A campanha viral de Resident Evil 5

 O que é uma campanha viral?

“Campanha Viral” ou “Marketing Viral” é um processo de publicidade que vem sendo utilizado na última década por algumas empresas, no qual o objetivo é, através da internet, tornar uma marca cada vez mais conhecida, semelhante a uma epidemia (daí o nome “viral”). As técnicas mais comuns de uma Campanha Viral é utilizar-se da interação com o público-alvo através de desafios e enigmas, recompensando-o a cada etapa solucionada.

Resident Evil 5 foi o primeiro game na história a realizar uma Campanha Viral. Ela teve início no dia 8 de dezembro de 2008, com a estréia do site de Kijuju, e terminou em 24 de março de 2009, com a liberação dos conteúdos finais da última fase. A campanha era complementada pelo blog “Experience Kijuju” e pelo site japonês da B.S.A.A.. Neste artigo faremos uma análise completa de cada fase e de cada componente da Campanha Viral, que atiçou os fãs da série por vários meses, gerando uma verdadeira mobilização na comunidade fã de Resident Evil.

“They are in Kijuju”

O site de Kijuju continha uma parede rabiscada com a frase “They are in Kijuju” (“Eles estão em Kijuju”) repetida infinitas vezes. O cursor controlava uma vela que iluminava os rabiscos. Entre eles, podiam ser encontradas pequenas e enigmáticas mensagens relacionadas ao jogo, despertando a curiosidade dos visitantes, que estão listadas a seguir:

Wesker is a liar! (Wesker é um mentiroso!)
Progenitor Virus
Sheva knew (Sheva sabia)
Seashell is evil (A “Concha marinha” é maligna)
The Kennedy Report (O Relatório Kennedy)
Raccoon City wasn’t the end (Raccoon City não foi o fim)
Majini
pg67/AW
Where is Ozwell (Onde está Ozwell?)
Flashbacks can’t stop them (Flashbacks não podem detê-los)
Las Plagas

 

Há grandes números em destaque, de 1 a 5. Quando o site entrou no ar pela primeira vez, o único que podia ser acessado era o primeiro número, e os outros foram liberados conforme o tempo passava e o site ganhava mais acessos. Quando se clicava nos números, um papel aparecia na tela e era necessário descobrir uma senha.

Ao se inserir a senha, o acesso a uma nova área era liberado, onde havia, inicialmente, um vídeo que intercalava cenas em live-action e trechos do game em si. Conforme mais visitantes acessavam a página, mais conteúdo era liberado (imagens, wallpapers, panoramas 3D, etc).

Contudo, a recompensa pelos acessos da página não se resumia apenas ao conteúdo liberado – os visitantes que conseguissem mais acessos compartilhando o site de Kijuju teriam seus nomes numa página especial do manual do game e estariam na “Wall of fame” (Parede da fama), no próprio site.

 

 

Confira a seguir como foram as cinco fases do Viral de Kijuju.

Primeira Fase

 

Liberada em: 8 de Dezembro de 2008
Senha: refinery
Foco: Popocarim
Panorama 3D: Clique aqui para baixar (é necessário ter o programa QuickTime para visualizá-lo corretamente)
Imagens:

    

Wallpapers:

  

Vídeo: Cerimony (Cerimônia)

Através deste primeiro vídeo, somos apresentados à história posterior a Resident Evil 5. Apesar de que com ele descobrimos que Chris e Sheva sobrevivem no fim do game, os fãs ficaram eufóricos em relação ao trauma que o quinto Resident Evil causou no protagonista, aumentando ainda mais a nossa expectativa sobre o jogo.

No vídeo, Chris recebe um prêmio pela missão bem-sucedida de Kijuju, com Sheva também no local para prestigiá-lo. No entanto, o personagem começa a ter alucinações no meio do seu discurso e relembra momentos de tensão que enfrentou em sua missão.

Além do vídeo, há uma página com uma entrevista com Jun Takeuchi, o produtor executivo do jogo, no estilo Q&A (“Questions & Answers”), sobre o Popocarim.

1. Conte-nos sobre as características do Popocarim.
Nós tentamos trazer algo baseado numa criatura africana, e usamos um morcego como base. Um chefe com ambas as habilidades aérea e térrea é o que tínhamos em mente.

2. Quanto tempo demorou para desenhá-lo?
Demoramos de duas e três semanas para produzir o seu design grosseiro. Refiná-lo e modelá-lo tomou cerca de um mês. Então obtivemos um semi-design, que pudemos retocar conforme o tempo nos permitiu.

3. Qual é o nível de dificuldade do Popocarim?
O nível de dificuldade do Popocarim está no mesmo nível que a Yawn de Resident Evil 1 perante as outras batalhas de Chris. Na verdade, uma vez que Chris passará um bom tempo lutando contra o chefe, mesmo com uma parceira, o Popocarim pode ser muito mais forte que a Yawn.

4. O Popocarim é parecido com um chefe que apareceu em Resident Evil: The Umbrella Chronicles, só que de uma forma mais mutada. Isso se deve às diferenças entre o T-Virus e a Plaga?
Não, as diferenças não são um resultado do Las Plagas. O Popocarim é uma B.O.W. (arma bio-orgânica) desenvolvida pela Tricell.

5. Qual foi o foco ao desenvolver o Popocarim no sistema de cooperação?
Nosso objetivo era criar um chefe que precisasse da cooperação de dois parceiros para ser derrotado. Você irá tomar uma surra se enfrentá-lo sozinho, e mesmo o trabalho individual de duas pessoas não seria o bastante. O jogo requer várias estratégias, e o gameplay muda dramaticamente dependendo das suas armas e da posição dos jogadores. O seu parceiro irá contribuir para desenvolver uma experiência totalmente nova de jogo. Essa magia do modo cooperativo pode ser claramente sentida e experimentada ao enfrentar este chefe.

Segunda Fase

Liberada em: 14 de Janeiro de 2009
Senha: plagas
Foco: Monstro marinho
Panorama 3D: Clique aqui para baixar (é necessário ter o programa QuickTime para visualizá-lo corretamente)
Imagens:

   

Wallpapers:

  

Vídeo: Date (Encontro)

Na segunda fase do Viral, o vídeo mostra uma situação um tanto quanto inusitada: Chris no meio de um encontro, bebendo e paquerando uma garota asiática. Evidentemente, nem tudo são flores, pois repentinamente o protagonista começa a sofrer novamente as alucinações com Kijuju. É o “medo que você não esquece”.

O conteúdo extra desta fase é um Screensaver do game que mostra alguns corvos voando, alternando algumas vezes para uma rápida tela com os rabiscos de Kijuju. Há depois algumas cenas do game. Clique na imagem abaixo para baixá-lo.

 

Terceira Fase

 

Liberada em: 30 de Janeiro de 2009
Senha: badlands
Foco: Ndesu
Panorama 3D: Clique aqui para baixar (é necessário ter o programa QuickTime para visualizá-lo corretamente)
Imagens:

   

Wallpapers:

  

Vídeo: Claire

Através deste vídeo, podemos saber uma coisa que os fãs se questionavam há muito tempo: o paradeiro de Claire. Apesar do vídeo se mostrar ainda um pouco vago em relação a isso, tudo indica que a moça resolveu seguir o caminho do irmão na luta contra o bioterrorismo e que talvez tenha se juntado à B.S.A.A.

Como já é de se esperar, a ação do treinamento traz as lembranças de Chris à tona mais uma vez. Assim como na primeira fase, nesta há outra folha de perguntas e respostas, desta vez com Marcus Nispel, diretor dos vídeos virais.

1. Porque você decidiu dar uma pausa na direção de filmes para fazer um projeto online como esse?
Marcus: Oh, eu não sinto como se estivesse parado de fazer filmes, porque este é tão filme quanto qualquer outro. É um excelente produto de propaganda, pois é entretenimento e diversão. Entende? Você não tem que vender detergente ou fraldas aqui. É algo a que todos gostamos de assistir. E, definitivamente, as gravações que tivemos pareciam mais como as filmagens de um filme tradicional do que as de um comercial. Não importa apenas o tema, mas sim todo o trabalho que tivemos para realizá-lo.

2. Que parte da história de Chris Redfield foi pra você a mais interessante?
Marcus: Bem, na verdade é o conjunto. Se você faz um filme, há diferentes cenas e todas elas compõem o longa. Todas são importantes. Algumas contam mais sobre o lado alegre do Chris, outras de seu lado sombrio. Algumas são mais rápidas, outras mais lentas. Este é um meio totalmente novo de propaganda, onde tudo isso é liberado com o decorrer do tempo. Mas, dramaticamente, você ainda tem os seus altos e baixos. Digo, obviamente, a minha parte favorita é filmar a ação, onde podemos brincar com as armas grandes [risos].

3. O que te inspirou a usar vídeo em vez de filme?
Marcus: Eu realmente esperei para fazer isso porque é o projeto perfeito pra mim, não somente por usar novas mídias, mas também por usar as novas câmeras que estão por aí. Quando as pessoas me procuram, elas geralmente estão interessadas nos meus filmes em 35mm, então eu raramente tenho a oportunidade de filmar algo digitalmente. Portanto, eu realmente me diverti e adorei, pois era o projeto certo para isso. Você sabe o que falam sobre fimar em digital, que talvez as imagens sejam pouco polidas e frias, e que não têm muita profundidade. Mas eu imaginei que, se você quer fazer algo sombrio, você pode realmente filmar assim. E se você se preocupa com a atmosfera, que é um quesito muito importante, então será o veículo perfeito para experimentar. Se você quer fazer um comercial de maquiagem com uma supermodelo, eu prefiro passar bem longe disso. Mas, para este tipo de projeto, foi perfeito. Agora, olhando pro resultado, eu penso “Eu quero filmar o meu próximo projeto dessa forma”. Fiquei felizmente surpreso por isso.

4. Houve alguma complicação por trás das cenas durante as filmagens?
Marcus: Bem, é claro que sempre há alguma. Nós estávamos filmando de baixo de uma ponte para parecer que estávamos em uma grande área militar ou instalação do governo, mas era realmente de baixo de uma ponte no rio de Los Angeles. Então, próximo a nós, estava uma fábrica de pneus, que começou a calibrá-los com um tipo novo de máquina. Eu filmo há anos, e isso nunca aconteceu comigo antes. Foi tão barulhento que os atores mal podiam me entender, e gravar as suas vozes foi uma dor de cabeça. Felizmente, nós não precisamos buscá-los para uma redublagem. Nós tivemos sorte e conseguimos ótimos takes durante o horário de almoço da fábrica. Funcionou, como sempre.

5. Foi mais fácil ou mais difícil contar uma história em 2 ou 3 minutos do que em 90 ou 120?
Marcus: Para ser sincero, nós não contamos a história inteira – para isso, você terá que comprar e jogar o game. Mas, para as cenas que filmamos, sempre estivemos preocupados com problemas como não ter tempo o suficiente… [risos] Mas, novamente, com este tipo de câmera, que não exige trilhos e são fáceis de carregar, foi de grande ajuda. Sem essas câmeras, não teríamos conseguido fazer nada disso em um período de tempo tão curto.

6. Você sente que a sua visão geral foi alcançada?
Marcus: Bem, eu sou um turista por aqui. Um jogo foi feito. Quando eu mostrei o game para o departamento de câmera, eu disse “Esse é o visual que eu quero capturar”, não apenas porque eu precisava, mas sim porque eu realmente queria. Este jogo parece ser uma produção bem maior do que os outros, então foi uma direção fácil de acompanhar. De fato, acredito que o nosso trabalho era criar um elo com o que já estava feito, e não desapontar ou preocupar os fãs tentando construir algo aleatório.

7. Quanto tempo levou para filmar cada episódio?
Marcus: Acho que nós tivemos que fazer dois episódios por dia: um antes do almoço e um depois. Nós fomos abençoados com atores que puderam realizar isso, e também atores excepcionais. Quando eu assisti aos vídeos pela primeira vez intercalando com o jogo, eu pude realmente acreditar que eles eram os personagens. Todos que jogam o game têm uma percepção de como é cada personagem ou como eles devem parecer em um filme, mas eu fiquei muito feliz com a experiência. Para mim, e para este tipo de produto e propaganda – um anárquico – foi algo muito divertido. Eu também tentei manter um ritmo muito rápido de filmagem. Acredito que os atores gostem disso, porque eles precisam ficar sempre no ambiente, e para mim o ambiente é muito importante – você não pode ser interrompido. No começo eles sempre falam que, quando você grava, parece que não vai virar nada, mas depois tudo acaba dando certo de alguma forma. Eu escuto essas histórias e penso que, você sabe, um dia é tudo o que conseguimos. Não é como se nós nos encontrássemos com o pessoal e após uma semana atingíssemos a velocidade máxima – é preciso estar em velocidade máxima desde o começo.

Quarta Fase

Liberada em: 18 de Fevereiro de 2009

Senha: TEMPLE
Foco: Uroboros
Panorama 3D: Clique aqui para baixar (é necessário ter o programa QuickTime para visualizá-lo corretamente)
Imagens:

   

Wallpapers:

  

Vídeo: Bridge (Ponte)


 

Quinta Fase

 

Liberada em: 10 de Março de 2009
Senha: TRICELL
Foco: Lickers
Panorama 3D: Clique aqui para baixar (é necessário ter o programa QuickTime para visualizá-lo corretamente)
Imagens:

   

Wallpapers: Não foram liberados Wallpapers nesta fase.

Vídeo: Back (Volta)

No último vídeo da série de Virais, considerado por muitos como o melhor, Chris reflete sobre sua situação traumática mais uma vez, quando se lembra dos acontecimentos de Resident Evil 5. Nas cenas do game, são mostradas lutas contra alguns inimigos e contra a misteriosa mulher mascarada.

Neste momento, Sheva aparece e salva Chris do que parecia ser outra circunstância suicida do rapaz. Só então Chris parece se recompor, pois há uma nova missão a sua espera. Sheva se mostra surpresa com a decadência do local onde Chris está, com as mensagens de Kijuju rabiscadas em todo o lugar. O protagonista finaliza o vídeo deixando um incrível gostinho de quero mais, concluindo: “Felizmente, a melhor maneira de se livrar de lembranças antigas… é obtendo novas”.

O conteúdo extra da última fase é outro Screensaver. Desta vez, os rabiscos de Kijuju começam a se formar, conforme algumas imagens do game aparecem, incluindo personagens e inimigos. Ao final, os rabiscos constroem a silhueta de um grupo de Lickers. Clique na imagem a seguir para baixá-lo.

 

Making Of

Os vídeos virais foram uma experiência totalmente inovadora, não somente para os fãs da série, mas para a comunidade gamer inteira que esperava pelo jogo. Pouquíssimos games já utilizaram atores para construir cenas em live action, seja para cutscenes ou propagandas. Figurando nesta curta lista, temos o próprio Resident Evil 1 e sua clássica abertura cafona. Ainda, Resident Evil 2 também utilizou atores para propagandas exibidas na televisão, estas sendo dirigidas pelo mestre do terror George A. Romero (diretor do filme A Noite dos Mortos Vivos e de muitos outros filmes de zumbis). 

Os vídeos da Campanha Viral foram dirigidos por Marcus Nispel, veterano em filmes de terror e suspense. Marcus dirigiu longas de sucesso como Sexta-feira 13 e o remake d’O Massacre da Serra Elétrica. Na direção dos vídeos virais, ele sempre frisou a abertura que foi lhe dada para usar câmeras de mão, uma de suas principais motivações para o projeto, e o seu fascínio pelo jogo de luz e sombra presente em Resident Evil 5, algo que ele esteve ansioso para transportar para as câmeras.

Descubra a seguir um pouco mais sobre os principais atores que deram vida aos personagens da série que marcaram presença nos virais.

William Patrick Lupardus

 Will Lupardus interpreta o protagonista Christopher “Chris” Redfield. O ator nasceu em Tulsa, no estado de Oklahoma (EUA), onde se formou em jornalismo e estudou cinema e arte. Quando Will se mudou para Los Angeles, na Califórnia, atuou em algumas produções independentes, como “Little boys” e “Westsider”, mas o seu filme mais famoso foi o thriller sensual “Cold Heart Canyon”. No entanto, nenhum destes longas veio para o Brasil.

Naja Hill

Incrivelmente parecida com Sheva Alomar nos virais, Naja Hill é uma atriz e modelo que vive atualmente na cidade de Nova Iorque. Ela concluiu o ensino superior na Universidade de Minnesota e já fez pequenas participações em famosas séries norte-americanas, como CSI: Miami, Medium e Nip/Tuck. O seu próximo filme é “Open House”, onde atua ao lado de grandes estrelas como Anna Paquin e Stephen Moyer (os protagonistas da série True Blood).

Rebekah James

 A bela atriz que interpreta Claire Redfield mora atualmente em Los Angeles e é realmente uma mulher de muitos talentos: além de atuar, ela também é modelo e repórter. Atualmente, Rebekah trabalha no Stylit.tv, um site dedicado a moda, tecnologia e celebridades, já tendo entrevistado algumas estrelas de Hollywood, como Megan Fox. Já fez pequenas participações em filmes como “Life with Fiona” e séries como “Mortal Kombat: Conquest” e “General Hospital”.

 

Viral Japonês

Ao mesmo tempo em que acontecia a Campanha Viral do site de Kijuju, havia também um hotsite japonês que simulava um computador da B.S.A.A. O site não era tão interativo quanto o de Kijuju, mas sempre era atualizado com arquivos relacionados ao game, como relatórios sobre Ricardo Irving, sobre os vírus, os cartões de trabalho dos personagens, imagens de armas, veículos e de algumas localizações do jogo.

 

Veja abaixo algumas das imagens dos arquivos que foram divulgados ao longo do tempo através do site, e veja as imagens das armas e veículos em nossa galeria através deste link.

         

Experience Kijuju

Este blog é escrito por Adam, um personagem fictício que vive em Kijuju. Ele não está realmente no game, mas oferece informações muito interessantes sobre a cidade e sobre alguns personagens (como Allyson, Reynard Fisher e até mesmo Chris e Sheva) e vilões do jogo (o homem com megafone, Adjules, Executioner, etc), desde os bons tempos de Kijuju até a época em que o caos toma conta da região devido à infecção parasita.

O estilo do texto se assemelha aos clássicos diários que sempre estiveram presentes na série e, dessa forma, fecha o grupo de componentes da Campanha Viral de Resident Evil 5. Clique aqui para conferir a tradução na íntegra de cada post feito por Adam.

 

Créditos

Escrito por: Eric Aguiar (Dunkel)
Publicado em: 29/10/2009

%d blogueiros gostam disto: