas. Por mais que tenha jogado as outras versões (como eu joguei todas, tirando a de ps3, mas pc, 3ds e 360 joguei), ainda assim, não é desculpa para fazer algo de jeito, pois eu, como muitos, tem interesse em adquirir ele no XONE e gostariam o que mudou ou se está igual, pois qualquer uma das duas alternativas reflete até quanto um jogador irá pagar pelo jogo. Lamentável que um site desse porte tenha matérias assim…

          • Hunk

            Não cheguei a jogar ainda a versão de PS4 ou Xbox One, mas como estava interessado em saber sobre as mudanças do jogo, que de fato existem e vão além de gráficos, fiz umas pesquisas a mais e descobri algumas coisas interessantes. Na campanha em si, até onde eu saiba, nada mudou, mas é no modo Raid que veio um conteúdo que, como um possuidor da versão de PC do jogo (até então não foi dito se essa versão receberá este conteúdo, mas pelas práticas recentes da Capcom com o RE5 e dmc reboot aposto que não), me chamou a atenção. O site que mais deu informação sobre isso pelo que eu encontrei (ou melhor, o único que eu vi dando essas informações detalhadas) foi da própria Capcom, aqui o link: http://www.capcom.co.jp/bhrev_ue/us/index.html
            Pela informação coletada nesta página e evidenciada em alguns vídeos no youtube dá pra ver que, além do 1080p, 60 FPS, e das antigas DLCs inclusas, também adicionaram um estágio adicional ao Raid, chamado de Ghost Ship Chaos, que é igual ao Ghost Ship original, só que com criaturas de nível muito mais alto, passando de 70 (chegando até 80 pelo que eu vi no youtube). Também adicionaram um novo tipo de arma, que se eu não me engano só pode ser adquirida nesse novo estágio (não tenho certeza absoluta disso), que são versões especiais das armas nível 50, com um ícone azul e nome rosa (talvez vermelho, perdoe o daltonismo, é difícil de dizer pela imagem, mas você pode vê-la por conta própria no link), que possuem poder de fogo, velocidade de disparo e tamanho de cartucho aumentado em relação às versões normais de nível 50, podendo também ter um slot a mais do que seria possível normalmente pra tal arma, com a Drake da foto chegando a ter 7 slots, o que era impossível até então em outras versões, onde as armas só chegavam a 6 slots na melhor das hipóteses. Também adicionaram custom parts novas, que, olhando pela imagem no link, podem ser adquiridas na loja do jogo com Battle Points, chamadas (jogando em inglês, não sei como são os nomes em português) de “EXP Boost”, que aumenta a quantidade de EXP adquirida, ideal pra upar mais rápido, “Enemy Radar”, que mostra se tem criaturas perto de você (não sei se aparecem no minimapa ou se tem alguma indicação na tela), o que deve ser uma maravilha pra conseguir os Trinities, e Rare Finder I, que aumenta a frequência de drop de armas de alta raridade, ideal pra farmar armas end game, e pela imagem parece que existe Rare Finder II e III também, com efeito mais potente, e também encontradas na loja. Outra coisa interessante que disseram nessa página é que as roupas, personagens e itens que eram DLC (podem se referir à Rachael Ooze e Lady Hunk, além das custom parts extras que vinham com armas DLC e das pistolas DLC) agora podem ser desbloqueados no jogo, ou seja, dessa vez as roupas devem ter alguma condição pra desbloquear e os itens talvez apareçam como loot aleatório. Isso é tudo que eu consegui tirar dessa página, mas tem outra coisa também que eu já tinha reparado a um bom tempo com as fotos antes do lançamento do jogo, a UI (interface de usuário) do Raid recebeu algumas adições bem úteis pra quem gosta de ir atrás dos Trinities. Entre elas está um contador de inimigos em letras brancas, mostrando o número de inimigos que você já matou no nível e o total, um outro contador de inimigos logo abaixo desse, em letras azuis, que pelo que eu reparei é igual ao outro contador, só que focando apenas nos inimigos da área em que você está, e por último tem um ícone, a esquerda deste contadores, que fica emitindo um tipo de “pulso”, e pelo que eu concluí é uma forma de dizer se você ainda tem o No Damage Bonus ou não, pois nos vídeos que eu vi assim que os jogadores levaram um único golpe o ícone parou de pulsar. Isso é tudo que eu sei que mudou, talvez tenha algumas outras mudanças, como rebalanceamento de loot, que eu não consigo ver facilmente em alguns vídeos e não estão listadas na página da Capcom que eu mandei, mas até onde eu saiba é só isso mesmo. Tem umas adições bem legais, mas todas pro Raid, pra quem não curte este extra e já tem o jogo no PC não deve valer a pena, mas pra quem é fã deste modo há motivos pra pegar a versão de PS4 ou Xbox One. Eles também mencionam coisas como “aumento de detalhes nas texturas”, mas só Deus sabe se isso é apenas uma forma bonita de dizer que aumentaram a resolução (o que significaria que a versão de PC ainda não perderia na beleza) ou se realmente trabalharam nas texturas individualmente (neste caso a versão de PC poderia ser ultrapassada na beleza também), mas pelo que eu vi não deu pra perceber nenhuma melhoria visual em relação à versão de PC, se melhoraram alguma textura deve ter sido de forma bem leve. Tentei procurar por comparações pra tirar esta dúvida, mas só consigo achar comparações entre as novas versões de console e as antigas versões de console, comparações com o PC, que realmente diriam alguma coisa, parece que ninguém lembrou de fazer.

        • Gustavo S.

          Tem pra PC e ainda quer mais uma versão desse jogo??? Seu direito, mas parece despropositado, ainda mais com esse preço.

    • Senti falta de uma opinião sobre a inteligência artificial do jogo, se houve melhora nela ou não. Lembro que quando joguei no 3DS e no Xbox 360, era inútil ter um personagem ao seu lado na campanha se ele não era capaz de matar um Ooze sequer. Parker, Jessica e o outro lá que esqueci o nome eram mais sombra que qualquer outra coisa.

    • Bruna Mattos

      rs mas gente se quase não tem mudança de uma versão pra outra o problema é da análise?

  • Fabiano Zimmer

    R$150 num jogo remasterizado? quem é doido de pagar por isso? joga no PS3 pagando menos que dá na mesma,

    • jjevil

      Lembro de ter comprado minha edição física por R$65,00. Novinha nas Americanas, em 2015.

  • Rodrigo Zika!

    Nem vou comentar, o meu de PS3 e bem bonito já.

  • Protagonista Do Gta

    Gostaria saber com mais detalhes as diferenças entre o controle da versão PS3 vs PS4, não me lembro de ser tão ruim assim no PS3…

    • jjevil

      Também fiquei confuso nessa parte. Não sei o que realmente pode melhorar nos controles em relação ao PS3 e ao X360.

  • Jair Santos T.

    Acompanho o Revil desde 2008, e gostaria de dizer: Quanta gente chata,viu…

    Falam mal, mas um trabalho melhor ninguém tá fazendo, né? Manda ai o link da SUA analise!
    Quer o jogo? Compra! Não quer? Não compra…
    Em qualquer lugar, em qualquer situação, em qualquer profissão, falar só do lado negativo e se recusar a sugerir melhorias ou fingir que só existe a parte negativa, é muita falta do que fazer na vida, viu?
    Vocês mal amados que ficam exigindo as coisas, devem ter uma vida bem miserável, um trabalho horrível e ser uma pessoa bem amarga…

    Apoiem mais as pessoas que tem todo trabalho pra fazer o conteúdo, que na maioria das vezes, é de ótima qualidade…
    P.S: Tem sempre a opção de não acompanhar o Revil!
    #loveyourselfbitches

    I <3 Revil!

  • ratStar

    É um ótimo jogo! Mas acho o preço desses remasters/ports da Capcom muito abusivos. Revelations 1 por exemplo já saiu em todos os consoles da geração passada, inclusive PCs. Então, a não ser que a pessoa não tenha tido videogame desde o PS2, não vejo o porquê de investir tanta grana em um simples port. Isso vale pro RE4, RE5 e RE6 lançados nessa geração também. Não estou reclamando por mim, pois ja tenho todos no ps3. Na verdade isso nem é uma reclamação, é apenas um alerta para as pessoas pensarem muito bem antes de investirem tanta grana em um jogo que, hoje em dia, não valeria nem a metade do preço que eles abusivamente cobram. Se ao menos fosse uma coletânea com TODOS os RE Over the Shoulder pelo preço de um jogo novo daria pra pensar em comprar…

    • Hunk

      Eu particularmente sou a favor de relançamentos como forma de preservar os jogos nos consoles (e nos PCs, se for um jogo antigo que ainda não esteja na Steam), desde que não possuam algum tipo de defeito que o original não tinha e melhorem o mínimo possível, mas você acertou em cheio no grande problema desses relançamentos, o preço. Aqui no Brasil é 150 cada pelo que eu me lembre (pelo menos o preço oficial e no lançamento), então pra alguém que queira todos os OTS relançados sairia 600 reais, contando com os 3 últimos numerados e mais o REV agora, o que é realmente um preço absurdo por 4 jogos antigos, e um deles nem sequer é da geração passada. Só um adendo que eu acho interessante, o preço dos jogos nos Estados Unidos é $20 cada, o que significa que os 3 numerados juntos são o preço de um jogo em lançamento, com o REV custando $20 adicionais (o que é compreensível, pois não veio na mesma “leva” dos outros 3), ou seja, o total é só $80, que ainda é apenas o preço de 1 jogo e 1/3 (também é interessante notar que seria o mesmo preço do RE7 Deluxe quando lançou), um preço bem mais aceitável e justo do que os 600 reais aqui no Brasil. Só digo isso pra deixar bem claro que essa injustiça não é geral, é só mais uma das vantagens da nossa grande nação, que é tão especial que possui sua própria matemática, que claramente funciona de forma bem diferente do que deveria.

      • ratStar

        Exato Hunk, independente de ser a favor ou contra os constantes relançamentos (na verdade meu contra maior é pelos preços abusivos, um verdadeiro caça-níquel), o importante é ter esse discernimento de ver que algo de errado não está certo com a “taxa cambial” desse país.

        • Hunk

          De vez em quando o Brasil me faz crer que taxa cambial e impostos são mitos neste país, e que na verdade os preços são definidos de forma completamente aleatória. Se a gente for olhar lá pros lançamentos do RE Remake e 0 na nova geração os preços na verdade estavam bem favoráveis, até melhores do que deveriam ser se fizéssemos a conversão com os valores da época, agora do nada com os OTS o preço disparou sem motivo nenhum (tudo bem que nossa moeda piorou, mas não tanto a ponto de justificar o aumento exagerado). Se eu estiver lembrando corretamente o Remake custava 40 reais e o 0 custava 60 (o aumento do Remake pro 0 provavelmente foi devido a situação do real piorando, até foi compreensível), mas de repente surgem as remasterizações dos REs OTS, cobrando 70 reais a mais que o 0 (estou considerando o preço digital, já que também usei as versões digitais do Remake e 0 como base). E sim, nos Estados Unidos todos os relançamentos que eu mencionei aqui custaram o mesmo preço, apenas 20 dólares, ou seja, comprando todos os 6 REs relançados nessa geração sai apenas o preço de 2 jogos em lançamento nos Estados Unidos, o que parece bem justo pra mim, inclusive bate com a maioria das coletâneas de remasters, que normalmente traz no máximo 3 jogos cada pelo preço de 1 em lançamento. O mais bizarro é que esse aumento absurdo de preço no Brasil não representa um aumento no preço dos jogos internacionalmente (como eu disse o preço não aumentou de um relançamento pro outro nos Estados Unidos), não bate com a decadência da nossa moeda e pelo que eu saiba não surgiu nenhum novo imposto que justifique todo o aumento.

          • ratStar

            Sim cara, você disse tudo. Pra mim, e digo isso sem receio nenhum de represálias, isso (a crise) não passa de oportunismo da empresa enfiar a faca; uma desculpa pra deixar o preço lá nas alturas….E isso não é exclusividade da Capcom…Tem muita empresa por aí cobrando absurdos por um jogo, independente se é lançamento ou não. O jeito (pra mim, mero mortal) é esperar os preços abaixarem um pouco e não sair comprando tudo em day one. Poucos (muito poucos) jogos vão merecer esse investimento de minha parte daqui pra frente…TEW2 é um deles rs

          • Hunk

            É bem provável que seja isso mesmo, que há uma crise realmente há, mas é visível que muitas empresas podem se beneficiar disso pra mascarar um aumento de preço inexplicável junto do aumento inevitável, e pra quem não para pra fazer as contas e se conforma com a crise como justificativa (acredite, tem quem caia nessa) esse truque passa despercebido. Como você disse o que a gente pode fazer pra combater isso e preservar a integridade de nossas carteiras é esperar até os preços ficarem justos. No caso da Steam isso é fácil, normalmente não é nada que uma Steam Sale não resolva, mas com jogos de console a espera por uma oportunidade de achar um preço bom no Brasil acaba sendo maior. Infelizmente no caso desses relançamentos de RE eu estou com as mãos atadas porque já prometi pro meu sobrinho que compraria pra jogar com ele, mas já tenho um plano de fuga caso ele compre o RE6 e REV antes do preço abaixar, comprar um PSN card de 20 dólares (aliás, essa é a melhor escapatória que eu posso recomendar nessa situação, se quiser comprar essas remasterizações logo esse é o jeito ideal). Já achei um no mercado livre sendo vendido por metade do preço da mídia física do REV aqui no Brasil, até poderia aproveitar um de 40 dólares pra comprar o RE6 junto, mas idealmente prefiro passar longe dessas compras por enquanto, já torrei quase toda a grana no PC novo e ainda tenho planos pra arranjar um HD interno maior, e daqui a alguns meses ainda terei que renovar a PS Plus, afinal seria inútil comprar jogos no PS4 exclusivamente pra jogar online sem ter a PS Plus. Só é uma pena que com essa situação toda será difícil conseguir pegar o TEW2 cedo, e esse era um que eu também estaria disposto a comprar no lançamento na Steam, mas vamos ver, dependendo do preço que eu conseguir no HD eu ainda posso tentar dar um jeito de pegar o TEW2 o mais rápido possível se lançar por um bom preço na Steam.

  • Felipe Sprocatto

    Quantas vezes esse jogo já foi analisado? Acho que o título deveria ser corrigido para RE-RE-RE-Relançamento de RE revelations.

  • fabio fabão

    e nada de resident evil 2 remake, que demora!

  • Feplays

    Pra quem não jogou, ou não tem o jogo vale a pena. Mas eu queria mesmo além do Remake do RE2, era
    um Remake de Resident Evil Outbreak completo.

  • fred tps

    https://www.youtube.com/watch?v=smJ_QE6YJuw vcs poderiam analisar este jogo no lançamento, porque com uma análise de vocês ajudaria a quem não conhece o jogo a ficar sabendo da sua existência.

%d blogueiros gostam disto: