A Capcom divulgou uma quarta parte em vídeo da mesa redonda envolvendo o time que participou do desenvolvimento do novo Resident Evil 2. O material traz como convidado o diretor da primeira versão do jogo, Hideki Kamiya – confira o primeiro conteúdo envolvendo o profissional clicando aqui.

Não há nada de muito novo no vídeo na verdade. Kamiya confessa ter se surpreendido bastante com os momentos assustadores. Ele diz ainda ter odiado a parte das celas subterrâneas da Delegacia de Polícia de Raccoon por deixar os jogadores tensos e curtido as roupas clássicas e de Elza Walker – do beta Resident Evil 1.5 – para Claire Redfield e escolar para Sherry Birkin.

A concepção da área do Orfanato também é citada e há um consenso de que Brian Irons é um inimigo que caiu super bem para Sherry, por que a ideia de que uma garotinha pudesse ser perseguida por um zumbi poderia não ser tão legal. No lugar de um zumbi, os jogadores ganharam um maluco que trouxe a sensação de medo e raiva.

Algumas mudanças na releitura de Resident Evil 2 são abordadas no vídeo, como a cafeteria do laboratório (com direito a passagem pelo teto) e a forma que o Licker aparece tanto ao pegar a joia vermelha, quanto ao pular sobre um vidro na delegacia. A zumbi de shortinho e a quadra de basquete são elementos que voltam renovados. Mas nem tudo é como no original. A inclusão dos cofres portáteis é um exemplo, uma vez que adicionam mais uma dificuldade para os jogadores (mas na dose certa, sem exageros).Hideki Kamiya diz ter se surpreendido com a dificuldade de Resident Evil 2 Remake e com a capacidade da Capcom em manter isso até nos dias atuais. É preciso controlar recursos e o uso, principalmente, de munições – e é isso que faz um jogo verdadeiramente ser de sobrevivência ao terror (survival horror, em inglês).

O pai espiritual de Resident Evil, Shinji Mikami, recebeu meio que uma menção honrosa dos profissionais na mesa redonda. Mikami (enquanto esteve na Capcom) sempre controlou a equipe com pulso firme e todos admitem que só estão na posição que estão por conta dele – envolve crescimento pessoal. Alguns na equipe eram muito novos, por exemplo. Na época em que deveriam estar trabalhando, estavam jogando Tetris Attack, título bastante popular – houve até uma proibição do jogo no estúdio por algum tempo.

A história de Resident Evil 2, com Claire e Leon S. Kennedy, tem duas profundidades com uma visão feminina e outra masculina sobre um mesmo cenário. No original, acabaram aparecendo quatro visões – entre Claire A/B e Leon A/B – e Hideki Kamiya afirma que os desenvolvedores conseguiram trazer esse mesmo efeito na releitura.

Além disso tudo, os profissionais da Capcom dizem ter passado por muita pressão para entregar a releitura de RE2. Sobre esse assunto, o diretor do clássico admite que preferiria não ter que passar por isso (caso ainda estivesse na companhia), sugerindo que cobranças poderiam atrapalhar a liberdade criativa. No fim, foi um grande desafio, que foi superado e o título é um sucesso.

Resident Evil 2 pode ser adquirido nas melhores lojas para PlayStation 4/PS4 PRO, Xbox One/Xbox One X e PC (Steam). No país, somente as versões de consoles estão sendo distribuídas de forma física pela Warner Games Brasil, com direito à fabricação nacional. Usuários do PC podem fazer a compra de RE2 na Steam – adquira o seu código de ativação no Green Man Gaming.

%d blogueiros gostam disto: