O REVIL teve mais uma oportunidade de ouro neste mês de aniversário de 20 anos. Após a entrevista divertidíssima com o ator Nick Apostolides, o Leon S. Kennedy na versão americana de Resident Evil 2, e também conversar com o carismático dublador brasileiro Felipe Grinnan, que também dá voz ao personagem – somente os filmes Resident Evil: Condenação e Resident Evil: Degeneração – conseguimos chegar a mais uma profissional envolvida com vozes de videogame: Karen Strassman, a talentosa atriz que comandou Annette Birkin, na releitura de Resident Evil 2.

Além de Annette, Karen já trabalhou na franquia Resident Evil dando sua voz para as personagens Alexia Ashford em RE: Darkside Chronicles e para a personagem Kathy White em Resident Evil: A Vingança. Um de seus trabalhos na franquia menos percebido pelos fãs é sua interpretação como repórter da NTS Special Report que aparece no começo do RE Revelations, falando sobre Terragrigia. Também trabalhou em RE Degeneration e em RE The Umbrella Chronicles como voz adicional.

Sua linha de trabalho é mais focada em jogos J-RPGs, e o papel mais reconhecido de Karen é na franquia Persona, dando voz às personagens Aigis e Nanako Dojima. Também tem no currículo passagens em franquias como Fallout, Mortal Kombat, Silent Hill, Dragon’s Dogma, Monster Hunter, Tales of e diversos outros.

Na TV, podemos ver Karen Strassman em ação em séries como Preacher e em animes – Hunter X Hunter, Bleach, entre diversos outros.

Com uma experiência digna para ser representada por Annette Birkin, Karen contou em entrevista um pouco como foi essa experiência em Resident Evil 2.

Confira em vídeo:

Transcrição da entrevista em português:

REVIL: A franquia Resident Evil já tem 23 anos de história. Como foi sua experiência interpretando Annette Birkin?

Karen: Foi emocionante. A forma como a personagem foi escrita nesta versão, e sob a direção do brilhante Tom Keegan, eu fui capaz de torná-la muito humana e conflituosa. Ela não é mais simplesmente uma personagem malvada, mas neste jogo ela se mostra muito perturbada, profundamente humana e complexa.

REVIL: Você já teve contato com a franquia antes de Resident Evil 2? Se sim, em quais momentos?

Karen: Eu interpretei Alexia Ashford em Resident Evil: The DarkSide Chronicles, e também estava em Resident Evil Revelations e Resident Evil: Vendetta.

REVIL: O que sabe sobre a história e a vasta identidade da franquia Resident Evil?

Karen: Resident Evil é também conhecido como BIOHAZARD (B イ オ ハ ザ ー ド) no Japão. A franquia é de propriedade da Capcom e começou sua vida como um videogame criado por Shinji Mikami e Tokuro Fujiwara lançado em 1996. Aparentemente Resident Evil é a série de videogames mais vendida da Capcom em 31 de março de 2019!

REVIL: Como foi criar essa relação que Annette Birkin tem com sua família e trabalho, colocando em evidência esse conflito que ela passa em ambas as situações?

Karen: Foi realmente emocionante. Eu realmente tive que imaginar como seria ser ela, e ter a arma mais perigosa do mundo dando errado em minhas mãos…

REVIL: Como foi sua preparação para dar vida e voz a Annette Birkin? Essa preparação fez você ter contato com o jogo original de 1998?

Karen: Minha preparação, junto com o diretor Tom Keegan, foi um processo humano, muito humano e honesto de imaginar o que levou Annette a criar essa arma e como era seu relacionamento com William e Sherry. Eu pude entender e interpretar de forma convincente seus conflitos, sua missão, e defender suas decisões dentro do jogo através da sua perspectiva.

REVIL: Sabemos que seu currículo em dublagem é mais com trabalhos em animes e jogos J-RPG. Como foi sair um pouco dessa área e dublar em um gênero “Survival Horror”?

Karen: Absolutamente adorei. Na verdade eu fiz mais jogos de survival/horror do que muitas pessoas sabem. Alguns dos meus favoritos incluem Silent Hill, State of Decay 2 e a série Fallout. Eu acho que esse tipo de trabalho, como atriz, te dá uma chance de explorar algumas emoções humanas muito reais. Não é apenas sobre lutar, mas você também acaba envolvida no processo de contar uma história muito forte.

REVIL: Como foi o convite para participar de Resident Evil 2? Gostaria de voltar a dublar algum personagem na franquia?

Karen: Tive a honra de receber o papel diretamente dos produtores e do diretor sem fazer o teste. Eu amo essa franquia e ficaria feliz em fazer parte dela novamente.

REVIL: Sabemos que Resident Evil é uma franquia com foco essencialmente americano, por conta do cenário, do país que se passa. Dublar uma das personagens principais do jogo é um desafio e tanto, pois ele serve como base para outros países que também possuem suas dublagens – como a versão em espanhol e em japonês de RE2, por exemplo. Como foi feito esse processo no estúdio que você trabalhou? Você recebe somente o roteiro e dubla as imagens conforme a direção de alguém? Ou você vê realmente a personagem na tela e deve trabalhar em cima do que assiste?

Karen: A partir do momento que estivemos envolvidos na criação desta nova versão, os atores americanos foram a base para os personagens. Nós passamos várias semanas em um enorme set de captura de movimentos fazendo todo o mocap para os personagens, então não havia personagens para assistir ainda ou dublar, porque nós estávamos criando eles! Então sim, nós simplesmente recebemos o roteiro e fomos guiados pela direção confiável e detalhada de Tom Keegan. Havia também vários criadores da Capcom do Japão conosco no set todos os dias para compartilhar sua visão de cada cena no jogo e nos manter fiéis à sua visão.

REVIL: O Brasil é um grande mercado para Resident Evil, com vários fãs que apreciam o trabalho da franquia a anos. A recepção de Annette Birkin foi totalmente positiva. Como se sente em relação a esses fãs?

Karen: Estou muito feliz em saber que o Brasil é um mercado tão grande para o jogo e que o mesmo é tão amado. Eu fico animada (e também aliviada) que os brasileiros gostem do personagem de Annette e sou muito grata pelo seu entusiasmo e apoio!

REVIL: Se surgisse uma oportunidade, gostaria de conhecer o país e seus fãs em eventos como Brasil Game Show e Comic Con XP?

Karen: Eu iria amarrr!!!

REVIL: Deixe um recado para seus fãs e para a comunidade que acompanha o REVIL!

Karen: Nós trabalhamos muito duro para trazer mais dimensões humanas para este jogo e torná-lo ainda mais atraente para jogar. Eu estou tão feliz que vocês estão gostando, e espero poder ir ao Brasil um dia para conhecer muitos de vocês! Minha participação neste jogo foi um acúmulo de muitos, muitos anos de trabalho duro e devoção ao meu ofício como atriz. Encorajo todos vocês a seguir seus sonhos, sua imaginação, seus corações, seus instintos e intuição na vida. Sejam corajosos para enfrentar seus medos e fazer o que vocês desejam fazer na vida e ser quem desejam ser. É preciso muita coragem e é preciso coração. A vida é dura e muito curta, arrisquem e façam o que vocês amam.

Conseguimos ter uma noção de como a Capcom teve um cuidado em trazer toda essa nostalgia do clássico Resident Evil 2 com uma pitada de novidade, trazendo o trabalho super profissional e com perfeição da Karen Strassman, mais uma vez, para a franquia.


Créditos:

Contato e estrutura: Paloma Cristini e Ricardo Andretto

Tradução e revisão: Ricardo Alves e Ricardo Andretto

Gravação de áudio em português: Wallquiria Santos (voz da Karen) / Ricardo Andretto (narrador/perguntas)

Edição de vídeo: Frank Alcântara

Photo: Katz Public Relations
Photographer: Birdie Thompson
Hair and Makeup: Allison Noelle


English version [for the fans around the world]

REVIL had another golden opportunity on our 20th anniversary month. After a very entertaining interview with actor Nick Apostolides, who plays Leon S. Kennedy in the American version of Resident Evil 2, we managed to contact another Voice Acting professional who works in the video games industry: Karen Strassman, the talented actress who plays Annette Birkin in Resident Evil 2.

In addition to Annette, Karen has worked on the Resident Evil franchise giving her voice to the characters Alexia Ashford in RE: Darkside Chronicles and the character Kathy White in Resident Evil: Vendetta. One of her works in the franchise that is not so perceived by fans is her portrayal of the NTS Special Report reporter at the beginning of RE Revelations, talking about Terragrigia. She has also worked on RE Degeneration and RE The Umbrella Chronicles as an additional voice.

Her career is more focused on J-RPG games, and Karen’s most recognized role is in the Persona franchise, giving voice to the characters Aigis and Nanako Dojima. She also have in her curriculum other franchises such as Fallout, Mortal Kombat, Silent Hill, Dragon’s Dogma, Monster Hunter, Tales of and several others.

On TV, we can see Karen Strassman in action on shows like Preacher and animes – Hunter X Hunter, Bleach, and many others.

With an experience worthy of being represented by Annette Birkin, Karen told us in an interview a little bit about her experience working in Resident Evil 2.

The interview

REVIL: How was your experience voice acting Annette Birkin, in a franchise that already has 23 years of history in the gaming industry?

Karen: It was thrilling. The way the character was written in this iteration, and under the direction of the brilliant Tom Keegan, I was able to make her very human and conflicted. She is no longer a simple “bad” character, but in this game she shows up as very troubled, deeply human and complex.

REVIL: Did you had any experience with this franchise before Resident Evil 2? If so, in what moments?

Karen: I played Alexia Ashford in Resident Evil: The Dark Side Chronicles, and I was also in Resident Evil Revelations and Resident Evil: Vendetta.

REVIL: What do you know about the history and identity of the Resident Evil franchise?

Karen: Resident Evil is often known as BIOHAZARD (バイオハザード) in Japan. The franchise is owned by Capcom. The franchise started its life as a video game created by Shinji Mikami and Tokuro Fujiwara released in 1996. Apparently Resident Evil is Capcom’s best-selling video game series as of March 31st 2019!

REVIL: How was it to create this relationship that Annette Birkin has with her family and work, highlighting the conflict that she experiences in both situations?

Karen: It was really moving. I had to really imagine what it would be like to be her, and have the world’s most dangerous weapon gone wrong in my hands…

REVIL: How was your preparation to give life and voice to Annette Birkin? Did this preparation make you aware of the original 1998 game?

Karen: My preparation, together with director Tom Keegan, was a very human and honest human process of imagining what drove Annette to create this weapon and what her relationship was like with William and Sherry. I could understand and believably portray her struggles, her mission, and stand behind her decisions in the game from her perspective.

REVIL: We know that usually your resume in voice acting is more about jobs in anime and J-RPG games. What was it like getting out of that area and working in a “Survivor Horror” genre?

Karen: Absolutely loved it. I’ve actually done more of the survival/horror games than many people know. Some of my favorites include Silent Hill, State of Decay 2, and the Fallout series. I think it really gives you a chance to explore some very real human emotions as an actor. It’s not just fighting, but you get to be involved in telling a very compelling story.

REVIL: How did you land the role in Resident Evil 2? Would you like to return to play some other character in the future of the franchise?

Karen: I was honored to be offered the role directly by the producers and the director without auditioning. I love this franchise, and was delighted to be part of it again.

REVIL: We know that Resident Evil essentially has a focus in the American market, because of the scenario and country that the events of the game take place. Voicing one of the main characters in the game is quite the challenge, since it serves as a base for other countries that also have their on voice actors – like the Spanish and Japanese version of RE2, for example. How was this process done in the studio? Do you only get the script and dub the pictures according to someone’s direction? Or do you really see the character in the screen and work on what you watch?

Karen: Since we were involved in creating this new original version, the American actors were the basis for the characters. We spent several weeks on a huge motion capture set doing all the mocap for the characters, so there were no characters to watch yet or dub, because we were creating them! So yes, we were simply given the script and were guided by the trusty and detailed direction of Tom Keegan. There was also a number of the creators from Capcom in Japan who were with us on set every day to share their view of each scene in the game and keep us true to their vision.

REVIL: Brazil is a big market for the Resident Evil franchise, with fans that love and follow this franchise’s work for years. Your role as Annette Birkin was very well received. How do you feel about these fans?

Karen: I’m so delighted to know you guys have such a big market for the game and that it is so loved. I’m excited (and also relieved) that the Brazilians like the character of Annette and I’m so grateful for your enthusiasm and support!

REVIL: If an opportunity arose, would you like to come to Brazil to meet fans at events such as Brazil Game Show and Comic Con XP?

Karen: I would LOVE that!!!!!

REVIL: Thank you so much for your time and please leave a message to all your fans in Brazil who follow REVIL.

Karen: We worked really hard to bring added human dimensions to this game to make it even more compelling to play. I’m so glad that you guys are enjoying it, and I hope I can come to Brazil one day to meet many of you! My participation in this game was a cumulation of many, many years of hard work and devotion to my craft as an actor. I encourage you all to follow your dreams, your imagination, your guts, your hearts, your instincts and intuition in life. Be brave in facing your fears to do what you yearn to do in life and be who you yearn to be. It takes a lot of courage and it takes heart. Life is hard and it is very short, take risks and do what you love.

%d blogueiros gostam disto: