Resident Evil: The Mercenaries 3D causou grande polêmica por possuir um único slot, que não pode ser deletado ou reiniciado. Como postado no blog REVIL há alguns dias, esse sistema prejudica quem compra ou vende jogos usados. A Capcom negou que a intenção de incluir essa característica ao sistema tenha sido inibir a venda de cópias usadas, mas sim para dar um sentimento de jogo no estilo “arcade”, em que o personagem ou arma que é destravado continua assim. Em uma entrevista em vídeo na Capcom Unity, Christian Svensson disse que a empresa aprendeu a lição:
“Eu acho que é justo dizer que nunca houve a intenção maliciosa que os teóricos da conspiração acreditam. Eu também acho justo dizer que com a controvérsia que tudo isso gerou, eu não acredito que vocês verão algo como isso acontecendo de novo”. Svensson também reafirmou o que disse ao Gamerzines sobre o caminho que Resident Evil 6 irá seguir: não haverá um reboot, e sim grandes mudanças, como em RE4. Visite o site de Capcom Unity para assistir à entrevista de Christian Svensson.

%d blogueiros gostam disto: