OBJECTION! Aposto que os jogadores já escutaram esse grito em algum lugar antes, seja em eventos ou com alguém experimentando essa franquia tão icônica da Capcom. Muitos acham que a empresa consegue viver somente de Resident Evil, Devil May Cry e Street Fighter… PORÉM, lá no Japão, a Capcom chama a atenção do público com outro game muito bem conhecido, e que agora vem para a nova geração dos consoles para mostrar seu valor. Estamos falando da franquia Ace Attorney!

O jogo é conhecido no Japão como Gyakuten Saiban e traz um gênero point-and-click em visual novel – esse é seu maior diferencial, com enredo contando as histórias mais inusitadas possíveis. Essa trilogia já estava disponível para Nintendo 3DS e sistemas iOS e Android, e é a primeira vez que teremos os três principais games da franquia para consoles de mesa e PC. É claro que o REVIL teve a oportunidade de testar como tudo isso ficou. Segue sinopse oficial do game:

Defenda os inocentes e salve o dia! O herói dos tribunais Phoenix Wright volta às origens com a chegada de Phoenix Wright: Ace Attorney Trilogy às plataformas atuais, incluindo versões remasterizadas de Phoenix Wright: Ace Attorney, Phoenix Wright: Ace Attorney – Justice For All e Phoenix Wright: Ace Attorney – Trials and Tribulations. Curta a trilogia original com gráficos redesenhados em alta resolução. Junte-se ao advogado de defesa novato Phoenix Wright e acompanhe o início de sua carreira em sua busca pela verdade em todos os casos clássicos! Prepare-se para embates dramáticos nos tribunais, com investigações de cenas de crimes, coleta de provas e interrogatórios de testemunhas. Use as provas e os testemunhos como suas armas para defender a inocência dos seus clientes. Somente um veredicto perfeito de inocente servirá neste tribunal. Encontre as contradições nos depoimentos das testemunhas para desvendar a verdade!

HOLD IT!

Um aviso: o texto a partir daqui contém SPOILERS inevitáveis sobre os games da trilogia – o que inclui também detalhes específicos sobre o universo de Ace Attorney! As datas de lançamentos aqui informadas se referem ao mercado japonês, o principal mercado da franquia.

As origens do advogado de terno azul

Tudo começa em Phoenix Wright: Ace Attorney

O primeiro jogo da franquia foi lançado para GameBoy Advance em 2001. Em 2005, o título ganhou um remake para Nintendo DS. Conta a história de Fênix Veríssimo Phoenix Wright, um advogado novato (e aparentemente criminalista) que iniciou sua carreira e está desesperado em sua estreia nos tribunais. O caso que ele assume envolve defender seu atrapalhado amigo de infância, Larry Butz, que está sendo acusado de assassinar sua “ex-namorada” (foco nas aspas) Cindy Stone. O jovem advogado sofre nas mãos do promotor de justiça Winston Payne (conhecido por ser o “exterminador de novatos”), mas com a ajuda de sua mentora, Mia Fey (e dona do escritório de advocacia onde trabalha), e de seus blefes para ganhar tempo, Wright consegue o veredito de “INOCENTE” para o cliente e tudo termina bem.

Só que essa paz não dura muito tempo, já que sua amiga e chefe Mia é brutalmente assassinada – e a acusada é ninguém menos que Maya Fey, a irmã caçula da vítima que é encontrada no local do crime. Wright se oferece para defender a garota, mas seus problemas só estão começando: desta vez, o novo promotor de justiça que o encara no tribunal é seu antigo amigo de infância, Miles Edgeworth, conhecido por conseguir a todo custo (inclusive com métodos nada ortodoxos) o veredito de “CULPADO“.

Durante o julgamento, Wright fica desesperado e acaba desmaiando… ao acordar, ele vê sua antiga colega, Mia Fey, nas vestes da pequena Maya. Ele descobre que a família Fey tem conhecimentos místicos e a capacidade de executar canalizações espirituais. Wright passa a contar com o apoio da falecida Mia e consegue derrotar o “invencível” Edgeworth, inocentando a pequena Maya.

O enredo se desenrola com Wright crescendo como advogado e defendendo vários acusados de homicídio com a ajuda de Maya. Ele, inclusive, enfrenta novamente seu amigo e rival Edgeworth, tudo com pitadas de humor (em particular com o atrapalhado detetive de polícia Dick Gumshoe), drama, suspense e o misticismo da família Fey.
O diferencial dessa versão é um caso EXTRA. Nomeado como Rise From the Ashes, essa “missão” conta com a defesa de Wright na história de Lana Syke, acusada de assassinar Bruce Goodman. Wright recebe a ajuda da irmã caçula de sua cliente, a pequena Ema Skye. Este caso foi adicionado no remake de DS (e versões posteriores) e utiliza os recursos do portátil, como a touch screen e microfone – espero que ao menos um desses recursos tenha sido mantida na versão do Nintendo Switch da trilogia.O segundo jogo da franquia é Phoenix Wright: Ace Attorney – Justicer For All. Lançado originalmente para GameBoy Advance em 2002 – e com um remake para Nintendo DS em 2006 – a história se passa meses depois dos acontecimentos do caso extra Rise From the Ashes. O advogado de cabelo espetado e icônico terno azul está cochilando enquanto aguarda o próximo julgamento – Maggey Byrde (crush do nosso querido e bobalhão detetive de polícia Dick Gumshoe) está sendo acusada de ter assassinado Dustin Prince.

Wright acaba tendo um bizarro pesadelo e acorda depois de levar uma pancada de extintor de incêndio na sua cabeça, o que faz o personagem perder parte da memória (o que serve de um interessante gatilho para o tutorial do game, onde Wright reaprende o básico). Apesar de tudo, o advogado consegue salvar sua cliente com um veredito de “INOCENTE“.

Só que Wright nunca tem descanso: logo em seguida, durante uma visita ao vilarejo de sua amiga Maya Fey, a pobre garota novamente é acusada de cometer um assassinato e cabe ao advogado “Velvet Suit” salvá-la novamente. Desta vez ele tem a ajuda de Pearl Fey, prima de Maya, que no meio da investigação mostra mais do lado místico dos Feys – a Magatama, um amuleto que Wright recebe, “sabe” quando alguém está mentindo ou omitindo fatos e revela cadeados espirituais (chamados Psyche-Locks) que cercam a pessoa de acordo com o grau de mentira/omissão. Dois cadeados são fatos simples, já CINCO são eventos gravíssimos. Essa vira uma característica importante – quase como uma marca registrada de Wright – nos jogos posteriores da franquia.

Phoenix Wright agora tem uma nova adversária nos tribunais: a promotora de justiça Franziska Von Karma, filha do antigo tutor de Miles Edgeworth, também seu amigo de infância. Ela consegue ser pior do que o pai ao tentar obter a qualquer custo o veredito de “CULPADO” nem que seja na base da chicotada (literalmente). O enredo é focado na Magatama que Wright recebeu e sua relação com as pequenas Fey e a promotora Franziska Von Karma.O terceiro jogo da franquia, Phoenix Wright: Ace Attorney – Trials & Tribulations, foi lançado para GameBoy Advance em 2004 e com tem um remake para Nintendo DS (2007). O título tem um começo diferente – o prólogo é um flashback do qual Mia ainda era uma advogada novata e o seu cliente era ninguém menos que o próprio Phoenix Wright ainda adolescente! Este game foca no passado da finada advogada, mentora de Wright, e seu antigo colega Diego Armando, vítima de Dahlia Hawthorne – vilã exposta logo no prólogo.

Voltando ao presente, Wright continua atuando como advogado criminalista e desta vez enfrenta o misterioso promotor Godot, que utiliza uma estanha viseira vermelha (qualquer semelhança com o Ciclope de X-Men é mera coincidência).Viciado em café e com um certo rancor contra Wright, Godot mostra ser um competente promotor, confrontando o nosso advogado do terno azul o jogo inteiro além de possuir a melhor música tema da franquia. O terceiro título da franquia também fecha o arco dos Feys, explicando tudo sobre Mia, Maya e até mesmo Pearl. A Magatama de Wright continua sendo um elemento forte na trama, com muitos Psyche-Locks.

Os detalhes do tribunal

Toda a essência da franquia Ace Attorney pode ser vivida em dois momentos praticamente simples: investigar e defender – e é isso que torna a franquia completa. A necessidade de investigar a fundo uma cena de crime, achando evidencias e pistas sobre o que realmente aconteceu, te deixa cada vez mais envolvido na história de cada caso e dos personagens. Isso não mudou em nada nessa trilogia!

Mas a parte mais importante presente em todos os jogos da franquia é a interação – que acontece com clássicos balões de fala. Os personagens cativantes e suas histórias trazem uma sensação muito boa. Até mesmo quem já teve acesso aos títulos dessa nova coletânea, com certeza terá a impressão de estar jogando “pela primeira vez”. Já para os novatos, de fato, é preciso ficar atento a cada reação, cada gesto e cada resposta – tudo isso é crucial para entender o que de fato aconteceu entre os casos.

Phoenix Wright: Ace Attorney Trilogy tem uma importante adição que os desenvolvedores da Capcom conseguiram entregar com muito cuidado para um port desse gênero: os gráficos! As imagens estão totalmente polidas e sem travamentos, sendo possível ver ainda mais as expressões e detalhes em cada animação. O jogo fica mais ao estilo “cartoon”, o que combina totalmente com o que é apresentado em cada título da franquia.

As soundtracks aqui se dividem: algumas tiveram uma leve mudança (deixando alguns tons da OST moderados, sem exagero nos volumes) e outras não, deixando uma pitada de nostalgia tanto para os fãs mais antigos quanto para os mais novos – há um tom clássico que traz um charme inegável. Os sons ambientes também deixam qualquer caso ainda mais intrigante. A trilha sonora mais completa dentro do jogo é de Phoenix Wright: Ace Attorney – Trials & Tribulations.

ALÉM DA TRILOGIA: O universo de Ace Attorney em jogos

A franquia Ace Attorney é considerada bem grande pela Capcom e é mais popular no Japão. Vai além dos três títulos presentes em Phoenix Wright: Ace Attorney Trilogy. Há mais games disponíveis para expandir ainda mais a história principal e até explicar detalhes específicos dela.Apollo Justice: Ace Attorney é um exemplo. O quarto game da franquia chegou primeiro no Nintendo DS em 2007 e foi lançando posteriormente para Nintendo 3DS, sistema iOS e Android. Esse game entra para o enredo principal da franquia, mesmo tendo uma mudança no protagonista, que agora é Apollo Justice.

O jogo tem quatro casos e nos apresenta, além do Apollo, a personagem Trucy Wright (pelo sobrenome já dá pra perceber que ela será super importante em toda a trama do game). Acontecem aqui algumas mudanças na jogabilidade, já que o título começa a ficar mais interativo, fazendo com que o jogador verifique a fundo cada cena de crime e evidências.Phoenix Wright: Ace Attorney – Dual Destinies é o quinto game lançado da franquia. Chegou ao Nintendo 3DS em 2013 e foi posteriormente lançado para sistemas iOS e Android. Ele passa muitos anos desde os acontecimentos da trilogia original (alguns meses após o quarto game Apollo Justice, com Wright recuperando sua licença para voltar a advogar).

A justiça está “vivendo a sua idade das trevas”, onde as pessoas já não confiam mais nas cortes e tribunais, devido aos eventos controversos dos últimos sete anos (último caso de AA4, Turnabout Succession e UR-1 Incident, que é o tema central deste game). Advogados e promotores passaram a usar métodos nada controversos para obter “sucesso”, mas a agência de advocacia Wright Anything Agency não vai ficar parada!

Phoenix Wright com sua equipe de advogados Apollo Justice (protagonista do game anterior) e Athena Cykes (nova personagem e pupila de Wright) enfrentam o promotor Simon Blackquill em vários casos para a justiça voltar a ser… bem “justa”. O charme de cada advogado jogável são as suas habilidades exclusivas: Wright usa a Magatama para desvendar mentiras e omissões, Apollo usa seu bracelete para ativar o Perceive e identificar “tiques” que condenem o nervosismo da pessoas e Athena usa seu “Mood Matrix”, aparelho que lhe permite identificar as verdadeiras emoções das pessoas com base em sua voz.Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice é o sexto e até então mais recente game lançado da franquia. Chegou ao Nintendo 3DS e sistemas iOS e Android em 2016.

O jogo tem seis casos no total, sendo dividido em dois cenários e dois protagonistas diferentes. O primeiro eles, nosso famoso advogado Phoenix Wright, teve que viajar para uma nação não muito conhecida, o Reino Khura’in. Sua antiga, fiel amiga e assistente May Fey está terminando seu treinamento para se tornar uma médium completa, como a tradição da sua família pede. Phoenix e Maya precisam se unir novamente.

Já com o protagonista Apollo Justice, também conhecido na franquia, temos como cenário de Los Angeles, onde ele e sua amiga, Athena Cykes, ficam responsáveis por cuidar da agência de Phoenix em sua ausência – os dois resolvem casos bem malucos. A jogabilidade continua a mesma que do jogo anterior, mas o mais legal desse game é a volta de muitos personagens conhecidos da franquia que não eram vistos desde o terceiro título.

Alguns spin-offs, considerados cronológicos, também foram lançados, mas a maioria deles ficou menos conhecida do que a franquia principal, devido sua “exclusividade” e por não ter tido um tratamento para ser lançado no Ocidente – com localização para o inglês. Mas isso não os torna indispensáveis.Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth foi lançado em 2008 para Nintendo DS e tem outra mudança de protagonista na franquia: dessa vez, o jogador controla o promotor Miles Edgeworth, que volta a ação alguns meses depois dos acontecimentos de Trials & Tribulations.

Aqui o jogador conhece muitos personagens novos, como a Kay Faraday, uma moça que promete ser o ponto chave desse game e em seu sucessor que falaremos mais tarde. O título traz uma nova cara para a franquia, pois temos uma interação maior com os cenários, que estão totalmente em 3D: o jogador pode andar por tudo para investigar e interagir com os personagens.

Um dos principais trunfos de Miles e que o jogador terá que usar para avançar no game é Logic, e como já diz o nome, todas as informações reunidas durante a investigação terão que ser ligadas por uma linha de raciocínio lógico para determinar o que realmente aconteceu.Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth 2 é o segundo game com o protagonista Miles Edgeworth. Foi lançado somente no Japão em 2011 para Nintendo DS e posteriormente para os sistemas iOS e Android.

No jogo, o promotor mais temido dos tribunais será totalmente testado, já que ele terá a oportunidade de realmente ver como a justiça funciona e se está certo sobre seu caminho como promotor. Além disso, ele continua com a ajuda de Kay Faraday, de Dick Gumshoe e do novo personagem Raymond Shields, antigo aprendiz e parceiro de Gregory Edgeworth, pai de Miles. Miles tem a oportunidade de rever o último caso em que seu pai trabalhou e finalmente descobrir toda a verdade por trás dos acontecimentos.

O game possui cinco casos e a mesma jogabilidade mantida do primeiro Investigations. Há, no entanto, um extra: o minigame Chess Logic que, como o nome já diz, faz o jogador criar uma lógica com as informações que já possui para “atacar” uma testemunha e descobrir se ela está dizendo a verdade ou não. Infelizmente, esse é um dos muitos títulos da franquia que não chegou ao ocidente.
Além desses jogos, temos dois títulos prólogos para a história principal. Eles são chamados de The Great Ace Attorney e foram lançados para Nintendo 3DS. Contam a história do antecessor de Phoenix Wright, o advogado de defesa Ryunosuke Naruhodo, que faz todo seu trabalho de defesa na época do Japão medieval sem nenhuma tecnologia disponível – ele conta somente com sua intuição e poder de investigação.

Phoenix Wright aparece em outras franquias da Capcom, já que ele é o advogado mais querido de todos! Um dos jogos é Marvel Vs. Capcom 3 – isso mesmo, Phoenix vira um lutador que tentamos utilizar! Ele tem a jogabilidade mais diferente nesse gênero de game, usando apenas algumas evidências achadas aleatoriamente no chão para atacar o adversário (sim, por incrível que pareça, isso é possível). Isso acaba tornando a jogatina bem divertida e é possível usar também personagens de Resident Evil entre o seu “time”: Jill Valentine, Chris Redfield, Albert Wesker e Nemesis.Outro jogo, digamos, “alternativo” é Professor Layton vs. Phoenix Wright: Ace Attorney, lançado em 2012 no Japão para Nintendo 3DS. É um total crossover entre essas duas franquias de sucesso, resultando em um game cheio de puzzles e tribunais.

Ace Attorney e o Mundo

Além do sucesso que a franquia faz no mundo dos games, Ace Attorney acabou atravessando tudo e se transformando em vários tipos de entretenimento. Há um anime, inclusive, que conta toda a história da trilogia. Chamado de Gyakuten Saiban: Sono “Shinjitsu” Igiari, já tem duas temporadas com detalhes de tudo o que aconteceu nos entre os três títulos numerados da franquia. Além disso, entre um caso e outro, episódios especiais contam mais sobre o passado dos personagens principais, como a infância de Phoenix e Miles. Há também um caso especial que coloca os personagens de Dino Crisis, outra franquia da Capcom, junto com os personagens de Ace Attorney – sendo um crossover imperdível!Uma atração bem visitada no Japão é o café temático da Capcom, que tem um espaço e cardápio especial inspirado nas situações mais inusitadas vistas em Ace Attorney, ao ladinho do nosso querido Resident Evil. Se quiser saber um pouco mais sobre o que encontrar nesse café, clique aqui (conteúdo em inglês)!

Um filme japonês também foi criado para mostrar o universo de Ace Attorney de uma forma diferente. Lançado em 2012 nos cinemas japoneses, o live-action junta drama e comédia em um enredo que promete dar uma reviravolta na verdade sobre o incidente que resultou na morte de Gregory Edgeworth.

Com tudo isso na lista, Ace Attorney ainda possuí musicais, livros, mangás e vários produtos licenciados no Japão para expandir ainda mais o universo do game.

Ace Attorney Trilogy vale a pena?

Essa é a oportunidade perfeita para os jogadores conhecerem toda a história desse personagem tão icônico que é Phoenix Wright – e não é somente por ele ser carismático e engraçado, mas por todos os casos dele e de seus amigos e inimigos. Com certeza os jogadores vão ter uma experiência super gostosa. Se vale a pena? Não tenham nem dúvidas disso!

TAKE THAT! Onde Comprar?

Essa trilogia é vendida somente em formato digital, pela Playstation Store, Xbox Live, Steam e Nintendo eStore.

Phoenix Wright: Ace Attorney Trilogy foi analisado em um PlayStation 4 por meio de um código cedido pela Capcom Unity Brasil.

Análise feita por Paloma Cristini, com colaboração de Aluísio Teixeira.

Ficha técnica

Título: Phoenix Wright: Ace Attorney Trilogy
Data de lançamento: 9 de abril de 2019
Versões: Playstation 4/4 Pro, Xbox One/One X, PC (via Steam) e Nintendo Switch.

CONEXÃO CAPCOM - Análise - Phoenix Wright: Ace Attorney Trilogy
Gráficos realmente polidos;Soundtracks nostálgicas e sem chiados;Novos diálogos.
Corte em algumas interações;Apesar disso não ser um problema pra mim, a trilogia não tem legendas em português (o que pode dificultar o entendimento de novos fãs).
9Pontuação geral
Votação do leitor 2 Votos
10.0
%d blogueiros gostam disto: