A Netflix confirmou oficialmente que está desenvolvendo uma série live action de Resident Evil em parceria com a Contantin Film. Por meio de um tweet em uma conta destinada ao mundo geek, a plataforma de streaming divulgou uma foto com uma pequena sinopse que é, no mínimo, intrigante. “Quando as crianças Wesker se mudam para uma Nova Raccoon City, os segredos que eles descobrem podem representar o fim de tudo. Resident Evil, uma nova série live action baseada na franquia legendária de sobrevivência ao terror da Capcom, está chegando na Netflix.”

Em um novo tweet, a plataforma de streaming diz que a primeira temporada terá 8 episódios com 1 hora de duração cada, com direção de Andrew Dabb (Supernatural), mas Bronwen Hughes (The Walking Dead, The Journey Is the Destination) será a principal responsável pelos dois primeiros episódios.

No site oficial da franquia, a Capcom deu mais detalhes sobre o live action e diz que a história correrá em dois arcos temporais. Na primeira delas (um passado), a história gira em torno de duas irmãs, Jade Wesker e Billie Wesker, de 14 anos, que se mudaram recentemente para a Nova Raccoon City. As irmãs Wesker vivem uma vida normal, até que começam a perceber que a realidade da cidade não é bem aquela e acham que o seu pai esconde algo. E esse algo é o que aparentemente levará o mundo à ruína.

O segundo arco temporal se passa no futuro, depois de mais de dez anos desse início. Existem menos de 15 milhões de “humanos” no planeta. Mais de 6 bilhões, entre humanos e animais, vão estar infectados pelo T-vírus. Nesse novo mundo, Jade, já com 30 anos, lutará pela sobrevivência enquanto enfrenta o seu próprio passado com os mistérios dela, da irmã e do pai.

O desenvolvimento de uma série live action de Resident Evil já era especulada a anos. Há seis meses, o site brasileiro Resident Evil Database conseguiu encontrar a informação sobre a novidade em um banco de informações da própria Netflix, com direito a uma sinopse (que pode se referir ao segundo arco da história):

“A cidade de Clearfield, no estado americano de Maryland, há muito vive sob a sombra de três entidades aparentemente desconexas: a Umbrella Corporation, o já desativado Greenwood Asylum e a capital federal, Washington. Agora, vinte e seis anos após a descoberta do T-Vírus, os segredos mantidos pelo trio começam a ser vir à tona, com os primeiros sinais da epidemia”.

Um outro detalhe que chama a atenção é essa história das crianças Wesker. Há cerca de dois anos atrás, dois envolvidos na produção de Resident Evil 2 Remake conversaram com um site italiano sobre o assunto e já tinham deixado uma brecha para um futuro dessa questão. “Sobre o restante da história e o projeto das crianças Wesker e suas implicações, sim, poderíamos pensar em algo, mas você vai precisar esperar o jogo completo para ver por si mesmo o que pode acontecer”, disseram Kazunori Kadoi e Tsuyoshi Kanda. Em RE2 não rolou, mas e se eles já se referiam à série?

Com nomes de PESO, talvez dê bom aos fãs da franquia Resident Evil. E o lançamento pode estar mais perto do que os fãs imaginam, já que a série já foi inclusive listada na Netflix – ative o lembrete para saber novidades.

*Esta notícia sofreu diversas atualizações desde que a primeira informação foi divulgada na internet.

%d blogueiros gostam disto: