Gravação Proibida Vol.2 é o segundo pacote de DLCs de Resident Evil 7. O conjunto digital traz três novos conteúdos ao jogo: dois episódios curtos de história e um modo inédito de gameplay.

O primeiro adicional de história é a fita VHS “Filhas”, que mostra a noite em que os Bakers foram dominados por Eveline. Já em “21” jogamos uma partida mortal do jogo de cartas contra uma vítima de Lucas. O modo extra de jogo é “Aniversário de 55 anos de Jack”, em que Mia deve passar por vários cenários de Resident Evil 7 infestados por Mofados com o objetivo de trazer comida para empanturrar o paizão.

Filhas

16707450_1202711916444057_4961361014695490436_o

Em “Filhas”, jogamos na perspectiva de Zoe, a filha mais velha dos Bakers. A vita VHS mostra a vida da família pouco antes de serem dominados por Eveline.

Jack, Marguerite, Zoe e Lucas foram uma família aparentemente normal. Jack é um paizão protetor e atencioso, Marguerite realmente gosta de cozinhar (comida de gente normal), Lucas é um jovem adulto meio pé no saco. Zoe é uma moça comum e, aparentemente, a “princesinha do papai”; vemos que ela possui uma ligação forte com Jack.

Durante uma tempestade que assolou a Louisiana, os Bakers ajudam as vítimas da enchente. Uma dessas vítimas é encontrada por Jack: Eveline. Pouco depois de abrigar a menina em casa, Zoe começa a perceber que seus pais apresentam um comportamento violento e bizarro.

“Filhas” mostra nuances do comportamento protetor e amoroso de Jack e da força materna de Marguerite. Algumas cenas são simplesmente de cortar o coração e criam um grande sentimento de empatia por Zoe, algo difícil de acontecer durante a campanha.

A fita é, definitivamente, a melhor parte das DLCs lançadas até o momento. Seu principal defeito é ser curta demais. O gameplay é focado em abordagem furtiva, semelhante ao trecho após o jantar na casa dos Baker. O extra também possui dois finais diferentes, um “verdadeiro” e outro “falso”. Não existe final “bom” ou “ruim”. Ambos são tristes, mas um deles faz uma ponte melhor com a história da campanha. Conseguir o final verdadeiro depende de uma atenção a detalhes e une o gameplay furtivo a um puzzle.

21

16602318_1202711509777431_1627489003154015941_o

Depois de “Feliz Aniversário”, “Pesadelo” e “21”, a maior certeza que temos em Resident Evil 7 é que Clancy é a pessoa mais azarada desse jogo.

A fita é mais uma demonstração do sadismo de Lucas, que encarna ainda mais as referências ao vilão Jigsaw, da série “Jogos Mortais”.

Em 21, você está em uma partida do jogo de cartas contra outra vítima do filho dos Baker. As apostas? Os cinco dedos da sua mão e, claro, sua vida.

O jogo é simples: você inicia a partida com duas cartas de baralho que possuem valores numéricos. Mais cartas podem ser compradas a cada rodada e o objetivo é fazer a sua mão alcançar a soma de 21 pontos ou o mais próximo disso. Caso você passe de 21, é melhor rezar que o seu oponente tenha feito mais pontos do que você.

21 ou Blackjack é um jogo de astúcia (você precisa pensar na probabilidade do somatório de cartas na sua mão e também do oponente) mas também de sorte. Na versão de Resident Evil 7, cada rodada faz o jogador suar frio.

Apesar de ser um modo divertido, 21 não agrega tanto à história e não é tão interessante quanto “Quarto”, também estrelado por Clancy. Os modos de Sobrevivência adicionam mais camadas de desafio, mas não é algo que torne 21 realmente significativo.

Aniversário de 55 anos de Jack

16601897_1202712206444028_8786590753049056104_o

Neste modo extra sem suporte ao PlayStation VR e sem ligação com a história, Mia deve procurar comidas por vários cenários da propriedade dos Baker para empanturrar Jack. Obviamente, os lugares estão infestados por Mofados – usando chapéus elegantes, porque este é um banquete muito especial, você sabia disso, garoto?

Mia deve correr contra o tempo para alimentar Jack enquanto maneja o espaço em seu inventário. Cada prato ocupa um ou dois espaços, mas ela também precisa carregar armas e munição para enfrentar os Mofados festivos.

Aniversário de 55 Anos de Jack é um modo divertido, que lembra um Mercenários ou um Raid Mode debochado. Em fases mais avançadas, fica complicado cumprir os curtos tempos exigidos por ranks mais altos.

No entanto, justamente por parecer com Mercenários ou Raid Mode esta parte da DLC não parece tão legal assim, especialmente ao lembrar que em jogos anteriores nós costumávamos experimentar algo nos mesmos moldes, bem mais encorpado e totalmente de graça.

Vale a pena?

As duas “Gravações Proibidas” de Resident Evil 7 se mostraram boas DLCs. Trazem variedade de estilos de gameplay, mas é inegável que o custo-benefício não é dos melhores.

Os conteúdos são bons, mas curtos demais. Garantem mais algumas horas de gameplay para o jogador por um custo muito alto, cerca de 30 reais cada uma. Quem pagou pela edição Deluxe ou comprou o passe de temporada, desembolsou 90 reais. Mais uma DLC ainda não anunciada deve chegar ao longo do ano para Resident Evil 7, mas espera-se que seja um pouco mais encorpada do que vimos até agora.

Apesar da excelente adição à história que “Filhas” traz, até o momento nenhum dos conteúdos via DLC de Resident Evil 7 se mostraram realmente indispensáveis, seja em aspectos de gameplay ou de trama.

O texto acima reflete a opinião do autor da análise e não do REVIL como um todo. A DLC foi analisada no PlayStation 4 e oferecida pela Capcom do Brasil.

Resident Evil 7 - Gravação Proibida Vol.2
Filhas: conhecemos os Bakers como realmente são; maior empatia por Zoe21: Faz suar frio, mas não garante muitas horas de gameplayAniversário de Jack: um modo Mercenaries "engraçado"
Conteúdos muito curtosPesa no bolsoTorna-se dispensável pelo custo-benefício
6.5Diversão cara
0
  • Gustavo Costa

    Se essa dlc fosse encarada levando em conta o preço praticado pela Steam,ainda seria 6,5?

    • Patty Koztowski

      Para mim não faria diferença apesar de ser mais barato na Steam, ainda sim acho sacanagem ter que pagar por esse conteúdo, que antigamente abriríamos ao termino do jogo!

      • Gustavo Costa

        Não é bem assim.O modo Separate Ways de RE4 foi adicionado apenas na versão de ps2,logo quem tinha gamecube ficava sem.Sem falar nas inúmeras versões de Street Fighter 2 que a Capcom fez,sempre adicionando coisas novas e te obrigando a comprar o mesmo jogo de novo caso quisesse ter mais coisas.DLC no universo de RE tem desde o 5 e é uma prática já muito bem fundada nos jogos,infelizmente as dlcs vieram pra ficar.

  • Leonardo Medici Ceregato

    Deu pra ver que o Lucas nunca se comportou bem na mesa, kkkkkk

    • Patty Koztowski

      Lucas sempre teve comportamento estranho!! Psicopata nato esse dai!

  • Denilson Correa

    pobre Zoe, Eveline vadia. ‘-‘

  • EvaMarie#AllRedEverything

    Também achei um pouco curto considerando os preços, mesmo alguns adicionando alguns momentos para a historia eu sinceramente acho que esses DLCs deveriam estar no jogo principal.

  • Patty Koztowski

    Acho que pelo menos a DLC “Filhas” deveria vir após o termino no jogo na maior dificuldade. Ela faz parte da história, e não é justo pagar para jogar 15 minutos. 21 e o aniversário de Jack poderiam ser DLCs pagas (pq são dispensáveis), mas Filhas não!

  • ratStar

    Concordo em relação ao custo-benefício. E, mesmo eu gostando das Dlcs (ainda não joguei Ethan Must Die e nem o Aniversário de Jack), elas são bem curtas. Deviam estar no pacote como extras, uma característica dos clássicos que a Capcom não fez questão de voltar às origens

  • Luis Felipe Soares

    Também achei curto demais. Acho que essa DLC Daughters poderia ter abordado também diversos trechos dos 3 anos em que os Bakers já estavam infectados e fizeram as diversas vítimas. Poderíamos ver o envelhecimento da Eveline e como a Zoe sobreviveu durante esses três anos.

  • Thiago Gonçalves

    Entendo a nota e faço uma ressalva, Daughters poderia vir mais tarde e ficar como um conteúdo adicional de história mais encorpado e explicativo, Zoe fica fugindo de sua família por três anos, poderia ter mais alguma coisinha sobre essa história. Como eu disse antes, esses conteúdos de DLCs poderiam estar no jogo completo, deixando ele com mais opções de replay e aliviando um pouco os nossos bolsos, a DLC misteriosa, Not a Hero e os modos extras poderiam ser pagos (inclusive Daughters pelos motivos que citei antes). Belíssima análise srta. Lanz, só discordo que essa nota deveria ficar pro primeiro pacote, este é mais divertido do que ele.

  • Rodrigo Zika!

    Concordo com a analise, a DLC da Zoe, deveria ser maior.

    • Say My Name

      A campanha principal de RE7 é que devia ter sido maior além de ter muitos furos no quesito respotas , pois a capcom vacilou nisso além de ter enganado o público antes do lançamento dando notícia que o conteúdo da demo não estária incluso mas na verdade a casa da demo e os personagens da demo são totalmente incluidos no jogo final !!

      • JuanEvil

        Mas os acontecimentos da demo não estão no jogo, os personagens, a casa e a fita sim.

  • Daniel

    Ainda não comprei o season pass do RE7, mas irei por que eu quero jogar principalmente a Bedroom, e Daughters.
    Mas é uma droga que a DLC seja bem curta, ainda acho que essas DLC’s deviam ter sido desbloqueadas ao terminar o jogo na Madhouse. Mas okay Capcom, você precisa da grana.

    • Say My Name

      Só acho que a Capcom fez o RE7 nas pressas pro lançamento e não conseguiram incluir as DLC´s Banned Footage a tempo dentro do jogo principal , porque o que faz mais sentido é essa Daughters ter sido a primeira gameplay de RE7 e depois as com o Clancy , e por fim a campanha do jogo principal , pra no final começar a ter as DLC´s que seria a Not a Hero a unica DLC mais importante.

      • JuanEvil

        Concordo, mas a Daughthers não poderia ser a primeira gameplay porque é recheada de spoilers…

  • cláudio de souza

    Parabéns pela analise.
    Pessoal dêem uma olhada no novo vídeo TAPE 1.26 do RE7 pois ele mostra o seguinte código: -00923D/90066. Esse código refere-se ao mesmo código encontrado na caixa da mídia do RE3 do psone. Detalhe isso aconteceu também no primeiro vídeo TAPE mostrando o código da caixa da mídia do RE2. Logo depois foi noticiado sobre o lançamento do RE2 REMAKE. Será o lançamento do RE3 REMAKE ? O que vocês acham ?

    • Diego Rafael

      Espero que sim. Resident Evil 3 é o melhor jogo da franquia de longe, quero em 1st pessoa, deve ser show, se forem criativos podem até colocar um arco a mais na campanha mostrando a Rebecca também em racoon fugindo do nemesis, e se encontrando com a Jill. Ou simplesmente adicionar algum documento que diga para onde a garota foi nesta época, já que ela está voltando em um filme ai, e ela deve ter certo destaque na volta.

      • Denilson Correa

        foi explicado pra onde ela foi no livro : O incidente de Caliban cove

        • Gustavo Costa

          A série de livros da S.D Perry não é canônica

  • Diego Rafael

    Pessoal, porque reclamam tanto? Os tempos mudaram e a capcom precisa agir de outra forma, manter o interesse no jogo durante um bom tempo é o principal objetivo. Isso ficou bem claro com a entrevista dada pelo produtor do jogo, sobre o rendimento em $$$. Eles querem que daqui a 1 ano RE7 esteja ainda sendo comentado, rendendo boas vendas para a empresa. Não um jogo que tu compra, e em 1 semana já está esquecido no seu hall de jogos. por favor ne gente, menos, não são obrigados a comprar a dlc, a campanha principal ta aí.

    • Pedro da boleia

      não querendo te ofender, mas essa passividade toda é que faz essa política de dlcs aumentarem cada dia mais. se fizessem um boicote monstro, isso aí acabava rapidinho. mas não, geral aceita tudo e ainda acha isso normal e ainda fica bravinho com quem detona essa prática. certo o pessoal de reclamar mesmo e mais corretos ainda seriam se não colaborassem com esse abuso.
      não vou comprar dlc nenhuma, apesar da vontade. já vi o que me interessava no youtube mesmo, que era a dlc daughters e o resto que vá pra puta que o pariu. já terminei o jogo base e pra mim tá ótimo.

      • Rafael

        Concordo com o Pedro, eles querem o nosso $$$

  • Marco Antônio Oliveira

    Sensacional este jogo. Finalmente, a franquia volta a soltar um ar revigorante. A trama é muito envolvente e prende os desfechos até o final. O jogo, que para mim é uma verdadeira homenagem à toda a própria franquia, traz de volta os elementos que cativaram os antigos fãs, com uma abordagem totalmente nova e que ao mesmo tempo deixa-nos sem saber o que há por vir. Referências e mais referências… Uma trilha sonora altamente envolvente, viva, e gráficos maravilhosos. Eu não teria coragem de jogá-lo em realidade virtual por mais de 30 minutos. Pessoas, DLC vieram pra ficar. Reclama de pagar por isso, mas vejo muita gente gastando muito mais que isso em uma única noite de bebedeira… Ou seja: prioridades.

    • Pedro da boleia

      pelo menos a garrafa vem cheia e não pela metade. kkkkk dlc não veio pra ficar, ela ficou porque há pessoas que pagam por tudo que essas empresinhas mercenárias jogam pra cima delas.

%d blogueiros gostam disto: