A franquia Resident Evil e a Nintendo têm um histórico de parceria ao longo dos anos. Lá no longínquo ano de 2002, a empresa lançou dois games que seriam exclusivos dos consoles da Big N por anos. Um deles é Resident Evil 0, que busca contar um pouco das origens de RE.

Com o passar dos anos, o título foi portado para consoles mais atuais e teve a sua exclusividade quebrada no PlayStation 3/4, Xbox 360/One e PC. Agora, o jogo faz seu caminho de volta a um console da Nintendo com uma nova versão para Switch, mas como será que RE0 se sai? Veja a seguir se é possível curtir as experiências de Rebecca Chambers e Billy Coen também em modo portátil!

Gráficos que encantam

Logo de cara já é possível dizer que o jogo está lindo, sendo a versão para Nintendo Switch basicamente igual às de PS4 e XBOX ONE, mas com algumas diferenças de resolução. Dos games clássicos da franquia que ainda usavam cenários pré-renderizados, este provavelmente é o mais bonito. Os efeitos de iluminação são excelentes e alguns elementos do cenário contam com animações que tornam o ambiente mais vivo.

Quando estamos no trem logo ao início do game, por exemplo, é possível ver garrafas rolando de um lado para o outro conforme o movimento do veículo. Temos reflexos dos personagens e zumbis em vidros e espelhos, o que é excelente de se ver tendo em mente que muitos jogos atuais não se preocupam com esse tipo de detalhe. Os modelos dos personagens também estão maravilhosos, assim como os inimigos. A mesma atenção não foi dada as cutscenes, já que elas realmente mostram a idade do game e parecem estar em uma qualidade inferior aos demais elementos.

Dinâmicas e controles

Os inimigos do game tem uma boa variedade, mas em sua grande maioria são bem genéricos. O monstro que causa mais impacto é também o que mais vai te irritar, o Mimicry Marcus. Outros vão apenas te irritar, como é o caso dos Eliminators, macacos que surgem mais ou menos na metade do jogo e que apesar de não serem muito fortes, podem te colocar em um canto e não te dar muito espaço para respirar.

O jogo apresenta dois sistemas de controle, o clássico Tank ou um modelo mais moderno com a movimentação dos personagens mais fluída. Infelizmente este port não utiliza nenhum recurso diferenciado do Nintendo Switch, como a tela de Touch ou os recursos do Joy-Con. Entendo que mantém a experiência original intacta, mas ainda sim poderíamos ter algo para tornar esta versão “única”. O grande diferencial acaba ficando mesmo pela portabilidade, que por si só já é maravilhosa.O sistema de gerenciamento de inventário de Resident Evil 0 nunca foi uma unanimidade e gera muito mais backtracking que outros games clássicos da franquia. No jogo, você pode controlar dois personagens ao mesmo tempo, cada um com 6 espaços de inventário e não temos baú. Por conta disso é preciso deixar itens que você não vai usar no chão e isso pode se tornar um pouco cansativo uma vez que se avançar muito no game e reparar que vai precisar de um item, terá que fazer um longo caminho de volta – dificuldade que não encontramos com tanta frequência em Resident Evil Remake, por exemplo, afinal podemos pegar os itens que precisamos no próximo baú. Não é um sistema ruim, mas pode desagradar por tornar o jogo mais lento.O sistema de troca de personagens funciona bem com comandos simplificados, o problema pode ficar no momento em que seu parceiro é controlado pelo game e insiste em ficar na sua frente quando precisamos empurrar algo ou passar em alguma porta. Podemos controlar os movimentos dele com o analógico da direita, mas ainda assim é algo que incomoda.A história do game é uma das mais fracas da franquia, deixando inconsistências com relação ao primeiro jogo da franquia, principalmente com relação a personagem da Rebecca, que parece esquecer tudo que viu e fez quando chega aos arredores de Raccoon City.

Falhas e adicionais fundamentais

O maior problema deste port de Resident Evil 0 para Switch é o seu tempo de carregamento (loading, em inglês) que é consideravelmente mais longo que as outras versões do game. A cada troca de cenário nós temos a clássica animação da porta que “esconde” o loading. O problema é que a animação parece não ser suficiente para aguentar o tempo necessário de carregamento da nova área – e aí ficamos com a tela travada ao final da animação. Por vezes cheguei a achar que meu console havia travado dado ao tempo de espera. Claro, essa situação varia de cenário para cenário, mas ainda assim é bem incômoda e atrapalha o ritmo do jogo que força o usuário a ir e vir muitas vezes.Resident Evil 0 tem um fator replay razoável com os modos desbloqueados ao término da campanha. São eles: Leech Hunter e o Wesker Mode, com destaque para o segundo que nos permite controlar o maior vilão da saga, Albert Wesker, na campanha principal ao lado de Rebecca com uma roupa um pouco diferente. É legal poder usar os poderes de Wesker para se desfazer rapidamente dos zumbis. O personagem é quase como uma bazuca infinita do game. Ainda sim, é engraçado ver o Wesker com a voz do Billy e agindo de forma mais “malandrona”.

Ver um port de um jogo como esse no Switch me deixa muito feliz e com esperança de que a Capcom possa tentar fazer um esforço para trazer outros jogos mais atuais da franquia como, o próprio remake de Resident Evil 2. Afinal, se a Warner conseguiu levar Mortal Kombat 11 ao híbrido Nintendo Switch, não custa a gente sonhar, não?Resident Evil 0 no Switch é uma excelente experiência clássica. Tem muitos elementos que todos adoramos e conta com puzzles bem interessantes, além de ter um sistema de conquistas integrado. Os gráficos são lindos e a portabilidade é o grande trunfo do console. Seus maiores problemas estão relacionados ao sistema de inventário, que pode ser difícil de se acostuma,  e principalmente às telas de carremanto. O preço do jogo também desanima um pouco, afinal podemos encontrar versões mais em conta dele em outras plataformas. No Switch, o título custa 29.99 dólares (cerca de R$ 120).

O jogo foi analisado em cópia digital cedida pela Capcom Unity Brasil. O texto não representa a opinião do REVIL como um todo, e sim do autor da análise.

Resident Evil 0 - Nintendo Switch
Gráficos lindos;Portabilidade de um clássico;Puzzles;Wesker Mode.
Loading muito demorado;História fraca;Sistema de inventário.
7.5Uma boa experiência portátil
Votação do leitor 12 Votos
7.3
%d blogueiros gostam disto: