yffw4uRx0jc

No vídeo desta semana, vamos falar sobre os jogos da série Revelations e os ganchos que eles deixaram em aberto e que podem ser aproveitados no futuro.

Como são, nas palavras do próprio produtor Michiteru Okabe, jogos derivados da série principal, ou seja: spin-offs, eles não tem grande impacto na história central de Resident Evil, mas servem como complemento de algumas coisas e também ajuda a explicar certos eventos e a trazer um pouco mais de profundidade para a história da franquia. Como aliás, outros spin offs como a série Chronicles também faz.

Os ganchos deixados por Resident Evil Revelations

Como é comum em jogos não numerados, em sub-séries derivadas, Revelations 1 e 2 tem seus acontecimentos se passando entre os fatos de outros jogos já estabelecidos da franquia. Revelations 1 foi lançado no comecinho de 2012, mas seus acontecimentos se dão parte em 2004 – antes de Resident Evil 4 e parte em 2005 – antes dos acontecimentos do cenário Lost in Nightmares de Resident Evil 5.

Além de trazer de volta um clima mais voltado ao terror de sobrevivência com ambientes escuros e apertados, menor quantidade de recursos e muitos mistérios e conspirações, Revelations 1 também ajudou a preencher a lacuna da criação da BSAA.

A BSAA foi fundada por um grupo de 11 notáveis pessoas envolvidas na luta contrao bio-terrorismo, tendo em Chris Redfield, Jill Valentine, Barry Burton e Clive O’Brian os seus principais expoentes.

Antes do lançamento de Revelations 1, ficamos sabendo como a organização surgiu apenas através de files. Revelations nso apresentou o já citado Clive O’Brian, que foi uma importante figura na fundação da BSAA e também nos mostrou os fatos conspiratõrios envolvendo o FBC, uma vez que a organização se tornou obsoleta após a fundação da BSAA e Morgan Landsdale agiu de forma a criar uma falsa demanda para mostrar que o FBC permaneceria tendo a sua importância. Entretanto, tudo acabou sendo desmascarado, e a BSAA que ofereceu suporte ao FBC durante o Panico em Terragrigia se consolidou como principal organização de combate ao bio-terrorismo.

Com isso, ficamos um pouco mais contextualizados nos motivos que levaram à sua fundação e também conhecemos o motivo de a BSAA não se aliar ao governo de nenhum país e ser uma organização totalmente independente.

Dessa forma, fica inclusive mais fácil entender a atuação dela nos incidentes mostrados tanto na campanha principal de Resident Evil 5, quanto no cenário Lost in Nightmares. Por falar em Resident Evil 5, é justamente esse jogo que tem um gancho importante com Revelations, afinal de contas, Jessica Sherawat, ex-membro do FBC e parceira de Chris Redfield em boa parte da campanha principal, éuma agente dupla infiltrada à mando de Excella Gionne, diretora da Tricell e que tinha interesses no vírus T-Abyss.

Cheio de reviravoltas, clifhangers, conspirações e traições, as pontas soltas e ganchos deixados por Revelations se concentram basicamente em cima da própria Jessica, e também de Raymond Vester.

Como já citado, Jessica é um ex-agente do FBC e se tornou agente da BSAA após a sua fundação, entretanto, quando ela iniciou sua atuação na recém-criada BSAA, ela já era uma agente dupla contrata pela Tricell. As ordens de Excella eram para que Jessica agisse de forma a conseguir uma amostra do vírus T-abyss.

O objetivo de Excella ao conseguir essa amostra, era entregá-la a Albert Wesker que na época já trabalhava em cima do projeto do Uroboros, e vinha fazendo testes com diversos tipos de vírus para chegar a uma formula perfeita para o seu vírus.

Embora tudo no jogo apontasse para o contrário, Raymond Vester também havia sido contratado pela Tricell para auxiliar Jessica em sua missão. Nos momentos derradeiros do jogo, vemos Jessica atirando em Vester, com Parker se atirando para salvar Vester. Isso na verdade nada mais foi do que uma encenação de Jessica e Vester para encobrir o fato de que os dois estavam na verdade trabalhando juntos.

Após o disparo, Vester fingiu seguir Jessica e acabou voltando para ajudar Parker a escapar do Queen Zenobia antes do seu completo colapso. Vester, no final das contas, acabou conseguindo recuperar uma amostra do T-Abyss antes da destruição do navio, e dias depois entregou a amostra para Jessica em um café, onde recebeu instruções para fazer um relatório de toda a missão e entrega-lo para a Tricell.

Depois disso não se sabe ao certo o destino de Jessica e Vester. Considerada uma espécie de “nova Ada Wong”, Jessica conquistou muitos fãs no jogo. Sexy, mortal, agindo de forma dupla e com passado misterioso, muita gente gostaria de ver Jessica novamente em ação em um novo jogo. E sempre que surge algum rumor ou novidade sobre um futuro jogo da franquia, ela logo é apontada como uma possível vilã por conta de toda a construção de seu perosnagem.

Vester, desperta menos interesse dos fãs, mas é um personagem tão misterioso e com tanto potencial para aparecer em uma nova trama como Jessica. Os dois agentes duplos, na verdade carregam consigo grandes mistérios e uma forte característica de agir nas sombras e sempre com intenções escusas, algo que sempre permeou alguns dos personagens mais memoráveis de Resident Evil, como por exemplo Albert Wesker, Ada Wong e Nicholai Ginovaef.

Veja também:

Os ganchos deixados por Resident Evil Revelations 2

Resident Evil Revelations 2 também tem seus ganchos que podem impulsionar novas tramas dentro da franquia, e a principal delas é sem dúvida a nossa querida Natalex! Calma, se você boiou e não entendeu quem raios é Natalex, vamos recaptular um pouco a história do jogo.

Alex Wesker é a vilã central do jogo e a única criança Wesker sobrevivente além de Albert Wesker. Ela permaneceu “fiel” Spencer, buscando para ele a fórmula da vida eterna. Entretanto, ela acabou eventualmente abandonando o velho mas as pesquisas em busca da vida eterna continuaram, e ela encontrou uma forma de se manter viva justamente quando uma grave e incurável doença a acometeu.

A forma que ela encontrou de permanecer viva de forma eterna, era copiarr a sua mente para o corpo de um hospedeiro, entretanto, o processo de cópia de mentes requeria que o hospedeiro fosse imune ao medo. Dessa forma, Alex criou o vírus T-Phobos, que uma vez administrado no hospedeiro faria com que ele sofresse mutações caso passasse por uma situação em que um medo incontrolável tomasse conta de si.

Como Alex precisava de um hospedeiro imune ao medo, ela decidiu que era necessário fazer experimentos com diversas cobaias, dessa forma ela selecionou indivídos com potencial para tal situação, entre eles, diversos membros da organização Terra Save, da qual Claire Redfield – sobrevivente de Raccoon City e da ilha Rockfort fazia parte. Além dela, destaca-se também Moira Burton, filha do lendário Barry Burton, um dos fundadores da BSAA e que recém havia entrado para a ONG.

Outra cobaia importante era Natalia Korda, uma criança que perdeu seus pais durante o Panico em Terragrigia, mas sobreviveu a todo o caos e após tal evento se mostrou uma criança quase imune a diversos tipos de sentimento, entre eles o medo.

Ao chegarem na ilha, as cobaias foram infectadas com o T-Phobos, e uma-a-uma foram sucumbindo ao medo, poucas passaram imunes, entre elas, estava Natalia Korda, quem Alex definiu como sendo o hospedeiro ideal para receber a cópia sua mente.

Após todo o processo de copia de mente que levou seis meses, Natalia acorda e passa a vagar pela ilha Zabtyj até encontrar com Barry Burton, que foi até o local em busca de sua filha Moira, que havia sumido seis meses atrás após ser sequestrada junto aos demais membros da Terra Save.

Durante o percurso de Barry, Natalia passa a acompanhá-lo, e não dá sinal algum de que a mente de Alex está dentro de si. Alex Wesker, agora transformada em uma aberração, passa a perseguir e a tentar matar Natalia, dizendo que ela é uma impostora. Alex sofreu mutações após dar um tiro em sua própria cabeça. Sua intenção era morrer já que sua mente estava sendo copiada para o corpo de Natalia e lá permaneceria em estado latente durante um tempo, dessa forma ela deixaria para trás seu corpo doente e renasceria entre aspas em um novo e saudável corpo. Entretanto, ao puxar o gatilho da arma, o medo tomou conta de Alex e o vírus T-Phobos entrou em ação e impediu sua morte, mas causou mutações em seu corpo.

No final do jogo, vemos Barry dar m fim à desforme Alex Wesker com a ajuda de Claire Redfield. Com a situação aparentemente resolvida, ele volta para sua casa com Moira e com Natalia, a quem ele adotou como filha. Porém, a mente de Alex permanece dentro do corpo da jovem criança, e isso é notável na cena final do jogo, onde Natalia, ja na casa de sua nova familia, é vista lendo a obra de Franz Kafka, filosófo que era uma das fontes de inspiração de Alex Wesker. Natalia com a mente de Alex, a quem carinhosamente é conhecida entre os fãs como “Natalex”, representa um grande potencial de vilã para o futuro de Resident Evil.

Não só por ter dentro de si a mente de Alex Wesker, mas também por estar vivendo no seio da familia de um dos mais notórios personagens de Resident Evil, a nossa Natalex representa um perigo real, podendo no futuro se transformar em uma importante figura de antagonismo central dentro da franquia.

A verdade é que desde a morte de Albert Wesker, em Resident Evil 5, a franquia carece de um novo antagonista central. Natalex pode assumir esse papel, embora Natalia ainda seja jovem, com 11 anos ao final de Resident Evil Revelations 2 entre 16 e 17 anos no atual momento da franquia, pós-RE7 em 2017. Em tese, chegando na adolescência e perto da maioridade, as chances da mente latente de Alex Wesker emergir e tomar conta de vez de Natalia vão aumentando. Juntando isso a iminente chegada dele à idade adulta, será que em um ponto do futuro da franquia veremos nossa Natalex de novo?

E aí o que vocês acham? Jessica, Vester e Natalex devem voltar para a franquia e exercer papéis importantes? Os ganchos existem, e basta a Capcom querer aproveitá-los. Sabemos que a empresa costuma deixar muitos ganchos nos jogos da franquia, mas nem sempre acaba aproveitando-os, mas é inegável que esses ganchos representados por esses três perosnagens poderiam render bons frutos para o futuro de Resident Evil, seja na franquia numerada, seja em novos jogos da série Revelations ou em outros spin-offs.

Veja também:

  • Eva4Ever#ThankYouEva

    Eu sinceramente vejo a Capcom trazendo o plot da Natalia devolta do que trazer Jessica novamente, e sim eu nem considero o Raymond, mas seria legal caso ela matasse os Burton tipo fazer a órfã, traria a raiva de muita gente pra cima dela e daria um pouco de amadurecimento pra franquia.

    • Luis Felipe Soares

      O Barry pode até bater as botas, pois ele já está velhinho, mas não mate a Moira não, por favor!

      • Eva4Ever#ThankYouEva

        A Moira podia tá viajando fazendo missões junto a TerraSave, nisso recebe a noticia que a casa dela pegou fogo, Capcom me contrate.

        • Luis Felipe Soares

          Acho que a CPacom jamais vai matar o Barry, no mínimo a Natalex vai sequestrá-los e torturá-los

        • ratStar

          Isso me lembrou aquele filme A Órfã rsrs

          • Luis Felipe Soares

            Foi o que ela disse acima, kkk.

  • Sokholov

    A Tricell pelo jeito tem/tinha muito mais informantes dentro da B.S.A.A além da Jéssica já que posteriormente em RE5 a Excella emite uma ordem para a retirada das tropas em Kijuju.
    Seria bacana trazerem um plot com reviravoltas e traições dentro da principal organização bio terrorista de RE.

    • Eva4Ever#ThankYouEva

      Nossa até hj a gente não viu os efeitos que a Tricell causou dentro da B.S.A.A depois que foi a publico que a empresa era corrupta, tipo deve ter sido o maior escândalo.

      • Sokholov

        Nahh, não se preocupe! ja foi confirmado que EM RE8 trarão a Tricell como uma nova empresa empenhada na cura do câncer e da AIDS!

  • Rafael Tramontin

    Depois de jogar o Revelations eu tenho certeza que aquele vírus que o Irvin se injeta no RE5 tinha algo do T-Abys nele.

  • Gustavo Costa

    Nossa,eu não sabia que Raymond também era infiltrado da Tricell!Onde leio sobre?

    Outra coisa,não acho que o fato de Natalia ler Kafka prove que ela tenha de fato sido apagada para dar lugar à mente de Alex,já que não existe uma prova contundente,apenas essa cena final,já que como Natalia foi criada por Alex,ela pode ter tido contato com o livro.

    • Sokholov

      Meu palpite é que futuramente ainda vão aproveitar este gancho da Natália para mostrar um possível conflito mental entre as duas consciências, da Natália e da Alex. Tipo aquele lance da Mia tentando se livrar do controle mental da Eve.

      • Gustavo Costa

        Interessante…mas pelo que me lembro,caso a transferência tenha sido feita,ela só se manifesta no final ruim de forma 100% certa.

    • Luis Felipe Soares

      A Natalia não foi criada pela Alex. A Alex apenas a capturou e passou sua mente pra ela.

      • Gustavo Costa

        Perdão,usei a palavra errada ali.

  • Thiago Gonçalves

    A pergunta que fica é : E aí Capcom, quando vai ser que essas pontas serão resolvidas? Jessica e Raymond vai ser meio complicado, já a “Natalex” de longe é mais interessante das duas.

    • Shuichi Minamino

      Excelente pergunta!

      • Thiago Gonçalves

        Seu comentário sobre a franquia que é.

  • Luis Felipe Soares

    Oi Ceraldi, tem uns erros de digitação no texto.

    “…era copiarr a sua mente para o corpo de um…”

    “mas é inegável que esses ganchos representados por esses três perosnagens”

  • Luis Felipe Soares

    Voto Natalex para a próxima antagonista principal da franquia e que demore pra morrer.

  • Jean Lucas

    De todos acho que o mais provável de a Capcom fazer é trazer mesmo a “Natalex” como vilã futura pra série que desde a morte do Wesker mostrou estar orfã de um vilão central, decente e consolidado, pois as últimas tentativas de inserir vilões na seriés foram pifías (só de lembrar de Carla e Simmons sinto náuseas). Sobre Jéssica e Vester, eles são o caso daqueles personagens que a Capcom nos apresenta em um jogo apenas e depois evapora com eles como já fez com Nicholai, Carlos, Hunk, Sheeva entre tantos outros, eles tem sim potenciais pra terem uma participação maior na série em alguns mas não acho necessário principalmente a Jéssica que com essa pose de anti-heroína sexy forçada não me cativa muito.

  • Shuichi Minamino

    Na minha opinião, fazer uma história como a de RE7, sem muitas conexões com os anteriores, está ótimo. Não que as outras histórias sejam ruins, mas tiveram pontas soltas que podiam ter sido melhor aproveitadas. Wesker (Albert) podia ter uma história melhor do que aquele vilão megalomaníaco de RE5, a Alex podia ter uma maior participação, dado o potencial dela, em vez de se tornar a tal “Natalex”. Fora isso, a série deixa ainda muitas lacunas que não são preenchidas com o passar do tempo e caem no esquecimento. Resident Evil tem potencial para ser uma grande história, mas se perde no próprio enredo. Eu não sou contra um reboot da série, embora com RE7, tenho a sensação de um jogo diferente na própria série numerada. Até Code Veronica (cuja história foi uma das melhores. E os irmãos Ashford, um dos melhores vilões de toda a série), a história seguiu coerente. Mas onde está a parte que o Chris põe um fim na Umbrella? O Steve sobreviveu ou não? O Wesker mencionou que ele poderia viver de novo. E a Claire? O que aconteceu com ela depois do incidente da ilha? Ok, afiliou-se a TerraSave. Mas são muitas lacunas que se encaixariam com ótimas histórias. Fico feliz de ver o RE7 como um jogo diferente, mas decepcionado pela série, no geral, se perder tanto na própria história.

    • Sokholov

      RE7 é um “soft reboot” como o pessoal anda dizendo, ele renova certos elementos, porém, ainda segue a cronologia original…
      Eu também tenho muito receio de como será o desenrolar de trama da DLC Not a Hero, certamente não vai ser fácil explicar a Umbrella do bem e o Chris com um supervisor da mesma. As possibilidades apontam que NaH/Heroi que nada sugere um plot twist parecido com o que vimos no teaser descartado de Revelations, mas mesmo assim, ainda força a barra.
      E quantos as lacunas que o jogo foi deixando ao longo do tempo, embora algumas foram esclarecidas na série Chronicles, eu as vezes penso que o ideal mesmo seria um reboot, pois está claro que a Capcom esta tendo grandes dificuldades em dar continuidade com uma história que seja consistente e até aprofundada.
      Só gostaria que antes esclarecessem alguns pontos:
      -Background maior do filho do Wesker (sim, mesmo achando um personagem péssimo em RE6, eu gostaria de saber mais sobre ele, sua origem, e o que seria bem inusitado que seria o eterno Albert se relacionando com uma mulher, kk)
      -Qual o destino de Jéssica e Raymond após Revelations.
      -Os infiltrados da Tricel na B.S.A.A
      -“A família” da qual Simmons fazia parte como mostrado em RE6.
      -O destino de Natália (ou seria Natálex?)?
      -O destino do HUNK após a falência da Umbrella.
      Seria legal também antes de um reboot, a Capcom ressucitar o conceito dos epílogos de RE3 e mostrar os finais dos personagens principais da franquia

      • Shuichi Minamino

        Os pontos aos quais você se refere achei muito interessantes. Aproveitarei para comentar. Embora essa DLC explique muita coisa (parte que ainda não cheguei e nem vou procurar no momento, para não estragar a surpresa do jogo), eu estava gostando da ideia de não ter (quase) nenhuma ligação com os anteriores. Aí, eis que enfiam o Chris em algum lugar. Adoro o Chris, sem dúvidas, mas quando o vejo inserido nesse novo capítulo, isso me remete o 5, o 6 e seus pecados que, agora, não tem como voltar atrás e nem quiseram fazê-lo. Definitivamente, o 5 e 6 SÃO parte da história, tanto que o 7 (por mais distante que seja dos anteriores) segue a cronologia e, de alguma forma, os anteriores influenciam no título numerado atual. Atrevo-me a dizer que a Capcom, atualmente, não é boa em contar histórias. Tanto que até no Street Fighter V não foi convincente. O 7, eu estou gostando e não tenho nada pra dizer que me desagrada, mas acho que a Capcom devia conversar com o pessoal do The Last of Us e Tomb Raider, por exemplo, para criar uma história aprofundada e consistente, usando os termos do seu comentário. E quanto as lacunas que, bem lembrado por você, foram “explicadas” na série Chronicles, eu ainda acho que essas histórias mereciam muito mais do que um Chronicles tapa-buracos.
        Os pontos que você quer que sejam esclarecidos estão na fase pós RE4, que trouxe mais dúvidas do que conclusões. Embora eu esteja enxergando o 6 de outra maneira, pois depois que o Hunk (sim, ele conseguiu me convencer a não achar o 6 uma total derrota) comentou sobre o 6, a história começou a fazer um certo sentido, ainda fica a sensação de que a série se perdeu na própria história. O Hunk (do RE) teve uma breve participação e causou todo esse furor, o Billy de RE0, personagem do tipo badboy, passou pelo zero, deixou sua marca e nunca mais se comentou sobre ele, vamos lembrar de um potencial vilão do RE3, o Nicolai, que simplesmente sumiu, e ainda sobre RE3, o Carlos Oliveira. Se formos mais além, temos a Sheva, que também foi uma personagem interessante e eu pararia por aí. Ao ir para o 6, não vejo carisma nenhuma nos personagens desse título. O que tinha potencial, morreu. Do zero (com ressalvas) até o Code Veronica, a série foi coesa em termos de história, o que permitia melhores continuações a partir do que foi deixado de lado (e exclui a série CHronicles também). Daí temos o 4, 5, 6 e os Revelations (não são ruins o 1 e 2, mas como side story foram muito bem em aproveitar a história já estabelecida nos títulos 4, 5 e 6). Gostei demais dessa sensação de “reboot” que o RE7 traz (meus comentários são todos baseados no meu agrado ao título), mas fica aquela apreensão pela Capcom, se realmente eles reinventaram a série ou se foi uma jogada de sorte.
        E para finalizar, já que estou inspirado como o Hunk (o usuário) em escrever textos longos, um reboot, assim como fizeram com a série Tomb Raider, seria excelente. Com um porém: que escolham pessoas que realmente saibam contar uma boa história (eu sugeriria a Capcom a conversar com o pessoal de The Last of Us e Tomb Raider…)

      • Jean Lucas

        Também acho que RE7 é um soft reboot pois esse game beira o sobrenatural e reboot é algo que a Capcom aparentemente vem ensaiando desde RE4 (que considero quase um reboot também), mas acho que a série tem muitos pontos a serem explorados antes de um reboot completo como:
        – A tal agência rival da Umbrella que Ada e Wesker trabalharam juntos e foi a responsável pelo ataque a Rockfort
        – Destinos de personagens que já protagonizaram a série como Carlos, Hunk, Nicholai
        – Todos os pontos citados no comentário acima

        Pessoalmente se for pra continuar nesse rumo sem sentido que o enredo vem tomando (beirando até o sobrenatural????????????), que já façam logo um reboot.

        • Sokholov

          Por um momento tinha me esquecido da HCF que inclusive ao que parece é uma das empresas responsáveis pela criação da Eveline.
          Pior de tudo, é que RE7 nos revelou mais um montão de empresas bioterroristas que infelizmente creio eu, nenhuma delas será abordada com relevância e profundidade tal qual a HCF que permaneceu uma incógnita até hoje ;/

          • Jean Lucas

            E muitas delas poderiam muito bem assumirem o posto de “empresas vilãs” da série no lugar da Umbrella, ao menos seria melhor do que ficar insistindo em vilões pifíos e rasos como Simmons e Carlas da vida. Fora que ficar colocando que toda trama não passa de planos maior de uma tal “família” ou “organização” para depois nunca mais se fale nisso é algo totalmente sem sentido

          • Sokholov

            “E muitas delas poderiam muito bem assumirem o posto de “empresas vilãs” ”
            Para que fazer isto quando podemos ressuscitar a Umbrella Neo, Blue, Corps, love n’ peace, S2 da vida de novo, de novo e de novo, não é mesmo? ^^

          • Jean Lucas

            Pra que se podem também colocar vilões nivel novela ruim da Globo como Derek e Carla como pano de fundo, não é mesmo?

      • Pedro Ivo Faro

        De todos esses que vc citou, acho que é provável de colocarem Jake e Natalex cruzando em algum momento da história. Como? Simples. Por mais que o Jake seja uns 8, 9 anos mais velho q a Natalex, em tese ela é “tia” dele!
        Então, parte da consciência da Alex poderia ser útil a ele como um meio de fazê-lo encontrar respostas sobre o Albert, vulgo pai dele.
        Dos outros citados, vejo pouca possibilidade de aproveitamento na história.
        – “A família” do Simmons, pode ser colocada num file num próximo jogo, no máximo como um vírus novo, ou, quem sabe, um file secreto.
        – Os destinos de Hunk e Nicholai, com o fim da Umbrella, poderiam ser abordados até, mas acho personagens com pouca “força” pra serem protagonistas. Hunk poderia reaparecer num novo sub-jogo (como ele foi no The 4th Survivor), com o Nicholai sendo o vilão
        – Jessica e Raymond, assim como Natalex, são os únicos que vejo com papéis que poderiam ter alguma representatividade. Inclusive, acho que a Jessica seria a “rival” ideal para a Ada, com a possibilidade de as 2 se estranharem em algum jogo, com direito a pancadaria.
        – Os infiltrados da Tricell na BSAA, com o fim do RE5 (e suposto fim da Tricell), deixam essa história com poucas possibilidades de continuidade. Logo, acho que essa é uma parte da história q n tem como ser usada.
        – E, por fim, o coitado do Billy, nunca mais se envolverá com um incidente com BOWs não?

        • Sokholov

          Wow, that’s was kinda interesting!
          Seu palpite sobre Natálex e Jake me pareceu fantástico, daria para trabalhar muito com isto.
          HUNK e Nicholai voltariam como vilões obviamente, e como bns filhos da mães que são, seria interessante ver a B.S.A.A correndo atrás de um deles.
          Não nos esqueçamos também que a Capcom adora resucitar dos mortos a Umbella, assim sendo, nada impede de algum membro revoltado ainda estar dando continuidade aos experimentos da “tri célula”. Em tempo, os infiltrados ao que parece continuam lá, e, fica meio estranho ao menos para mim deixar esta ponta solta no enredo.
          Billy… Bom, eu realmente não sou fan do personagem, mas me lembro que a alguns anos atrás falavam a mesma coisa da Claire, que seu papel na franquia ue era encontrar o Chris ja havia se cumprido, que ela era uma civil e seria forçado trazê-la de volta e blá blá blá…
          Etão da sim para trazer o Billy de volta, se houver engajamento dos fans, por que não? Não nos esqueçamos também que RE2 surgiu graças a isto.

          • Pedro Ivo Faro

            Exato!
            HUNK e Nicholai, c a queda da Umbrella, teriam 2 fins mais prováveis ou lógicos:
            1 – virariam mercenários pra companhias que produzem BOWs. Ou seja, caras que seriam procurados com todas as forças pela BSAA
            2 – Eles mesmos seriam os bandidos por trás de alguma treta (quem sabe mexendo com BOWs da mesma maneira), o que os deixa, do mesmo jeito, como alvos da BSAA.

            Eles não têm, como disse, “força” pra serem os vilões principais, mas a teriam para serem bons vilões secundários facilmente. Inclusive, que me recorde, Nicholai foi um ótimo vilão secundário no RE3 (ainda que, como tudo no REORC, ele tenha sido meio forçado, mas ali foi meio q um tiro no pé…)

            A respeito de infiltrados, seria legal. Mas se eles em algum momento fossem encontrados, seria importante tomar cuidado pra esse segmento da história n virar um plágio de Metal Gear Solid.

            Natalex e Jake criam muito pano pra manga, mas o problema é: Jake, no fim do RE6, virou um Chuck Norris da vida, metendo surra no Ustanak. Teria que haver algo que não o deixasse tão “overpower” perante Natalex.

            Já o Billy e o Carlos, pra mim, são casos de personagens que sumiram e a gente fica se perguntando “sumiu e não volta mais?” Eu, particularmente, penso que cada personagem que aparece e deixa pontas soltas – caso deles dois, do Raymond, da Jessica, da Natalex… – tem que reaparecer em algum momento da saga. Sheva, por exemplo, meio que teve sua história encerrada no RE5 mesmo, mas o Billy e o Carlos, não. E se querem colocar algum fim pros 2, que seja ao menos num file num próximo jogo, né…

  • Rodrigo Zika!

    Ganchos e o que não faltam, isso deixaram de lado em outros jogos, quero a Natalex no RE 8.

  • Pedro Ivo Faro

    Dos 3, acho o mais provável a Natalex aparecer numa série principal. Não só por carregar algo de um Wesker dentro de si, mas pq num possível RE8, ela seria a vilã ideal.
    A Capcom poderia usar justamente a questão da “dupla personalidade” dela como gancho pra desenvolver um vilão enigmático no decorrer do RE8. Justamente por ela ter, num lado, a personalidade doce e amável, mas imune ao medo da Natália, e do outro, a personalidade maquiavélica e megalomaníaca da Alex, permitiria que o enredo de um RE8 (acho q mais q um possível Revelations 3), criasse mais cliffhangers e, principalmente, mais plot-twists, justamente por em determinado momento Natalex ajudar o jogador estando na personalidade da Natália, ora querer matá-lo por estar na personalidade da Alex

  • Pedro Ivo Faro

    ps: só eu acho que o Raymond faz um cosplay de Iori de KOF?

%d blogueiros gostam disto: