A Capcom parece estar bem animada quando o assunto são jogos nas nuvens. Em uma recente entrevista publicada por meio do Wall Street Journal e repercutida por diversos sites pelo mundo, uma porta-voz da companhia disse que a performance de Resident Evil 7 Cloud Version, lançado com exclusividade para Nintendo Switch no Japão, está sendo acompanhada de perto e será determinante para saber se novos investimentos em produtos do tipo serão realizados.

Isso quer dizer que uma versão de Resident Evil 2 Remake para o Switch, por exemplo, pode ver a luz do dia – mas ao menos por enquanto, já sabemos que essa não é a prioridade para a Capcom. Não é uma novidade que os desenvolvedores vem pensando em alternativas para trabalhar em todo o tipo de aparelho disponível no mercado. Em 2017, antes mesmo da Cloud Version de RE7 ser anunciada, a empresa já buscava soluções para que a RE Engine pudesse funcionar no console da Nintendo, que tem uma arquitetura diferente dos demais aparelhos disponíveis no mercado. Talvez por conta de alguma limitação técnica, o foco pode ter sido direcionado para as nuvens.

Já sabemos que Resident Evil 7 Cloud Version é um produto que  funciona bem, ao menos no Japão, que é o mercado no qual o jogo foi pensado – leia mais sobre o assunto clicando aqui. A Capcom se mantém animada quando o assunto são jogos para o Nintendo Switch, o que pode levar a companhia a lançar inclusive mais títulos da franquia Resident Evil no console. Mas a forma com a qual produtos vão continuar a ser desenvolvidos no aparelho permanece uma incógnita, já que os fãs também receberam uma coletânea de Resident Evil Revelations no híbrido aos moldes tradicionais.

Mas e aí, o que esperar do futuro?


Os testes no Nintendo Switch podem ir além de apenas uma solução básica relacionada ao desempenho do aparelho, já que opções via streaming vem sendo testadas no mercado também por outras empresas. O PlayStation Now, por exemplo, que é um serviço oferecido pela Sony, já conta com jogos neste tipo de formato. Títulos da franquia Resident Evil para PlayStation 3 estão disponíveis nesse sistema: CODE: Veronica X, Operation Raccoon City, Revelations, Revelations 2Umbrella Chronicles e The Darkside Chronicles.

A começar por Resident Evil 7 Cloud Version, a Capcom pode estar interessada em criar toda uma estrutura própria com objetivo de envolver os seus jogos tradicionais, e daí sim expandir a proposta, iniciada no Switch, para outros aparelhos, como o PlayStation 4, Xbox One e PC (Steam?). A principal vantagem para os desenvolvedores que trabalham nas nuvens é ter uma só arquitetura como base – um computador superpotente, por exemplo. Depois do trabalho inicial, a segunda preocupação seria apenas em como espalhar o produto pela rede e entregar uma “resposta” com qualidade – algo como a Netflix faz com os vídeos – mas no caso dos jogos, é também preciso pensar nos comandos (no envio e na volta da informação).

E os jogos tradicionais, vão ter fim?


A resposta é um sonoro: NÃO, ao menos pelos próximos cinco ou dez anos, ou até que a rede mundial de computadores avance no quesito velocidade e qualidade – e que as empresas que vivem querendo enfiar “limites” no nosso consumo parem de agir. Apesar de parecer algo muito avançado, conceber jogos que possam ser rodados só por streaming exigem alguns fatores que AINDA limitam muita gente. Então os jogos tradicionais vão sim continuar existindo, mas soluções em nuvens são cada vez mais necessárias – de novo, pensem no fato da RE Engine.

O que esperar do futuro?

Talvez uma união entre os jogos tradicionais e os que rodem por meio de streaming, seja para resolver limitações de arquiteturas entre aparelhos ou até mesmo para dar opções para os jogadores. Lembram dos clássicos? Que permanecemos sem notícias para a nova geração? Como o primeiro e o segundo Resident Evil (não os remakes e remasters), assim como Resident Evil 3 Nemesis? Pois é, talvez as nuvens sejam uma opção viável para a Capcom nessa.

E você? O que pensa sobre o assunto? Deixe a sua opinião nos comentários!

%d blogueiros gostam disto: